>
sexta-feira, 27 de maio de 2022 - 10:11 h

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Ordem Pública de Porto Real fiscaliza usina de compostagem

Ordem Pública de Porto Real fiscaliza usina de compostagem

Matéria publicada em 14 de agosto de 2017, 18:01 horas

 


Moradores do local comunicaram autoridades pelo forte odor exalado de processos da empresa instalada no Polo Industrial

 Após reclamações: Empresa se comprometeu a acabar com o problema e ficar atenta no processo de decomposição (Foto: Divulgação/Ascom PMPR)

Após reclamações: Empresa se comprometeu a acabar com o problema e ficar atenta no processo de decomposição (Foto: Divulgação/Ascom PMPR)

Porto Real – O secretário municipal de Ordem Pública, Elias Vargas e representantes da Defesa Civil e Grupamento Ambiental do município realizaram na manhã desta segunda-feira (14), uma fiscalização na Usina de Compostagem da empresa Brasil Lixo Zero, localizada no Polo Industrial da cidade e que atua no recolhimento de lixo orgânico das empresas do município, transformando-os em adubo orgânico. A ocasião foi motivada após reclamações de moradores do bairro Parque Mariana, sobre o forte odor exalado pelos processos da empresa.

Desde a última sexta-feira, 11, os moradores do bairro sentiram o mau cheiro, ocasionado pelo processo de compostagem feito pela empresa a cada seis meses. Diante do ato de fiscalização, a empresa tomou conhecimento do problema, assumiu a responsabilidade e se comprometeu a tomar as providências necessárias para acabar com o mau cheiro.

“No processo de compostagem é necessário que ocorra o equilíbrio da relação carbono/nitrogênio, para que o tempo de decomposição dos micro-organismos não seja afetado e com isso não ocorra o mau cheiro durante o processo. O que ocorreu na última sexta-feira é que, ao girarmos a composteira, não utilizamos quantidade suficiente de carbono (materiais de podas arbóreas e serragem) ocasionando, com isso, a intensificação do odor. Verificando o problema, já solucionamos esse contratempo para evitar o mau cheiro e desconforto gerado” se pronunciou oficialmente a empresa de compostagem.

Segundo o secretário de Ordem Pública, Elias Vargas, não foi necessário autuar a empresa.

– Ficou estabelecido que a empresa tomaria todas as medidas e precauções pertinentes ao caso para que não volte a ocorrer. Vamos continuar atentos na fiscalização – finalizou.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document
close