Garoto de quatro anos morre afogado em condomínio de Volta Redonda

by Diário do Vale
afogamento minha casa minha vida  (2)

Grupo de crianças teria invadido condomínio para utilizar a piscina
(Foto: Franciele Bueno)

Volta Redonda – Um menino de quatro anos morreu na tarde de domingo (15), em um condomínio que está sendo construído no bairro Roma II. Davi da Cunha Mendonça se afogou em uma piscina do local. Ele chegou a ser socorrido, mas acabou morrendo no Hospital São João Batista.
O corpo de Davi foi enterrado no fim da manhã desta segunda-feira (16), no Cemitério Municipal Isidório Ribeiro, no bairro Retiro.
De acordo com o registro feito na delegacia de Volta Redonda (93ª DP), um vigia do condomínio voltando do almoço, por volta das 13h30, quando avistou crianças correndo dentro do empreendimento imobiliário. Ele então durante uma ronda percebeu que uma delas estava boiando na piscina, e que aparentemente não estava respirando.

O vigia então socorreu a criança e teria tentado reanimá-la com massagem cardíaca, mas sem sucesso. Um tio do menino apareceu e levou ele até um posto de atendimento da CCR NovaDutra – concessionária que administra a Rodovia Presidente Dutra-, na saída do bairro, de onde foi para o Hospital São João Batista. Na unidade médica, ele foi atendido mas não resistiu e morreu.
Agora a polícia irá ouvir os pais da criança, que ainda não prestaram depoimento por estarem bastante abalados. O delegado adjunto da 93ª DP, Marcio Leandro Figueroa, disse ainda que pretende colher informações dos responsáveis pelas outras crianças que estavam com Davi quando ele se afogou.
Figueroa aguarda também o resultado do exame do IML (Instituto Médico Legal) para saber se a causa da morte de Davi foi realmente o afogamento.

Uma perícia da Polícia Civil foi feita no local do acidente. Os investigadores querem saber como as crianças entraram no condomínio, já que ele está em obras e fechado.
Normalmente quando estão obras, as piscinas de fibra, mais usadas atualmente, costumam ficar cheias para evitar que o material fique exposto ao tempo e assim resseque. Além disso, a água é usada para saber se há algum vazamento.

You may also like

38 comments

Aposentado 18 de novembro de 2015, 01:21h - 01:21

PAULINHO!!!!!!!!!!!!!!!!
CLEUSA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Voltem para a escola pelo amor de Deus!!!!!!!!!!

Gênio 18 de novembro de 2015, 16:37h - 16:37

Kkkkkkkkkkkkk

Renata 17 de novembro de 2015, 20:07h - 20:07

Nossa… Q tragédia! Q Deus conforte aa família

Anonimous 17 de novembro de 2015, 15:59h - 15:59

Por isso eu não aceitem comprar apto lá.

É bem obvio que as crianças e adolecentes dos condominios do minha casa minha vida, iriam pular o muro pra usufruir do outro condominio que é completo. ( e olha que nem pronto tá )

Formiga 17 de novembro de 2015, 17:10h - 17:10

Anonimous —–> E oq uma coisa tem a ver com outra ???????

usuario 17 de novembro de 2015, 19:06h - 19:06

cara, se informa antes de falar besteira.
o condomínio tem um muro de 3 metros de altura!!!!!
as crianças só conseguiram entrar pq existe uma abertura provisória no muro, para a passagem de máquinas.

jricardo 17 de novembro de 2015, 10:13h - 10:13

Muito triste o que aconteceu, mas tem pessoas que acham que ter filho é só dar comida, água e um local para passar a noite. Deixam a criança largada na rua, sem qualquer supervisão de um adulto. Depois não adianta chorar.

MARCOS 21 de novembro de 2015, 16:35h - 16:35

Não julgueis

julia 17 de novembro de 2015, 08:05h - 08:05

A pergunta é: onde estavam os Responsáveis por esta criança de 04 anos de idade??????

Alvaro f Silva 17 de novembro de 2015, 07:44h - 07:44

O que fazia um menino de quatro anos no meio da molecada ? Deve-se cobrar essa resposta dos seus responsáveis e responsabiliza-los pelo abandono de incapaz nas ruas de um conjunto habitacional ainda desocupado.

mc dr 16 de novembro de 2015, 21:49h - 21:49

Como o tio da criança apareceu depois? Lá não é fechado? Essa história está muito mal contada

[email protected] 16 de novembro de 2015, 21:10h - 21:10

o hospital sao joao batista o seu atendimento e pessimo o paciente tem que espera ate dez horas ou mais isto e uma vergonha total para volta redonda

Kelly 16 de novembro de 2015, 22:04h - 22:04

Boa noite,trabalho a anos no hospital e nunca ouvir dizer que esperaram dez horas pra ser atendido,VC não tem o que falar cala a boca ,quando se trata de urgência entra imediatamente e o corpo médico do hospital fez de tudo para salvar essa criança que e filho de um amigo nosso de trabalho, respeita a dor dos outros…

Cláudia 16 de novembro de 2015, 20:16h - 20:16

Pra que procurar um culpado, vai trazer de volta o pequeno Davi a resposta é não. Vamos nos colocar só por um segundo no lugar desse pai e dessa mãe. ,e respeitar a dor deles. E que isso sirva de exemplo para todos. Hoje foi com a Verônica amanhã pode ser qualquer um de nós. Conheço muito bem a mãe do Davi e sei como ela sempre cuidou bem dos filhos dela. Que Deus conforte o coração de toda a família

Emily 16 de novembro de 2015, 19:03h - 19:03

É muito fácil ficar criticando quem é certo ou errado pq não são vos que estão sofrendo

Emily 16 de novembro de 2015, 19:03h - 19:03

É muito fácil ficar criticando quem é certo ou errado pq não são vos que estão sofrendo

cleusa 16 de novembro de 2015, 18:10h - 18:10

Isso com certeza é in responsabilidade dos pais, onde estava os pais nessa hora como ele foi parar lá sozinho

julia 17 de novembro de 2015, 08:03h - 08:03

isso ai…. Onde estavam os pais?

cleusa 16 de novembro de 2015, 18:08h - 18:08

Isso com certeza é in responsabilidade dos pais imagina uma criança de 4 anos, e onde estava os pais nessa hora

bia 16 de novembro de 2015, 17:56h - 17:56

A materia esta digitada errada ou eu nao entendi… a criança foi levada para o resgate da nova dutra ou foi achada boiando?

Juh 16 de novembro de 2015, 19:50h - 19:50

Pelo que eu entendi o vigia o achou boiando e tentou reanima lo nesse meio tempo o tio da criança chegou e levou ele para o posto da nova dultra

usuario 16 de novembro de 2015, 17:49h - 17:49

A piscina estava em teste para assegurar que não havia vazamentos, portanto não estava liberada para uso, o que justifica o fato de nao haver salva vidas. Como alguém vai pagar salva vidas para tomar conta de uma piscina que não pode ser usada?
trata-se de negligência por parte dos pais que deixaram uma criança de 4 anos sozinha, esses sim deveriam ser penalizados pela lei.
Quanto aos moradores do condominio ao lado que falaram que não há segurança na obra, tem sim!!! justamente para evitar tais invasões dos moradores do vida nova. Que num passado recente causaram grande prejuizo à obra, furtanto diversos equipamentos.
e por final, DIÁRIO DO VALE, vocês são muito ruins. apurem os fatos antes de dar a notícia. pelo que vocês escreveram, estão dando a pensar que a culpa é da construtora.

Carol 16 de novembro de 2015, 17:33h - 17:33

Uma fatalidade , meus sentimentos aos país e familiares deste pequeno anjo. Aos pais agora resta apenas o peso de saber que seu filho não estará mas ao seu lado.
Quando se trata de fatalidades não podemos apontar culpados. Elas simplesmente acontece Deus sabe de todas as coisas .

Al Fatah 16 de novembro de 2015, 20:41h - 20:41

Uma fatalidade uma criança de QUATRO ANOS andando por aí sozinha?… É muito chato julgar os pais nesse momento muito difícil, mas está evidente que eles são relapsos, dessas pessoas que cresceram sem levar a vida a sério e sem estarem preparadas para ser pais e mães. Lamentável…

jricardo 17 de novembro de 2015, 10:15h - 10:15

Carol, fatalidade não, irresponsabilidade dos pais.

Anna 17 de novembro de 2015, 13:32h - 13:32

Eu conheço os país dele, eles foram meus vizinhos, ela tem vários filhos e eles viviam na rua sozinhos, infelizmente aconteceu isso..

Leitor 16 de novembro de 2015, 16:44h - 16:44

A matéria é confusa e mistura informações distintas e desnecessárias. Foi um acidente em uma obra civil ? Por que a jornalista cita lei que obriga a presença de salva vidas em algo que nem esta pronto ? Seria o mesmo que cobrar a presença de médicos no hospital regional que nem esta pronto

Adriana 16 de novembro de 2015, 15:54h - 15:54

Como uma criança de quatro anos foi parar nesse lugar?

Priscila 16 de novembro de 2015, 16:32h - 16:32

Pois e! O empreendimento e murado! Espero que a ivestigacao policial esclareça quem provavelmente a colocou pra dentro! Ai sim, poderão responsabilizar quem realmente contribuiu para o incidente!

Priscila 16 de novembro de 2015, 15:44h - 15:44

So pra esclarecer, não se pode imputar ônus ao que ainda não existe!! Condominio é modo de se referir ao empreendimento! Condominio de fato existirá quando este estiver de fato registrado em cartório, o que no caso, até onde sei, ainda não aconteceu!! A construtora, portanto, é quem legalmente responde pelo espaço! Tanto é que se tentarem imputar ao condominio alguma responsabilidade, será impossivel, já que a data do fato antecede seu registro!

Priscila 16 de novembro de 2015, 15:33h - 15:33

A reportagem não esclarece muita coisa! Pra começar, o condominio “minha casa minha vida” fica ao lado do Bella Roma, que tbm contou com recursos do governo Federal para “parte” do financiamento dos imóveis! O fato é, o “condominio” ainda nem existe, pois nenhum imóvel foi entregue, cabendo a construtora a possível responsabilidade caso reste comprovada alguma negligência! Outro detalhe é que se trata de área privada e além do mais a piscina nem esta em funcionamento! Até onde se sabe, para ter acesso a piscina, de algum modo houve invasão! Lamento a perda dos familiares desta crinça, mas negligência absoluta e indiscutível é a de quem devia assegurar a integriade da vítima…então cara reporter, não há que se falar em responsabilidade do “condominio” pois este não foi instituido, nem tão pouco da ausência de guardião de piscina, que ainda esta desativada! Sugiro que divulguem com quem estava essa criança, pois essa pessoa sim, negligenciou sua segurança e cuidado!! Pronto..falei!

perito 16 de novembro de 2015, 15:05h - 15:05

“clubes e prédios residenciais”. Nos clubes a contratação do profissional deve ser feita pela administração do clube assim como no caso de residenciais localizadas em condomínios cabe ao síndico. Colocar a culpa nos bombeiros vc esta brincando certo? os únicos responsáveis neste caso são os pais, que não deveriam permitir que uma criança de apenas 4 anos estivesse sem vigilância.

geninha 16 de novembro de 2015, 15:56h - 15:56

Perfeito, agora a culpa é do vigia e dos bombeiros ? .

cidadão 16 de novembro de 2015, 14:59h - 14:59

se o condominio foi inalgurado ou não é de responsabilidade sim dos mesmos, com essa seca e falta de chuva é dificil encher , ali esta frequentando um numero significado de publicos. sem contar em outros lugares do bairro de volta redonda.

Marcelo 16 de novembro de 2015, 13:57h - 13:57

Estranho. O condomínio ainda está em obras e a piscina ainda não está pronta. Deve ter ficado cheia com água da chuva. Colocar salva-vidas em piscina que ainda está sendo construída está previsto em Lei também? Quem fez a matéria poderia explicar se piscina que ainda está sendo construída deve ter, por Lei, um salva-vidas?

Futura Moradora do Condominio 16 de novembro de 2015, 13:12h - 13:12

Por se tratar de um condomínio em construção, atual canteiro de obras, não há guardião de piscina.
A criança junto com outras pularam o muro do condomínio. Onde estaria os pais dessa criança?

Gustavo 16 de novembro de 2015, 13:05h - 13:05

A culpa não é dos Bomeiros e sim do responsável por essa criança de apenas quatro anos.

Como pode alguém permitir que uma criança dessa idade fique sozinha em uma piscina!?

paulinho 17 de novembro de 2015, 15:02h - 15:02

gente essa crianca devi ser dos moradores de roma minha casa minha vida e descupe mais e dificio te auguem responsaveis la pronto falei

Comments are closed.

diário do vale

Rua Simão da Cunha Gago, n° 145
Edifício Maximum – Salas 713 e 714
Aterrado – Volta Redonda – RJ

 (24) 3212-1812 – Atendimento

(24) 99926-5051 – Jornalismo

(24) 99234-8846 – Comercial

(24) 99234-8846 – Assinaturas
.

Image partner – depositphotos

Canal diário do vale

colunas

© 2024 – DIARIO DO VALE. Todos os direitos reservados à Empresa Jornalística Vale do Aço Ltda. –  Jornal fundado em 5 de outubro de 1992 | Site: desde 1996