sábado, 27 de novembro de 2021 - 23:43 h

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Inclusão e acessibilidade são temas de oficina em Pinheiral

Inclusão e acessibilidade são temas de oficina em Pinheiral

Matéria publicada em 5 de novembro de 2015, 13:38 horas

 


_DSC0138


(Foto: Divulgação)

Pinheiral – Buscando garantir mais autonomia e participação de pessoas com deficiência, mobilidade reduzida e/ou outras condições na vida cultural, a Prefeitura de Pinheiral, através da Secretaria Municipal de Educação, em parceria com a ONG “Escola de Gente” promoveu ontem (4) a oficina “Teatro Acessível: Arte, Prazer e Direitos”.

A atividade, realizada na Escola Municipal Domingas Alves Ferreira, contou com a participação de profissionais da rede municipal de ensino do município, comunidade e alunos da APAE – Pinheiral.

A “Escola de Gente – Comunicação e Inclusão” foi idealizada em 2011 e trabalha para que as sociedades sejam inclusivas e sustentáveis. Percorre o país levando teatro gratuito e acessível a crianças, adolescentes e jovens. Em 2013, o projeto foi incorporado como ação e conteúdo de política pública pelo Ministério da Cultura, através da ação da Secretaria de Cidadania, Diversidade e Cultura. Já sensibilizou mais de 410 mil pessoas todo Brasil e em 16 países das Américas, Europa, Oceania e África. Por sua atuação, a Escola de Gente recebeu 25 reconhecimentos nacionais e internacionais, como o “Prêmio Direitos Humanos 2011” da Presidência da República na categoria “Direitos de Pessoas com Deficiência”.

Margarita Ieong, coordenadora de projetos da ONG, explicou que o projeto tem cunho social, cultural e político.

– O projeto busca aliar as três esferas para promover inclusão. A maioria das pessoas acha que inclui, mas promove ações que segregam ainda mais. A Escola tem 13 anos e buscamos sempre promover atividades que sejam acessíveis para todos – disse.

A coordenadora também falou um pouco sobre as diferentes formas executadas pelo grupo para difundir conteúdo e informação.

– Contamos com visitas guiadas em nossa peça do livro “Um amigo diferente” de Cláudia Werneck, fundadora da ONG. Na oportunidade, o público pode tocar o palco, ouvir a descrição das cenas e também contar com a presença de um intérprete de libras. O livro também foi produzido em diferentes formatos além do impresso para promover a inclusão de todos – disse Margarita.

Durante a atividade, foram realizadas dinâmicas de grupo que ressaltavam os sentidos, as diferenças entre as pessoas, discriminação, preconceito e opiniões divergentes. Os atores do grupo “Os Inclusos e Os Sisos”, Vítor Albuquerque, Fábio Nunes e Mariana Rebelo organizaram dinâmicas de grupo buscando alertar para o tema. De acordo com Vitor, a oficina é uma troca de ideias e experiências.

– O momento não é somente uma aula. É hora de trocar e também sair da zona de conforto. Vamos juntos trocar ideias e experiências – declarou o ator.

A Fundadora do Protejo

Claudia Werneck, idealizadora e fundadora da Escola de Gente, é jornalista e pós-graduada em Comunicação e Saúde. Palestrante, pesquisadora e consultora, é escritora com dezenas de livros sobre inclusão, direitos humanos, discriminação e diversidade vendidos no Brasil e exterior e 12 títulos publicados para crianças e adultos em português, inglês e espanhol.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. a prefeitura deveria fazer uma campanha de mobilização urbana para os deficiente(cadeirante e idosos ), fiscalizar o transito ( retirando os carros das calçadas e multando ,Estacionar veículo sobre a calçada ou faixa de pedestre.
    Código de Trânsito Brasileiro (CTB) – Art. 181, inciso VIII Infração: Grave – 05 (cinco) pontos Penalidade: Multa – R$ 127,69 Medida administrativa: Remoção do veículo ) para melhoras o acesso das pessoas.

Untitled Document