quinta-feira, 5 de dezembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Estado desativa 20 sirenes de chuva em Angra dos Reis

Estado desativa 20 sirenes de chuva em Angra dos Reis

Matéria publicada em 2 de maio de 2016, 19:12 horas

 


Motivo teria sido pela ‘forte crise financeira que acomete o estado do Rio de Janeiro’ de acordo com a Secretaria de Defesa Civil

Angra dos Reis – A Secretaria de Estado de Defesa Civil desativou os 20 blocos de sirenes instalados no município em 2014. O motivo, segundo o secretário, o coronel dos Bombeiros Ronaldo Jorge Brito de Alcântara, é “a forte crise financeira que acomete o estado do Rio de Janeiro”.

O documento, recebido pelo gabinete da prefeita Conceição Rabha (PT), foi enviado no dia 20 de abril, informando que a data de encerramento seria dia 25 do mesmo mês.
– Mais uma vez o estado prejudica o município de Angra dos Reis com corte de gastos essenciais para a população. Um exemplo recente disso foi a UPA (Unidade de Pronto Atendimento). Mas estamos respondendo ao secretário de estado para deixar clara a necessidade de Angra dos Reis ter as sirenes, que salvam vidas. Vamos lutar até o fim para não perder esses equipamentos – frisou a prefeita Conceição Rabha.
Mesmo sem as sirenes, Angra dos Reis ainda conta com um sistema de Alerta e Alarme, com envio de SMS, pluviômetros e capacitação de voluntários.
– Nós vivíamos sem as sirenes em Angra. Obviamente que elas vieram a somar com o nosso Sistema de Alerta e Alarme, mas desde que o estado entregou, elas não funcionam 100%. Nem se pudéssemos arcar com as despesas, não o faríamos, porque os equipamentos não funcionam de forma completa. Nos testes que realizamos todo o dia 12, temos resultados abaixo do satisfatório. Quando temos que acionar em uma situação real, por vezes tivemos que nos deslocar até os equipamentos para ligá-los manualmente. De qualquer forma, ainda temos o envio de mensagem de texto, o monitoramento por meio de radares de institutos de meteorologias do Rio de Janeiro e São Paulo e os pluviômetros – disse o secretário Hele Serafim.
A sirene funcionava como um reforço das mensagens de texto. Os moradores que residem em áreas de risco e já foram devidamente cadastrados na Defesa Civil recebem mensagem de texto em seus celulares sempre que existe algum aviso meteorológico. Em seguida, se existir necessidade de sair de suas casas, os mesmos moradores recebem novas mensagens informando sobre a necessidade. A sirene soava paralelamente.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

2 comentários

  1. Avatar

    Nas próximas eleições digite o 13 e confirma.

Untitled Document