terça-feira, 20 de agosto de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Denúncias de maus tratos contra animais aumentam 40% em Volta Redonda

Denúncias de maus tratos contra animais aumentam 40% em Volta Redonda

Matéria publicada em 23 de abril de 2019, 17:57 horas

 


Indignação das pessoas com casos de crueldade tem levado a maior número de denúncias

SPA existe há 20 anos e estima que já atendeu mais de 20 mil animais
(Foto: Divulgação)

Volta Redonda- O número de denúncias de maus tratos contra animais registrou um aumento de 40% este ano, de acordo com o vice-presidente da SPA (Sociedade Protetora dos Animais de Volta Redonda), Igor Reis. Ele acredita que os casos de maus tratos não aumentaram e sim o que aumentou foi à indignação das pessoas levando-as a denunciar os caos de maus tratos e crueldade. Igor salientou que antes as pessoas viam tais atitudes e não denunciavam. Atualmente com a ajuda da imprensa e de frentes de apoio aos animais, a população está mais encorajada.
O vice-presidente da SPA frisou que apesar do aumento das denúncias, elas precisam ser feitas da forma correta: na secretaria de Meio Ambiente de Volta Redonda, através do telefone (3339-9073), ou diretamente na secretaria no número (3350-7123), ou pelo aplicativo Fiscaliza VR. Igor destacou que se uma pessoa flagrar uma ação de maus tratos deve chamar a Polícia Militar (190) imediatamente, é importante também ter provas como fotos ou vídeos que vão auxiliar nas investigações e punição do autor.

– É importante frisar que as ONGs e protetores dos animais não têm poder de polícia, ou fiscalização para agir em casos de maus tratos. Os casos devem ser denunciados nas delegacias e juntamente aos órgãos responsáveis da prefeitura de sua cidade. Se o cidadão presenciar um flagrante, a pessoa pode ligar para o 190, a Polícia Militar tem por dever agir. E em algumas cidades, como, por exemplo, Volta Redonda e Barra Mansa, possuem a secretaria de Meio Ambiente, na qual podem ser encaminhadas também as denúncias. É importante informar que Volta Redonda tem site e aplicativo (Fiscaliza VR), que tem sido uma ferramenta importante de registro de denúncia online, podendo ser de forma anônima. O contato gera um protocolo que é enviado para a secretaria e a pasta tem que atender a essa solicitação – disse, acrescentando que “desde o caso Machinha (Carrefour), e principalmente, quando o programa Fantástico começou a gerar algumas reportagens relatando os maus tratos e criação ilegal de animais, as pessoas estão se conscientizando mais sendo estimuladas a denunciar. São marcas importantes à mídia incentivar as denúncias”, relatou.

Mudança da cultura de abandono

Igor Reis também é membro do Conselho Municipal de Proteção e Defesa Animal de Volta Redonda, ele comentou que dentro do conselho vem discutindo várias atitudes que precisam ser trabalhadas em prol dos animais, como, por exemplo: a cultura do abandono, que aumenta em 50% nos meses dezembro e janeiro de cada ano.
– Abandono e maus tratos são culturais e precisamos trabalhar isso com educação, reeducando as crianças e jovens que são influenciados pelo comportamento dos pais. Eu já ouvi isso de uma pessoa: “meu cachorro ficou doente eu abandono e depois pego outro”. Isso é cultural precisamos de educação para combater isso. A questão de pássaros na gaiola também. Nossa luta não é só para o cão e gato, é para todas as espécies de animais – disse.
Igor criticou duramente a comemoração do Dia das Crianças no Zoológico Municipal. Na opinião dele, as crianças deveriam aprender sobre o meio ambiente e como respeitar aos animais com aulas no Zoo durante o ano letivo.
– Quando falo em educação, por exemplo, o zoológico de Volta Redonda tem que ser tratado com o devido respeito aqueles animais, já tão sofridos merecem. Quando a prefeitura, e isso não é só da atual gestão não, faz a festa do Dia das Crianças no zoológico, com música, gritaria, correria, o que ela ensina para essas crianças. O zoo tem um programa de visita guiada muito legal, que deveria receber mais auxílio, ser dada maior importância a isso. Levando as crianças ao zoo durante o ano letivo para aprenderem sobre o meio ambiente e como respeitá-lo – comentou.
Segundo Igor, a fiscalização da prefeitura de Volta Redonda vem melhorando em relação as denúncias.
– Outra coisa é a fiscalização que tem que funcionar, antes a fiscalizando não estava funcionando de forma efetiva em Volta Redonda. Algumas coisas têm mudado e apresenta uma mudança, sinal de melhora. A polícia também tem que investigar e punir os agressores assim como a prefeitura – falou.

Controle de natalidade

O vice-presidente da SPA, Igor, frisou que o controle da natalidade é outra problemática na cidade, que é possível ser revertida através da castração dos animais. Em Volta Redonda, o Centro de Controle de Zoonoses, realiza castrações gratuitas, além disso, a própria SPA, conta com um projeto de castração a um preço acessível voltado a população carente.
– É fundamental a castração dos animais não só para o controle da natalidade, mas também para evitar doenças, como o câncer de mama, nas fêmeas, por exemplo. Um animal castrado vive mais, fica mais tranquilo com outros, só tem a contribuir para a qualidade de vida dele – disse.

Adoção responsável

Igor explicou que quando uma pessoa adota um animal, ela auxilia dois, o que você adota, e o que é acolhido na vaga do que foi adotado. Porém a adoção além de ser um ato de amor é necessária, sobretudo, ser responsável.
– Sobre posse responsável. É muito importante, antes de escolher ter um animal, que a pessoa entenda as responsabilidades disso. É importante pensar o que fazer quando for viajar, se mudar de casa por exemplo. Além disso, se atentar que os animais envelhecem, ficam doentes, choram. A pessoa precisa ter tanto condição financeira, para cumprir com os custos de se ter um animal, quanta condição psicológica e moral. Muita gente nos devolve cães adotados porque o animal late ou chora – falou.

Resgate

A SPA não tem condições financeiras nem espaço para abrigar novos animais, o local, segundo Igor Reis, está superlotado inviabilizando o resgate de outros. Entretanto, a SPA auxilia, em alguns casos, na divulgação de campanhas na internet para promover o custeio do tratamento do animal.
– Nós contamos com ajuda das pessoas e de voluntários que depositam dinheiro para o tratamento dos animais e para a compra de medicamentos, além disso, contamos com o apoio de pessoas que nos ajudam também a arrumar lar temporário para os animais que estão em tratamentos ou que foram abandonados – comentou.

Atuação da Câmara Municipal

De acordo com Igor, a Câmara Municipal tem que ouvir e representar o povo, na opinião do vice-presidente da ONG, há projetos de animais sendo votados que não condiz com a necessidade dos animais nem com a realidade financeira do município.
– O povo de Volta Redonda não precisa de cachorrodromo, nesse momento. O valor de uma obra dessas, você aluga um castramóvel por um ano, ou até compra um. Mas infelizmente temos visto alguns projetos na Câmara que não condizem nem com a realidade nem com a necessidade da cidade. É preciso conversar com a proteção animal, ONGs, grupos, protetores independentes, essa galera que arregaça a manga e põe a mão na massa fazendo o trabalho que seria do estado – citou.

Fundação da SPA

A SPA foi criada em 1998 em Volta Redonda é uma associação fundada por um grupo de pessoas que já havia percebido a necessidade de ajudar os animais. De acordo com Igor, a ONG se mantém com a doação dos sócios. Mas o número de contribuições caiu desde o período da crise no país. A presidente da SPA é Carminha Marques.
– Promovemos evento e campanha de doações, há pessoas esporádicas, incluindo voluntário, que contribuem sempre é o que vem mantendo a SPA neste momento – disse.
A SPA existe há 20 anos e estima que já atendeu mais de 20 mil animais.
– O atendimento da ONG nem sempre é o recolhimento. Muitos animais foram castrados na SPA, que já auxiliou também animais de diversas espécies mico, ouriço, cavalo, burro, pássaros e etc – falou.

Casos mais difíceis

O vice-presidente da SPA, Igor Reis, já teve contato com diversos casos de maus tratos e crueldade contra os animais, situações inimagináveis da maldade humana. Foram tantos casos cruéis que foi difícil Igor relatar o que já presenciou.
– É difícil dizer um caso em específico que me chocou, porque foram muitos. Tem a Vilma, que inclusive eu adotei, que era abusada sexualmente, teve um problema na pata e teve que amputar. Ela era cheia de feridas pelo corpo por conta de uma sarna demodesica. Dos oito cães que vivem comigo ela é a única que não se ressocializou ainda. Já aceita nosso contato, está conosco há uns 3 ou 4 anos e mesmo assim ainda tem medo do contato humano. Teve também o caso de uma cadela que acabou sendo adotada pela Carminha. O ex-tutor deu com um objeto tipo um machado, facão ou enxada na cabeça dela e a jogou fora ali na beira rio. Como se estivesse morta, mas ela não morreu. Foi resgatada MT fraca, com o crânio rachado, olhos pressionados, etc. Sobreviveu um tempo um dia morreu do nada na casa da Carminha. Acredita que foi algo referente a pancada que sofreu – finalizou.

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

3 comentários

  1. Avatar

    Expulsão já para o “policial” bandido do 28 BPM que matou a tiros um inocente cãozinho em pleno interior de uma residência !

  2. Avatar

    Isso é um absurdo ,tamanha covardia.

    • Avatar

      Fiquei sabendo que no jardim belmonte um policial atirou e matou um cachorro hoje 23/04 tremenda covardia teria que ser punido por isso

Untitled Document