segunda-feira, 18 de novembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Palestra na CDL aborda temas sobre saúde, nutrição e terapias junto aos autistas

Palestra na CDL aborda temas sobre saúde, nutrição e terapias junto aos autistas

Matéria publicada em 5 de maio de 2019, 17:53 horas

 


Palestras mostraram abordagens muitas vezes não tão comuns sobre o autismo (Divulgação)

Volta Redonda – Com o objetivo de levar informações atualizadas dentro da área de saúde sobre nutrição, terapias e recursos pedagógicos junto a pessoas com TEA (Transtorno do Espectro Autista), foi realizada neste sábado uma palestra com o tema ‘Autismo e Intervenções’. A atividade teve apoio da CDL-VR (Câmara dos Dirigentes Lojistas de Volta Redonda).

O evento, que foi promovida pela empresa TAN Cursos e Treinamentos, que atua na área de alimentação e saúde, contou com a presença de pais de autistas, professores, psicólogos, pedagogas e nutricionistas, como também por pessoas que se interessam pelo autismo.

A nutricionista e palestrante Tatiana Abrantes, que já trabalha com autismo há mais de 10 anos, falou sobre a parte metabólica do organismo do autista e sobre a importância da dieta na terapia. Para Tatiana, a alimentação é primordial para o acompanhamento dos tratamentos do autismo, pois um cardápio tido como inadequado pode gerar uma série de problemas. Entre os casos, há relatos de aumento dos estereótipos, alteração o comportamento, desordem sensorial e alterações significativas do metabolismo.

– O alimento adequado para o autista é importante, pois se não for o correto pode gerar substâncias inflamatórias que irão causar uma desordem orgânica, que para o indivíduo normal não causa alterações neurológicas. O autista não sabe lidar com alterações orgânicas que o alimento possa vir a causar – destacou.

Já a nutricionista Luciana Portugal abordou a seletividade alimentar. “O autista é muito seletivo e esta seletividade vai de acordo com a inflamação do trato gastrointestinal. Às vezes, eles passam a vida toda comendo no máximo cinco tipos de alimentos e isso ocorre com 60 a 80% dos casos – alerta.

Segundo Tatiana, muitos profissionais da área médica que tratam com autistas só iniciam o tratamento com o paciente se tiver um acompanhamento de um nutricionista. A pedagoga e mestre em educação, Márcia Moraes, que também palestrou no evento, falou sobre atividades pedagógicas com autistas, segundo o ensino estruturado como forma de aperfeiçoar a aprendizagem de pessoas com TEA. “É muito importante as atividades pedagógicas nas escolas e os profissionais precisam aprender para aplicar junto aos autistas”, diz.

A cuidadora social e mãe de autista, Rita de Cássia, que trabalha com adultos com problemas de necessidades especiais, participou da palestra na CDL. Ela destacou que acha importante a realização de eventos como este.

– Estou achando bem esclarecedoras as palestras e acredito que é muito importante obter mais informações sobre a alimentação junto aos autistas. Muita gente acha que por ser autista pode comer qualquer coisa, mas não é bem assim – afirmou.

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

2 comentários

  1. Avatar

    Sou mãe de um rapaz autista e posso testemunhar a importância da boa alimentação para sua saúde física e mental e o quanto tb através da palestrante como Cláudia Moraes que percorre o país ensinando a importância dos materiais estestruturados para autistas. Podemos aprender que no autismo, saúde e aprendizagem correta faz a diferença .

  2. Avatar

    O nome correto é Claudia Moraes, mestranda em educação. Grata pela matéria!

Untitled Document