domingo, 8 de dezembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Prevenção às drogas chega a mais de duas mil famílias em Volta Redonda

Prevenção às drogas chega a mais de duas mil famílias em Volta Redonda

Matéria publicada em 16 de outubro de 2019, 18:19 horas

 


Sete mil crianças e mais de 1,2 mil adolescentes foram atingidos pelas atividades do projeto
(Foto: Arquivo)

Volta Redonda- A Coordenadoria Municipal de Prevenção às Drogas (CMPD) de Volta Redonda já atendeu, em 2019, mais de duas mil famílias através dos projetos desenvolvidos pela prefeitura. São aproximadamente sete mil crianças e mais de 1,2 mil adolescentes alcançados, além de cerca de 800 profissionais da rede municipal de educação capacitados.
– A prevenção é o caminho para proporcionar aos nossos jovens um futuro cada vez melhor. Chegar às famílias, às escolas e às crianças e adolescentes é fundamental e isso nós realizamos através da Coordenadoria. Volta Redonda se destaca com esse trabalho importante para toda a sociedade – ressaltou o prefeito Samuca Silva.

Beneficiada por um dos projetos, Renata Melo, de 38 anos, moradora do bairro Conforto, destacou a importância do trabalho desenvolvido pela CMPD. Ela participou de uma palestra do projeto Cuidando de Quem Cuida, na Escola Municipal Prof.ª Antonietta Motta Bastos, reunindo familiares e professores. Renata reforçou a união que o projeto proporciona entre família, escola e comunidade.
– Os pais confiam seus filhos a maior parte do tempo à escola e vi que a unidade mantém nossas crianças informadas sobre a possibilidade de dizer ‘não’ ao uso de drogas. A informação de forma dinâmica trazida pela escola e pela CMPD chega às crianças de uma forma mais esclarecedora. Nós, pais, sabemos dizer aos nossos filhos para não usar e o trabalho da coordenadoria nos orientou e deu mais segurança para um diálogo mais amplo com eles – afirmou Renata, que é artista e conhecida na cidade como Henna Melo.

O projeto Cuidando de Quem Cuida faz parte do programa Escola Preventiva, que tem como objetivo orientar sobre a prevenção ao uso de álcool e outras drogas, estimulando hábitos e comportamentos saudáveis nas crianças e adolescentes da cidade. O programa contempla outros projetos como o Paes (Prevenção com Arte, Educação e Saúde).
No Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Iracema Leite Nader, que conta com 180 alunos e fica no bairro Roma II, o diretor adjunto e professor orientador, João Paulo Bueno, conta que a equipe pedagógica da unidade participou dos projetos Paes e Cuidando de Quem Cuida. Segundo ele, todos os encontros têm uma ótima aceitação.
– Após uma peça de teatro na escola, os pais nos procuraram para saber o que tinha acontecido no dia anterior, pois os filhos chegaram em casa relatando que tomar cerveja e fumar cigarro faz mal pra saúde e que eram drogas. A linguagem utilizada e a maneira lúdica de abordar o assunto foram fundamentais para esse retorno positivo. O tema chegou às famílias através das crianças. Não tem modo melhor de difundir uma ideia e despertar uma mudança de comportamento. Sou um entusiasta do projeto e realmente acredito que ele faz a diferença – relatou João Paulo, lembrando de uma das ações da Coordenadoria que impactou positivamente a comunidade escolar.

Além das crianças, os adolescentes da rede pública também são alcançados pelo trabalho do Escola Preventiva. Na Escola Municipal Rubens Machado, localizada no Verde Vale, a diretora Aline Lopes afirma que educar para prevenção é a melhor alternativa para o enfrentamento do consumo de drogas entre estudantes.
– Teve uma apresentação dos alunos do Projeto de Dança na Semana de Prevenção à Dependência Química em 2018, que chamou a atenção no sentido deles não saberem que a dança é uma atividade de prevenção à dependência química. Também que o esporte e a arte podem auxiliá-los no autoconhecimento, descobrindo o que gostam de fazer. Depois do curso, a dança tornou-se uma atividade com mais intencionalidade – contou Aline.

Para o coordenador da CMPD e idealizador do programa, Ricardo Cunha, o trabalho preventivo é uma política de médio e longo prazo.
– O problema do álcool e outras drogas, principalmente entre os jovens, precisa ser enfrentado não só com aqueles que já fazem o uso, mas, principalmente com a prevenção. É chegar antes que o problema se instale. Não pode atuar apenas com os jovens tem que envolver toda a comunidade, famílias, instituições e poder público criando uma rede de prevenção com políticas públicas – disse.

O programa

O Escola Preventiva faz parte do Plano de Prevenção Universal, que conta ainda com os programas Comunidade Preventiva e o de Educação Permanente de Prevenção em AD. Através deles, a CMPD desenvolve projetos ligados às secretarias de Esporte e Lazer (Smel), de Educação (SME), de Ação Comunitária (Smac), de Cultura (SMC), além da Guarda Municipal (GM), Fevre (Fundação Educacional de Volta Redonda) e a Fundação Beatriz Gama (FBG). O Programa de Educação Permanente de Prevenção em AD também está presente nos planos de Prevenção Seletiva e Prevenção Indicada.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document