terça-feira, 17 de setembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Programa de Fisioterapia já atendeu 12 mil pessoas até setembro de 2016

Programa de Fisioterapia já atendeu 12 mil pessoas até setembro de 2016

Matéria publicada em 23 de outubro de 2016, 16:38 horas

 


Prefeitura consegue economizar e captar recursos com projeto próprio para o setor

fisioterapia

Cuidando: Projeto municipal de fisioterapia é considerado referência na rede nacional de saúde
(Foto: Divulgação)

Volta Redonda – O Programa de Fisioterapia Municipal de Volta Redonda – realizado por meio da Secretaria Municipal de Saúde – vem avançando nos últimos anos, dando oportunidade aos pacientes para uma rápida e segura reabilitação.

De janeiro a setembro de 2016, os 50 fisioterapeutas da rede atenderam 11.968 pacientes, realizando 318 mil 816 procedimentos. A verba destinada ao programa pelo SUS (Sistema Único de Saúde) foi de R$ 2.027,669,76.

– O programa municipal realiza serviços no Estádio da Cidadania que não são encontrados nem mesmo em Planos de Saúde, tais como Osteopatia, Acupuntura e RPG. Temos todos os equipamentos médicos necessários – afirmou o coordenador municipal de Fisioterapia, Glauco Fonseca de Oliveira.

Ele acrescenta que até novembro de 2004 a Fisioterapia era um único serviço no Hospital São João Batista, prestando atendimento hospitalar e ambulatorial, e contava com apenas 11 fisioterapeutas. Todo o restante do serviço era terceirizado em clínicas particulares.

– No final de 2004 e início de 2005 o programa de Fisioterapia começou no Estádio da Cidadania, onde está o CEMURF (Centro de Reabilitação Médica Tuffi Rafful), e onde recentemente implantamos o Centro de Reabilitação em Pós Operatório de Cirurgia Ortopédica e Saúde do Trabalhador Sr. Otacílio José da Costa e o Consultório da Dor, que funcionam de segunda as sextas-feiras, das 7h às 21 h. Além disso um total de 115 pacientes acamados são atendidos em casa pelo serviço de fisioterapia municipal – informou, acrescentando: “Hoje contamos com 97 fisioterapeutas com especializações em todas as áreas de atuação da Fisioterapia. Realizamos 104.700 procedimentos mensais”.

Em 12 anos de implantação em Volta Redonda, a Fisioterapia passou a atuar em todas as áreas da Saúde Pública. Na atenção básica, a Fisioterapia está no programa do NASF (Núcleo de Atendimento a Saúde da Família), no Serviço de Fisioterapia Domiciliar e no programa do Melhor em Casa (antigos PiD e PAD), e no Papo em Casa – Programa de Alta Parcial e Orientada.

– Com a implantação do Programa Municipal de Fisioterapia, este deixou de ser apenas um serviço que atendia poucas pessoas, e passou a ser um programa amplo, que chega para um grande número de pessoas, que são beneficiadas com vários serviços. Atendemos na alta complexidade, média complexidade, serviços hospitalar e ambulatorial, domiciliar, alcançando 100% da demanda municipal para Fisioterapia – enfatizou o coordenador do programa.

Glauco afirmou ainda que os pacientes atendidos em casa são os que permanecem quase 100% do seu dia acamados. “Para atendê-los, existem dois veículos próprios, recebidos da Loterj e programa Rio Solidário: uma ambulância e um veículo de passeio – disse.

O coordenador salientou que a localização do Estádio da Cidadania – no Jardim Paraíba, um bairro plano – facilita o acesso dos pacientes. “Aqui não há muitos obstáculos urbanos, passam muitas linhas municipais de ônibus. Hoje, na verdade, o Estádio da Cidadania é um grande hospital público, porque concentra as policlínicas, especialidades médicas, academias, o centro de imagens, e ainda favorece o funcionamento do programa municipal de Fisioterapia, com esse grande fluxo de pessoas”, afirmou Glauco.

Pacientes relatam benefícios

Os pacientes atestam a boa qualidade e os resultados obtidos com o serviço. Dona Marli Lacerda Muniz, 58 anos, moradora do bairro Belmonte, sofreu um grave acidente de carro há cerca de 2 anos, fraturando o fêmur e o joelho direitos, o pé esquerdo e o quadril. Ela já passou por cirurgias e vem recuperando os movimentos gradativamente.

– Eu pensei que não iria conseguir andar mais, porque fiquei meses na cadeira de rodas. Não conseguia nem tocar o chão, foram seis meses com as pernas para o alto. Hoje já estou andando até sem muletas, se for uma distância curta. Duas vezes por semana, às quartas e sextas-feiras, venho fazer o tratamento de 40 minutos. Estou muito feliz com o atendimento e o carinho que a gente é tratada aqui dentro. Melhorei muito, não conseguia nem dobrar a perna direita, ficava esticada, toda dura. Hoje já estou recuperando esses movimentos de dobrar a perna com os exercícios – afirmou dona Marli.

Alexandre Silva dos Santos, morador no bairro Ponte Alta, que trabalha no setor hoteleiro, sofreu uma queda em casa, machucando a mão direita, e sofrendo uma lesão nos nervos. Ele está fazendo um tratamento para reduzir as dores e deve passar por uma cirurgia. “O médico me recomendou fazer o tratamento duas vezes por semana aqui no Centro de Fisioterapia. O local no Estádio é de fácil acesso, passam muitas linhas de ônibus aqui no centro. O atendimento é muito bom, tanto para mim como para outras pessoas que procuram o tratamento. Tenho visto a grande procura que é aqui no estádio”, apontou.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Avatar

    Uma das poucas coisas que realmente funciona bem na saúde é a Fisioterapia…..

Untitled Document