terça-feira, 12 de novembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / ‘Círculo do Coração’ quer alcançar 10 mil seguidores

‘Círculo do Coração’ quer alcançar 10 mil seguidores

Matéria publicada em 7 de abril de 2019, 16:45 horas

 


‘Casa do Coração’ cuida de crianças com cardiopatia congênita, inauguração da unidade está prevista para maio deste ano

Campanha na internet é para viabilizar atendimento gratuito de crianças com cardiopatia congênita
Foto: Reprodução Rede Social

Volta Redonda e Recife- “Onde há um desejo, há um caminho”. É com essa iniciativa que a cardiopediatra, Sandra Mattos, está promovendo uma campanha, por meio de rede social, para ajudar na divulgação do “Círculo do Coração”. O projeto tem a finalidade de conseguir recursos financeiros para a inauguração de uma unidade ambulatorial para atendimento gratuito de crianças, com cardiopatia congênita, em Campo Grande, no Recife. Para isso, é necessário chegar a 10.000 seguidores no Instagram (@cardiologiapediatricafetal), o convite para a campanha é extensivo a todos do Brasil.

De acordo com a médica Sandra Mattos, a inauguração da Casa do Coração está programada para 21 de maio deste ano. O imóvel foi doado por ela, mas precisa ser reformado e receber os equipamentos necessários para atender os pacientes. O projeto, que tornou-se referência, foi reconhecido com prêmios nacionais e internacionais. Este ano completa 25 anos, com um sonho antigo: inaugurar sua sede própria.

– Cuidar de crianças cardiopatas é um desafio em todo o mundo, principalmente nos países em desenvolvimento como o Brasil, onde os diagnósticos são frequentemente atrasados devido à falta de programas de rastreio e pessoal treinado, disponibilidade limitada de leitos hospitalares e pelo afastamento das comunidades rurais dos principais centros urbanos onde os especialistas em cardiologia pediátrica estão disponíveis. No Recife, Pernambuco, em julho de 1994, integrantes da Unidade de Cardiologia e Medicina Fetal (UCMF), instalada no Real Hospital Português (RHP), fundaram o Círculo do Coração (CirCor) com o principal objetivo de facilitar o tratamento de crianças carentes portadoras de doença cardíaca na região – explicou a médica, acrescentando que a contribuição de cada um pode ajudar a salvar vidas.

– Nosso trabalho acumula um legado de centenas de vidas salvas. Com sua doação, sua participação, você também pode fazer parte deste grupo que trabalha com o coração e ajudar mais e mais corações a continuar batendo – finalizou Sandra Mattos.

Rede de cardiologia pediátrica

O trabalho pioneiro do CirCor ganhou asas e criou a Rede de Cardiologia Pediátrica, um projeto pioneiro que utiliza a telemedicina para desenvolver uma abordagem inovadora e estruturar a assistência à criança cardiopata, viabilizando o tratamento desde a triagem, diagnóstico, cirurgia (quando necessário) e acompanhamento. Em outubro de 2011 a RCP foi implantada no estado da Paraíba onde, durante 7 anos, atendeu mais de 230 mil crianças, realizou centenas de cirurgias e ajudou a reduzir drasticamente a mortalidade neonatal. Antes do convênio que deu origem à Rede, muitas crianças morriam devido à escassez de profissionais capacitados, à falta de serviços para o diagnóstico e realização de cirurgias e ao excesso de burocracia nos trâmites dos processos de transferência para outros estados.

Em 2009, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontava uma taxa de mortalidade infantil total de 22,50 para o Brasil e de 35,20 para a Paraíba, onde as taxas de morbidade e mortalidade por doenças cardíacas em crianças eram tão altas, que a imprensa comparava o nascimento de um cardiopata com o ingresso na “fila da morte”. Com 3,7 milhões de habitantes e cerca de 70% das crianças atendidas pelo sistema público de saúde, muitas vivendo em áreas rurais e a maioria em localidades muito pobres, a falta de atendimento em cardiologia pediátrica fazia com que as crianças cardiopatas precisassem ser encaminhadas para fora do Estado para diagnóstico e tratamento. Um dos principais centros de referência era o Recife e, após longa lista de espera, os pacientes sofriam a deterioração de sua condição clínica, com muitas mortes registradas antes mesmo da primeira consulta com um especialista.

Doações para o projeto também podem ser feitas:

Fazendo alguma contribuição pela internet pelo https://doare.org/br/doacao/5510/circulo-do-coracao-de-pernambuco
Financiando algum item da nossa Lista do Coração, que também está no site das lojas Ferreira Costa https://presentes.ferreiracosta.com/ListaCasamentos/Lista/
Fazendo doações em dinheiro exclusivamente por meio de depósito na conta da ONG
Caixa Econômica Federal, Banco 104
OP 003 – C/C 626-5- Ag. 2348
CNPJ: 00.286.731/0001-45
– Adquirindo produtos na nossa Loja do Coração
– Sendo um voluntário e trazendo ideias e projetos
>>>>

Por Franciele Bueno 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document