quinta-feira, 17 de outubro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Reunião discute como será o Carnaval em Volta Redonda

Reunião discute como será o Carnaval em Volta Redonda

Matéria publicada em 20 de janeiro de 2017, 22:55 horas

 


Representantes de blocos e da prefeitura debateram detalhes para a realização da folia na cidade

Carnaval em pauta: Encontro contou com a participação de representantes de blocos, prefeitura e os órgãos de segurança (Foto: Yuri Melo/Ascom VR)

Carnaval em pauta: Encontro contou com a participação de representantes de blocos, prefeitura e os órgãos de segurança (Foto: Yuri Melo/Ascom VR)

Volta Redonda – Uma reunião entre representantes de blocos carnavalescos de Volta Redonda e secretários municipais discutiu detalhes sobre como será a folia na cidade. No encontro, foi solicitada a ajuda do governo para a organização da apresentação dos desfiles de blocos. Presente na reunião, o secretario municipal de Ação Comunitária e vice-prefeito, Maycon Abrantes disse que os blocos contarão com o apoio da prefeitura.

– Queremos fomentar a cultura nos bairros e também o comércio local. Nossa intenção é dar apoio aos blocos tradicionais e ajudar a população de Volta Redonda a ter um carnaval mais seguro – afirmou.

A secretária de Cultura, Márcia Fernandes, disse que o tema deste ano é o ‘Carnaval da Família’, e que estava programado apenas o desfile do Bloco da Vida, na Vila Santa Cecília. No entanto, como os blocos querem se apresentar, ela se colocou à disposição para colaborar na organização das apresentações.

Márcia também apresentou uma proposta de avaliação para as liberações dos blocos. Entre elas estão critérios como: a tradição e a organização do bloco de rua; as características do bloco em relação ao Carnaval de rua e do bairro/região onde pretende desfilar o bloco; e a estimativa de público. E caso haja estrutura física (carro de som, trio elétrico, palco e assemelhados), por exemplo, é necessário apresentação da autorização do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro.

– É preciso que todos os órgãos responsáveis saibam exatamente em qual bairro está saindo um bloco, o horário, o trajeto e a expectativa de público. Só dessa forma conseguiremos dar um apoio real à segurança – frisou Márcia.

O comandante da Guarda Municipal, Paulo Henrique Dalboni, acrescentou que é fundamental o bloco ter uma autorização específica.

– Por isso ter “o nada opor” dos órgãos envolvidos é tão importante. Atualmente, somos amparados por uma lei que estabelece multa de R$ 1,8 mil para quem colocar som alto nas ruas – comentou Dalboni.

Além dos representantes dos blocos e da Guarda Municipal, participaram da reunião, membros do Conselho Municipal de Cultura; da Defesa Civil; da Coordenadoria da Juventude; da Federação da Associação de Moradores; Banco da Cidadania; polícias Civil e Militar; Batalhão de Bombeiros Militar; e das secretarias de Políticas Públicas para Mulheres; da Saúde; e do Esporte e Lazer.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

2 comentários

  1. Avatar

    Acho que o Samuca (PMVR) deveria apoiar o carnaval na cidade porém sem doar dinheiro. Sabemos que todo Brasil está em crise, muitas cidades Brasil afora já cancelou o carnaval devido a crise. Aqui também tem que priorizar a saúde, EDUCAÇÃO, segurança, transporte, saneamento básico. Lazer faz quem pode e com recursos próprios. Estas verbas só servem para alimentar outras coisas, desvios, etc.

Untitled Document