quinta-feira, 2 de abril de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / MPF propõe TAC em favor dos moradores atingidos por obras em Barra Mansa

MPF propõe TAC em favor dos moradores atingidos por obras em Barra Mansa

Matéria publicada em 14 de dezembro de 2015, 15:49 horas

 


Acordo visa garantir os direitos de moradia e propriedade dos moradores e a ampliação do pátio de manobras férreas

Barra Mansa – O Ministério Público Federal em Volta Redonda propôs termo de ajustamento de conduta (TAC) ao Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) e ao Município de Barra Mansa com o objetivo de pôr fim ao impasse que vivem as famílias impactadas pelas obras de ampliação do pátio de manobras em Barra Mansa. O TAC prevê o reconhecimento dos direitos de moradia e de propriedade das famílias impactadas e assegura três possibilidades de solução: reassentamento, indenização e compra assistida, mediante prévio processo de informação e consentimento, devendo ser considerados os interesses dos moradores.

A política de reassentamento consiste na transferência dos moradores para duas áreas, localizadas, respectivamente, na Rua Pedro Flores, onde se situa o campo do Tupi, e em área situada na várzea do quartel, em terreno do Município de Barra Mansa. A prefeitura se comprometeria a elaborar um projeto urbanístico e entregaria casas aos moradores. A indenização e a compra assistida se referem ao pagamento de valores, pelo Município e pelo DNIT, conforme a avaliação feita nos imóveis. Em todos os casos, a proposta de TAC ressalta que haverá a transferência de propriedade aos moradores, inclusive àqueles que forem atingidos parcialmente pelas obras.

O TAC foi proposto após a apresentação de propostas pelo Município e pelo DNIT, em atendimento a um dos pedidos feitos em ação civil pública proposta pelo MPF neste ano. A ação contesta a falta de transparência do Poder Público na condução da questão e ressalta a necessidade de diálogo e informação para garantir uma solução justa ao caso.

As cláusulas propostas foram previamente discutidas com a comunidade, que concorda em resolver a questão se os pleitos referentes a seus direitos forem atendidos. “Creio que é possível chegar a um consenso se os direitos forem reconhecidos”, afirma o procurador da República Julio José Araujo Junior, que acompanha o caso.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

3 comentários

  1. Avatar

    Lei federal de 1979 (Lei nº 6766 /79) que determina uma distância mínima de 15 metros entre qualquer tipo de imóvel e a estrada de ferro. Risco de tombamento e descarrilhamento,.. . Trajédias já ocorreram. Deve ser levado à sério e tratado com mais responsabilidade. Quem permitiu essas obras, deixou para governos posteriores o compromisso de negociar e oferecer mais segurança para as famílias.

  2. Avatar

    O cidadão invade área da união, ainda tem um TAC para ajudá-lo,
    E o cidadão que cumpre todos seus direitos, ganha o que

    • Avatar

      Ninguém invadiu nada, são famílias residentes desde os tempos em que ainda existia a Rede Ferroviária Federal, pois essas terras foram cedidas na época pela mesma. As pessoas precisam se informar mais sobre a situação. Garanto que vc Manoel é morador de periferia de Barra Mansa.

Untitled Document