sábado, 27 de novembro de 2021 - 21:13 h

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / OAB promove palestra sobre discriminação racial em Barra Mansa

OAB promove palestra sobre discriminação racial em Barra Mansa

Matéria publicada em 23 de novembro de 2016, 14:35 horas

 


oaba-palestrra-preocenceito-divulgacao

Palestra discute formas de conscientizar a sociedade sobre as formas de preconceito
(Foto: Divulgação)

Barra Mansa – A Ordem dos Advogados de Barra Mansa, através da Comissão de Igualdade Religiosa, Racial e de Gênero, realizou na noite de terça-feira (22) uma palestra sobre a discriminação racial, preconceitos e crimes. Os palestrantes foram a advogada Maria Joaquina, a professora Quininha e o Promotor de Justiça, titular da Comarca de Rio Claro, Francisco Cardoso.

Também fizeram parte da mesa o presidente da OAB-BM, Noé Garcêz, a presidente da Comissão de Igualdade Religiosa, Racial e de Gênero, Jacqueline Reis, a vice-prefeita eleita em Barra Mansa, professora Fátima, o juiz Roberto Henrique e a presidente da Comissão de Direitos da Criança e Adolescente, Maria Cristina Silva.

Segundo Jacqueline Reis, a intenção da palestra foi conscientizar a sociedade. “A discriminação, embora seja negada por muitos, é uma triste realidade e cada vez mais corriqueira. O racismo não escolhe classe social, atinge a todo de maneira desumana e cruel. O racismo só vai terminar a partir do respeito mútuo”, ponderou.

Francisco Cardoso também acredita que o tema é de grande importância. “O estudo é altamente relevante porque as pessoas precisam entender da necessidade de se viver numa sociedade justa e igual, sem distinção de qualquer natureza. O papel dos advogados e dos demais operadores de direito na construção dessa sociedade que ansiamos é fundamental”, disse Cardoso.

A professora Quininha, que é doutora em Teologia com especialidade em Antropologia e Ética, falou da pretensão de se assumir que o Brasil é um país racista. Segundo ela, o preconceito no país “é velado”.

A vice-prefeita eleita falou que, é através da educação e das crianças, que o racismo pode acabar. “Nós não temos culpa pela existência do racismo, mas temos a responsabilidade de fazermos algo para mudar essa cultura de preconceito. Através da educação e de investimentos nas crianças é que podemos fazer essa mudança”, frisou Fátima.

Nomeados

Ainda na noite de anteontem, a OAB homenageou os antigos e atuais conselheiros tutelares do município. A presidente da Comissão de Direitos da Criança e Adolescente, Maria Cristina Silva, lembrou que o Dia do Conselheiro Tutelar foi comemorado no último dia 18. “Os conselheiros tutelares não tem reconhecimento do poder público, mas nós vamos seguir lutando para isso mudar e também para garantir o respeito das crianças e dos adolescentes”, concluiu.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. E quando será a palestra que promoverá a Consciência Humana? Essa sim, soma. A outra divide.

Untitled Document