quarta-feira, 8 de julho de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Rede Municipal de Ensino possui 28 alunos surdos em Barra Mansa

Rede Municipal de Ensino possui 28 alunos surdos em Barra Mansa

Matéria publicada em 7 de julho de 2019, 11:30 horas

 


Na Rede Municipal de Ensino estão matriculados atualmente 28 alunos surdos (Foto: Divulgação)

Barra Mansa – A rede municipal de ensino conta atualmente com 28 alunos surdos matriculados nas escolas em Barra Mansa. Para garantir um atendimento adequado aos estudantes com dificuldades auditivas, os profissionais destacados para o trabalho são treinados pelo CEMAE (Centro Municipal de Atendimento Educacional Especializado), que é o órgão responsável por oferecer capacitação em Barra Mansa.

De acordo com o secretário municipal de Educação, Vantoil Souza Júnior, o CEMAE acompanha todo o desempenho em reuniões regulares e também “in loco”, conjuntamente com a equipe escolar. A equipe do centro é formada por professores especializados, intérpretes de Libras e instrutores de Libras.

– Outra iniciativa em capacitação do CEMAE está voltada para a comunidade, através da oferta de cursos de Libras voltados para professores da Rede Municipal de Ensino e familiares de surdos, através de turmas “Iniciantes” e “intermediárias”. Funcionando na segunda ou quarta feira, no horário das 17h30 às 19h, os atendimentos são realizados no prédio do CEMAE Central, localizado na Rua Cristóvão Vilela, nº121, Centro – afirma.

Segundo o secretário, atualmente o CEMAE conta com uma equipe de Educação Especial voltada à pessoa surda, composta pelo Atendimento Educacional Especializado (AEE) em Sala de Recursos, hoje com quatro professoras, dois Instrutores de libras (Surdos) e por 15 Intérpretes de LIBRAS. Todos são apoiados continuamente pelo Coordenador da Educação de Surdo do CEMAE (Centro Municipal de Atendimento Educacional Especializado).

O secretário destacou ainda que na Rede Municipal de Ensino estão matriculados atualmente 28 alunos surdos, sendo que o Colégio Municipal prefeito Marcello Drable é a única escola da rede municipal de educação que oferece um serviço diferenciado a esses estudantes.

– Esta unidade desenvolve a Escola Polo de Estudo e atendimento educacional especializado para surdos. As demais escolas não têm atendimento e sim alunos matriculados por escolha da família – esclareceu.

Vantoil destacou que ao abrigar um aluno com deficiência auditiva, a escola se torna importante no contexto de socialização. Principalmente, afirmou, no sentido de conviver com pessoas diferentes da família.

– Por isso, se a escola optar por uma proposta de educação que valorize a língua de sinais e o contato com os pares surdos, a identidade da criança será mais fortalecida. É através desses modelos que se oportunizarão futuras representações sociais e a interiorizarão de significados da cultura, que serão compartilhados socialmente em todos os momentos de sua vida. Todo o serviço é mantido pela prefeitura, sendo que o aluno que opta por estudar na turma regular, na sala tem o atendimento do intérprete de libras. Já no contra turno este aluno recebe os atendimentos especializados na área da surdez – explica o secretário.

De um total de 28 alunos surdos na Rede Municipal de Ensino, 22 são atendidos no Colégio Municipal Marcello Drable; 01 na Educação Precoce que ainda não está na idade escolar; 01 na Creche D. Waldir Calheiros; 01 Colégio Municipal Pereira Bruno; 01 Colégio Municipal CEI (Centro Educacional Integrado) e 01 na Escola Municipal Bartholomeu Anacleto. “O acompanhamento desses alunos é feito através de reuniões regulares com a coordenação de serviço, sendo que ocorre este acompanhamento na escola da mesma coordenação e também da equipe escolar”, ressalta o secretário.

Na opinião do Secretário de Educação de Barra Mansa, a inclusão de alunos surdos no contexto regular de ensino impõe um grande desafio. “A forma usual de comunicação é a língua oral, para a qual essa parcela de educandos encontra maior dificuldade, devido ao impedimento auditivo. A grade curricular é a mesma, com adaptações de acesso ao currículo e o apoio necessário dos profissionais”, esclareceu Vantoil.

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Avatar

    E quantos alunos fantasmas?

Untitled Document