quarta-feira, 13 de novembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Dia Mundial ao Autismo

Dia Mundial ao Autismo

Matéria publicada em 1 de abril de 2018, 17:39 horas

 


Fonoaudióloga fala de sintomas do transtorno; Autismo pode ser diagnosticado ainda na primeira infância

Sul Fluminense –  Amanhã(02), dia em que é comemorado o Dia Mundial da Conscientização do Autismo, a fonoaudióloga e sócia do Centro de Atendimento para Autistas-QualidVida, de Volta Redonda Érica de Mesquita Lacerda Varoni, destaca que o transtorno pode ser diagnosticado a partir dos 18 meses de vida. Ela explicou que existem vários sintomas, como dificuldade para se socializar, comunicar e organizar, movimentos repetitivos, estresse com mudança de rotina e situações inesperadas ou desconhecidas.
– Ao identificarem alguns desses sintomas, é importante que os pais procurem profissionais especializados como neuropediatra e psiquiatria, para diagnosticar e avaliar. A partir do diagnóstico, poderá procurar profissionais da área de saúde como: fonoaudióloga, psicologia, terapia ocupacional, fisioterapia. Ou seja, uma equipe multidisciplinar, para um tratamento adequado e estruturado dentro da demanda individual de cada um -explicou.
Cláudia Coelho de Moraes é mãe do Gabriel, de 29 anos, que possui TEA (Transtorno do Espectro do Autismo) de grau severo. Segundo ela, o filho a surpreende todos os dias e mesmo sendo diagnosticado, aos 12 anos, leva uma vida normal de acordo com os seus limites.
– Às vezes, nós pensamos que eles não vão conseguir algo, por ser difícil, mas com o tratamento adequado, eu vejo que tudo é possível e mesmo depois de adulto, eles aprendem muito. Eu percebia que o Gabriel era diferente de outras crianças. Na época, já era professora e tinha lido algumas coisas sobre autismo. Com um ano e oito meses, o levei ao médico, mas segundo eles, meu filho não tinha autismo, mas depois de 10 anos, o diagnóstico foi confirmado, – disse, explicando que Gabriel estuda e que sai com ela para todos os lugares, mas evita local com muito barulho.

Programação especial

Em Resende, a Secretaria de Educação promove nesta segunda-feira (02), de 13h as 17h, no Espaço Z, uma programação especial para celebrar a data. O evento visa conscientizar os profissionais sobre o autismo e orientar a população sobre como lidar com pessoas que sofrem o transtorno. Os participantes poderão ainda ver a exposição de trabalhos e materiais do Cemear (Centro Educacional de Atendimento ao Autista de Resende).
A programação inclui duas palestras: uma, às 15h, com o tema “A importância da inclusão de crianças com autismo”, e outra, às 16 horas, que falará sobre tema “Autismo: Vivências e estratégias pedagógicas”. Antes das palestras será feita uma apresentação do trabalho desenvolvido pelo Cemear.

Atendimento

Atualmente, o Centro Educacional de Atendimento ao Autista de Resende, atende 45 pessoas com idade entre quatro e 38 anos, através de uma equipe composta por profissionais formados em Educação Especial, alguns com ênfase em autismo, outros cursando essa especialização. A prioridade no atendimento, segundo a diretora da unidade, é para crianças em idade escolar.
Para ter acesso aos serviços oferecidos pelo Cemear é necessário fazer a inscrição no Centro, apresentando o laudo médico com o diagnóstico de autismo, além dos documentos básicos do aluno.

O transtorno

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o autismo afeta uma a cada 160 crianças. Estima-se que, hoje, 70 milhões de pessoas no mundo possuem algum tipo de autismo. No Brasil, esse número chega a 2 milhões.
O Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) refere-se a um grupo de transtornos caracterizados por prejuízos na interação social e de comunicação, associados a comportamentos repetitivos e interesses restritos, que engloba diversos aspectos do desenvolvimento infantil, podendo se dar em maior ou menor grau.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document