sexta-feira, 23 de agosto de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Estudantes da região estão cada vez mais interessados por ciência

Estudantes da região estão cada vez mais interessados por ciência

Matéria publicada em 7 de julho de 2019, 11:00 horas

 


Quase cinco mil alunos já visitaram o Museu Interativo de Ciências do Sul Fluminense, desde a inauguração em 2013

Museu é um espaço interativo para crianças manterem contato com a ciência
(Foto: Franciele Bueno)

Barra Mansa – No Dia Nacional da Ciência, comemorado em 08 de julho, o Micinense (Museu Interativo de Ciências do Sul Fluminense), tem motivos para comemorar a data. O Museu já recebeu quase cinco mil alunos, desde 2013, quando foi inaugurado, além de ter ganhado no ano passado, 2018, o prêmio da Olimpíada Brasileira de Saúde e Meio Ambiente da Fundação Oswaldo Aranha (Fio Cruz), com a pesquisa sobre o cientista brasileiro Carlos Chagas, alertando sobre a transmissão e prevenção da doença de chagas.

O Micinense, instalado no Ciep Municipalizado 054, no bairro Vila Nova, possui dois espaços o “Salão de Exposição Interativo” e o “Laboratório Multidisciplinar”, onde recebe alunos de toda a região das redes municipais, estaduais e particulares com visitas orientadas, oficinas interativas e ciclo de palestras. Os interessados devem entrar em contato por e-mail (micinense@gmail.com) e agendar a visita.

O coordenador do Micinense, professor Luciano Gustavo Oliveira da Silva, destacou que os estudantes estão cada vez mais interessados por ciência, sendo que o museu tem o papel fundamental de desmistificar o trabalho do cientista e pesquisador. Ele explicou que quando os alunos chegam ao laboratório tem a percepção real de experimentos e observações científicas em biologia, física e química, e ficam empolgados com a possibilidade de ser um pesquisador no futuro.

– Quando os alunos chegam ao laboratório colocam o jaleco e começam a realizar os experimentos é nítida a empolgação deles. E o Micinense tem o objetivo de difundir esse conhecimento científico aos estudantes despertando o interesse nos projetos de pesquisa e iniciação científica Júnior – disse, acrescentando que só no ano passado quase mil alunos estiveram visitando o espaço.

No laboratório cada oficina é direcionada a série corresponde do aluno visitante, nas quais, são desenvolvidas atividades especificas dos conteúdos que ele estuda em sala de aula. Além disso, Luciano da Silva comentou que o Micinense também abre suas portas para os alunos da terceira idade de Volta Redonda, assistidos das Apae’s da região e outras instituições inclusivas de todo o Estado.

– Com os alunos inclusivos, nós, direcionamos atividades que vão de acordo com as suas necessidades, como, por exemplo, já recebemos deficientes auditivos e interagimos com eles priorizando as atividades visuais. Com os alunos da terceira idade realizamos atividades científicas que mostram o funcionamento do cérebro e do corpo e outras ligadas à biodiversidade – disse.

O laboratório é palco também de experimentos por alunos de mestrado da UFF e UFRRJ, atualmente duas alunas dessas universidades estão utilizando o espaço para suas teses. Alunos do ensino médio e do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas do Cederj-VR, também já utilizaram o espaço para pesquisas.

O Micinense é foi idealizado pelo professor de biologia Luciano da Silva, as professoras Cláudia Balieiro Moraes e Lucrécia Martins, são as mediadoras das ações nos espaços.

Iniciação Científica Júnior

O aluno do 9º ano do Ciep 054, Vanderson Luís Amaral Porto Júnior, de 14 anos, é bolsista da Iniciação Científica Júnior do CNPq e foi através do projeto de “Aplicação de Drone na Saúde Pública”, que o estudante ingressou na pesquisa acadêmica. Ele explicou que desenvolveu a pesquisa após perceber a dificuldade dos agentes de endemias na fiscalização de focos do mosquito Aedes aegypti em locais de difícil acesso, como, por exemplo, as caixas d’águas e telhados.

– Percebi a dificuldade dos agentes de saúde e elaborei um drone com materiais simples utilizando motor de divre de DVD, papelão, isopor e só gastei de fato com a placa de controle, o valor de R$ 200. Como também faço curso de robótica não tive dificuldade na elaboração. Testei o drone e deu certo – comentou empolgado.

Serviço

O Micenense promove em outubro feiras temáticas em alusão a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia. Outras atividades também são feitas ao longo do ano celebrando a Semana de Museus com mostras itinerantes na região, Projetos Ver Ciência, Novos Talentos e Pesquisa em Difusão Científica e Ensino de Ciências também são as demais atividades realizadas pelo Museu. Mais informações no telefone (24) 3324-4597. O Micinense fica localizado na Rua João Batista de Athaíde, s/n, no bairro Vila Maria em Barra Mansa.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

2 comentários

  1. Avatar
    Danquimaia Astaroth

    CONVERSA !!!

  2. Avatar

    Nesse ritmo de apoio à ciência e à tecnologia seremos os EUA dos anos quarenta… daqui uns vinte anos!

Untitled Document