sábado, 19 de setembro de 2020 - 10:26 h

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Saae BM paga R$ 1,2 milhão de dívida com a Light

Saae BM paga R$ 1,2 milhão de dívida com a Light

Matéria publicada em 19 de julho de 2016, 19:58 horas

 


SAAE - gabriel borges (36)

Em estudo: Direção do Saae-BM pretende implantar programa de gestão de energia e diminuir gastos com eletricidade
(Foto: Divulgação PMBM/Gabriel Borges)

Barra Mansa- O prefeito Jonas Marins (PCdoB) liberou R$ 1,2 milhão, junto à diretoria executiva do Saae (Serviço Autônomo de Água e Esgoto), para minimizar a dívida da autarquia com a concessionária de energia elétrica, a Light. Com recurso próprio do Saae, o valor foi pago ontem à concessionária de energia, referente aos meses de janeiro e fevereiro deste ano. A autarquia ainda possui débitos com a Light, que estima quitar antes do fim do ano.
Por mês a despesa com energia elétrica chega à casa dos R$ 600 mil. O diretor-executivo do Saae, Jardel Souza de Azevedo, que reassumiu o cargo nesta terça-feira, disse que a tarefa é impedir o aumento da dívida.
– Iniciamos um plano de pagamentos. Voltei ao cargo com o compromisso de tentar corrigir os problemas, pensando primeiro na população que necessita de água. E água de qualidade na torneira. A energia elétrica é que possibilita o funcionamento de todo nosso sistema e, mesmo em momentos de dificuldades financeiras, não podemos deixar que isso se torne um problema – analisou o diretor.
Atualmente a única dívida do Saae Barra Mansa é com a Light, segundo a prefeitura. O diretor-executivo ressaltou ainda que pretende implantar o PGE (Programa de Gestão de Energia) para diminuir gastos e otimizar o uso de energia elétrica no sistema de captação e fornecimento de água da cidade. A expectativa é reduzir aproximadamente 20% o consumo.
– A ideia é evitar o gasto excedente da contratada, diminuir o consumo e gasto em horários de pico, que vai das 17h30 às 20h30. O estudo será implantado no início de agosto e em dois meses devemos começar a perceber a economia que pode ser revertida em investimento, em novos equipamentos para diminuição ainda maior do consumo. A primeira fase do estudo pretende diminuir o desembolso financeiro, sem mexer no consumo de energia. Na segunda fase é readequar a metodologia operacional das ETA’s e elevatórias -informou Jardel.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Avatar

    Então estão devendo cerca de 3.6 milhões só este ano ? Meu Deus ! Por isto não pagam licenças prêmio dos servidores, que alegam pagar ! Onde está o dinheiro, o “gato” comeu ?

Untitled Document