segunda-feira, 21 de setembro de 2020 - 10:20 h

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Projeto social em Piraí incentiva alunos na superação de limites

Projeto social em Piraí incentiva alunos na superação de limites

Matéria publicada em 5 de agosto de 2017, 16:30 horas

 


Escola recebe periodicamente visita de atletas e personalidades que dividem histórias com alunos

Piraí – Um projeto de inclusão social, que surgiu da criatividade e boa vontade de um grupo de professores, já está há dois anos em plena atividade na Escola Municipal Luiz Marinho Vidal, no bairro Jaqueira, em Piraí e sem prazo para encerrar. Trata-se do “Superando Limites: somos todos iguais”, no qual é trabalhado junto aos alunos temas como superação, motivação e autoestima.

Como “gancho principal” do projeto, os alunos recebem visitas de atletas olímpicos e paraolímpicos, além de personalidades da área cultural. De acordo com o professor de educação física Fernando Marlos, um dos idealizadores e grande incentivador do projeto, trata-se de um projeto interdisciplinar, pelo qual professores aproveitam a visita do ídolo para trabalhar diversas disciplinas como História, Geografia, Matemática, Educação Física, Arte e Português.

– O ano de início do projeto foi 2015, e o objetivo a princípio era trabalhar a história dos jogos olímpicos e realizar várias atividades com os alunos. Mas como tudo no início é difícil, por vários motivos os objetivos tiveram que ser mudados. Então se pensou em trabalhar as habilidades sócio-emocionais, motivação, superação e autoestima. Fazer com que os alunos pudessem acreditar que são capazes de ultrapassar as barreiras e superar os seus limites. Sendo assim, os professores da escola pensaram em entrar em contato com atletas profissionais olímpicos, paraolímpicos e pessoas que pudessem visitar a escola e poder falar para os alunos a história da vida deles. Falar sobre vitórias e derrotas. Como vencer na vida e se superar nos momentos difíceis – destaca.

De acordo com a diretora Cláudia Santos, na escola há muitos professores e funcionários que são comprometidos com o trabalho.

– E logicamente quando temos um grupo que é comprometido faz com que a escola cresça e o trabalho tenha uma grande visibilidade. Tínhamos alunos que não sonhavam. E o sonho tem que existir na mente de todos nós. Mesmo que sejam sonhos difíceis de conseguir. Mas sonhar temos que sonhar sempre. E esses alunos só queriam terminar o ensino médio e conseguir um emprego para poder pagar as contas. Ouvimos de um aluno que não adiantava ficar estudando que eles não iriam chegar longe porque moravam às margens da Via Dutra e distante do Centro de Piraí. Com os vídeos que exibimos e com as visitas dos atletas atualmente o sonho deles é estudar no IFRJ (Pinheiral e Volta Redonda) e cursar uma faculdade. Atualmente temos 04 alunos no IFRJ em Pinheiral e 01 no Colégio Estadual Manoel Marinho, em Volta Redonda – opina.

O professor Fernando destacou que com o projeto existe a aproximação de alunos, professores e funcionários. Existe uma troca de aprendizado. O professor ensina e aprende com os alunos. Os alunos aprendem e ensinam para os professores.

“Assim trabalhamos algumas das habilidades socioemocionais como respeito, trabalho em equipe, solidariedade, participação e responsabilidade”, afirma.

E como os alunos da escola são alunos simples, esforçados e com poucas oportunidades e que estão tendo a chance de participar de um projeto com um aprendizado enorme que abre os seus horizontes. Através deste projeto, explica Fernando, eles conhecem ídolos do esporte e da cultura que jamais teriam a oportunidade de ver numa competição oficial pelos valores dos ingressos. E com dicas e conselhos de pessoas bem sucedidas na vida que como os alunos tiveram que lutar para conseguir o sonho de ser o que são atualmente.

Repartindo: Grandes nomes como Ana Botafogo já passaram pelo projeto desenvolvido em Piraí (Foto: Divulgação)

Repartindo: Grandes nomes como Ana Botafogo já passaram pelo projeto desenvolvido em Piraí (Foto: Divulgação)

Pais dos alunos também têm participação no projeto

Graças ao projeto, a direção da escola conseguiu fazer com que a comunidade escolar pudesse retornar para a escola. Atualmente, explica o professor Fernando Marlos, tanto nas reuniões de pais quanto nos eventos da escola os pais estão comparecendo em grande número.

– Damos funções para os pais e responsáveis participar conosco no projeto. Eles participam no dia da visita dos atletas realizando as homenagens com os seus filhos alunos da escola, fazem a leitura de agradecimento ou prestigiando o evento com a presença. E isso é fundamental dentro de uma escola – ressalta.

Na opinião da orientadora pedagógica Verônica Alves, os professores da escola são muito experientes. Além disso, a escola teve nota acima da média de progressão do último IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), aumentando com isso a credibilidade da escola no município.

– Todo este esforço faz com que a comunidade escolar acredite e apoie o nosso trabalho. Isso é muito gratificante. O projeto só terá o encerramento quando não conseguirmos fazer com que as empresas sejam mais nossas parceiras ou que os atletas ou convidados não aceitem mais participar das conversas com os nossos alunos – esclarece Verônica.

De acordo com Silvana Silva, professora de português e uma das autoras do projeto, entre os atletas que visitaram a escola muitos deles foram grandes ídolos do esporte e admirado por gerações.

– E com seus relatos de experiências de superação de dificuldades eles revelam aos nossos alunos que eles podem também transpor muitos limites de dificuldades que lhes são impostos pela vida. Pois são histórias que revelam não apenas a superação da dificuldade através do esporte, mas também o ser humano por trás daqueles feitos heroicos assistidos e admirados por todos na tela da TV. Por isso vejo um projeto muito rico em aprendizado e informações para esses alunos – opina.

Para a estudante Caylani Silva, de 14 anos e aluna do nono ano, o projeto aumentou a sua autoestima e a está ajudando a aprender superar algumas dificuldades.

– Eu tinha alguns sonhos, mas eu não acreditava que eles pudessem ser realizados. Eu ainda este ano pretendo fazer prova para o IFRJ (Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia) para estudar lá em 2018. Eu ouvi o Caio Ribeiro dizer que devemos acreditar sempre no impossível. E com determinação podemos realizar os nossos sonhos – afirma.

 

Por Júlio Amaral

jamaral@diariodovale.com.br


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document