sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Obras de urbanização e infra-estruturas são retomadas em Resende

Obras de urbanização e infra-estruturas são retomadas em Resende

Matéria publicada em 26 de dezembro de 2018, 17:41 horas

 


Resende –  O ano de 2018 foi marcado por obras de urbanização e infraestrutura, incluindo a estrada Surubi-Bulhões e do acesso ao bairro Jardim do Sol, além da conclusão das obras da Rua São Paulo, no bairro Alvorada, entre muitas outras ações.  A urbanização da Surubi-Bulhões, estrada que tem cerca de oito quilômetros de extensão, foi reiniciada no final do ano passado, mas ganhou ritmo este ano e já está com 87% de sua infraestrutura pronta para receber a massa asfáltica e o sistema de iluminação pública.

A via, que vai representar mais uma alternativa de entrada e saída da cidade, além de um novo acesso ao município de Porto Real, sem precisar trafegar pela Via Dutra, conta com duas pistas de rolamento, calçadas e uma ciclovia. Financiada pelo Governo Federal, com contrapartida da Prefeitura, está orçada em R$ 25 milhões.

Outra obra retomada em julho de 2018 é a drenagem e pavimentação da rua de acesso ao bairro Jardim do Sol, orçada em R$ 3 milhões, e que prevê serviços de drenagem e pavimentação da Avenida Jefferson Geraldo Bruno, que dá acesso ao bairro, e da Rua Netuno. Os trabalhos no local estão avançados, com o sistema de drenagem praticamente concluído para receber a pavimentação.

Já na região da Alvorada e Manejo, a boa notícia de 2018 foi a conclusão, no início de dezembro, da pavimentação da Rua São Paulo e a finalização das obras da Avenida Governador Portela, prevista para as próximas semanas.

No Centro da cidade, foram feitas a revitalização da Capela Mortuária, que ganhou piso e portas novos, banheiros adaptados, novas salas para velório e uma área de convivência, além de jardim, estacionamento e pintura interna e externa.

Moradores da Vicentina e do Santo Amaro ganharam mais segurança graças à reforma e revitalização do Posto de Polícia Comunitária da Vicentina, realizada pela prefeitura, em parceria com a Polícia Militar e com empresários da cidade, que doaram os materiais utilizados na obra. Os os serviços contaram com a participação de mão de obra dos apenados da Casa de Custódia de Bulhões, que estão em regime semiaberto e atuam em obras desenvolvidas no município, através de um convênio firmado entre a prefeitura e o Governo do Estado, através da Fundação Santa Cabrini.

Grande Alegria

Entre as obras realizadas na Grande Alegria, estão a limpeza da Lagoa do Mirante, com revitalização de seu entorno; as obras de drenagem e pavimentação da Rua Antônio Marins e Avenida Central, no Mirante das Agulhas; a limpeza dos Canais Periférico e do bairro Boa Vista; além da revitalização do Parque Coophasul, que ganhou vida nova com a recuperação do campo de futebol e da quadra poliesportiva, entre outras melhorias.

O prefeito Diogo Balieiro Diniz, que visita as obras regularmente, lembra que as intervenções, que estão sendo feitas por toda a cidade, também priorizam o lazer das famílias.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

3 comentários

  1. Avatar

    Meus parabéns ao Dr Diogo Balieiro, ele e sua equipe mostra como ser competente e afinada, conseguiu nos 2 primeiros anos “arrumar a casa” e ainda coneguiu verbas e tornou realidade investimentos em infraestrutura. lhe acompanho no Facebook

  2. Avatar

    Por uma roça melhor, com melhoria do escoamento da produção rural e novos pontos de desova para as “vendettas”.

  3. Avatar

    Que grande mentira o objetivo era segurar as obras para serem obras de campanha política, as finanças já estão em dia há tempos, uma vez que dinheiro sempre entra nos cofres públicos, através da arrecadação da cidade e do dinheiro que é entregue ao município através de repasses do governo federal, se o problema fosse arrecadação a prefeitura não estaria com tantos CC´s e que em muitos casos estão fazendo o serviço que apenas um funcionário o faria, ou cargos para chegados como mulher de médico exercendo cargo de CC1 na prefeitura e trabalhando com 3 pessoas onde o serviço apenas 1 daria conta. Se o problema fosse economizar isso não estaria acontecendo. Na realidade obras foram “atrasadas” para focar na campanha eleitoral uma estratégia muito comum da nossa velha política brasileira, até porque 2020 é ano de eleição e o povo têm memória curta.

Untitled Document