sexta-feira, 18 de setembro de 2020 - 14:07 h

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Período de férias influencia no aumento da procura de cuidadores de pets

Período de férias influencia no aumento da procura de cuidadores de pets

Matéria publicada em 6 de janeiro de 2019, 07:30 horas

 


Serviços podem ser feitos no ambiente próprio do animal ou como hospedagem na casa do cuidador

Babá de animais garante o cuidado com os animais domésticos, no período em que o dono está ausente (Foto – Roze Martins)

Sul Fluminense – Há um ano a autônoma Gislaine dos Santos de Almeida, de 37 anos, programou seu passeio para a Disney/Orlando, nos Estados Unidos e, agora, faltando vinte dias para realizar o grande sonho ela esbarrou em um grande problema: não tem onde deixar o cachorro, de apenas sete meses. Por conta da situação dela e de muitas pessoas que aproveitam o período de férias para viajar, cresce cada vez mais o serviço de “pet sitter”. Ou seja: babá de animais, que consiste em garantir o cuidado com os animais domésticos, no período em que seu dono está ausente. 0630

– Uma pessoa havia se comprometido a ficar com meu cachorro, no entanto, ela passou em uma entrevista de emprego e não vai poder mais. Eu e minha filha ficamos desesperadas, porque temos muito carinho com nosso cachorro e a nossa maior preocupação era sobre quem cuidaria dele durante os dez dias que ficaríamos fora. Uma amiga me falou sobre esse tipo de serviço, fechei um pacote e agora vamos viajar sabendo que ele será bem cuidado – comentou Gislaine.

A tosadora, Adriana Alves Pereira, mora em Barra Mansa e é pioneira nesse tipo de trabalho, que presta desde 2013. Segundo ela, a cada ano vem aumentando o agendamento para cuidados com amimais. O serviço inclui, além das visitas diárias, brincadeiras; troca da água e reposição de comida; limpeza do local onde os animais fazem suas necessidades físicas; rega de plantas; envio diário de informações e fotos dos animais por e-mail ou Whatsapp e cuidados extras. Se necessário, a escovação dos pelos também. Segundo Adriana, o período de férias (julho e janeiro), festas de final de ano e Carnaval é quando a procura pelos cuidados cresce em até 60%.

– O serviço de pet sitter é uma ótima opção para quem quer viajar e não tem onde deixar o animal de criação. Além de cachorros e gatos também cuidados de outros animais. Nosso compromisso é garantir os cuidados com os bichinhos com muito amor e respeito, passando a seu dono tranquilidade, confiança e satisfação – destacou a tosadora.

Ambiente familiar

Entre as vantagens de se contratar um pet sitter, Adriana destaca que o principal é a oportunidade de manter o animal em um ambiente familiar, eliminando, por exemplo, o estresse que pode ser provocado ao optar-se em levá-lo para a viagem.

– Sem falar que o dono vai poder aproveitar o passeio tranquilo, sabendo que não precisou incomodar parentes, vizinhos ou amigos para cuidar do seu animal. Nós mantemos a rotina dos animais e ainda garantimos cuidados como medicações, se necessário, e até escovação diária dos pelos – explicou Adriana, ao acrescentar que o serviço de pet sitter tem preços diferenciados.

A autônoma Jeniffer Alves possui um pet shop e já há quatro anos trabalha com a hospedagem de animais em casa. Segundo ela, a procura pelo serviço tem crescido tanto que as dez vagas disponíveis para o ano novo e todo o mês de janeiro já foram preenchida.

– Tenho clientes o ano inteiro, mas nessa época a procura é bem maior e por isso, às vezes, tenho que colocar limites Geralmente são os animais dos meus clientes que ficam comigo e, agora, só tenho vagas para o Carnaval. Como eu tenho os meus quatro cachorros e não posso viajar com eles, nessa época do ano, eu fico em casa e hospedo outros cachorros – explicou Jeniffer, ao informar que as diárias podem variar de R$ 50 a R$ 70.

Segundo ela, os animais são separados nos cômodos da casa, de acordo com o porte de cada um, e a rotina de todos é mantida conforme a orientação do dono. Atualmente Jeniffer trabalha apenas com a hospedagem de cães.

– A vantagem de hospedar um animal é que eles ficam dentro de casa, mantém uma rotina, socializam e se divertem como se estivessem em uma colônia de férias, enquanto seus ‘pais’ estão viajando – finalizou.

Roze Martins
(Especial para o DIÁRIO DO VALE)


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Avatar
    Goiaba da ministra pastora.

    É. Legal. O problema é que, enquanto os donos do cão passeiam, se divertem e os donos dos pet shops faturam, os vizinhos dos pet shops se danam, não têm direito a dormir ou a permanecerem tranquilos no interior dos seus lares, devido aos latidos infernais da cachorrada. E essa bagunça acontece em quase todos os dias do ano.Não se respeita a lei do silêncio, não de importam se há idosos ou doentes ao redor. E não adianta reclamar,não há fiscalização. É o Brasil, onde os direitos dos cidadãos não são respeitados.

Untitled Document