segunda-feira, 21 de setembro de 2020 - 05:54 h

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Sociólogo fala das mudanças nas relações sociais após pandemia

Sociólogo fala das mudanças nas relações sociais após pandemia

Matéria publicada em 15 de setembro de 2020, 14:31 horas

 


Volta Redonda- Não foi fácil para a sociedade esses seis meses de isolamento social em decorrência da pandemia do novo coronavírus. Na visão do sociólogo de Volta Redonda, Érique Barcellos, devido ao cenário pandêmico a estrutura social de toda a população irá mudar, entre as principais mudanças que permanecerão pós-pandemia, está à questão do uso da tecnologia do relacionamento via internet.
– Isso já era feito, mas com a pandemia nós colocamos à prova a questão não só dos equipamentos, mas também empresas de telefonia no uso de tecnologia mais avançada. Durante a pandemia, o uso desta tecnologia ficou mais evidenciado e fez necessário para todas as pessoas no Brasil e no mundo um equipamento mais potente e melhor – disse.
O que se percebe, segundo o sociólogo, é justamente a necessidade da tecnologia e isso não vai voltar a ser como antes. As pessoas que adquiriram essa tecnologia vão continuar fazendo uso dela, principalmente o ensino remoto nas escolas.
– Agora, o que vai ficar muito em evidência é o ensino híbrido, o ensino de plataforma. E isso vai ser permanente, porque já era um desejo antigo da inserção da tecnologia no meio educacional. Os especialistas e estudiosos da área sempre disseram que a educação brasileira estava muito atrasada em relação ao uso da tecnologia, dessa forma a pandemia foi uma porta de entrada, ou seja, um ensaio para o uso permanente do ensino híbrido – opinou.
No que se refere ao âmbito pessoal, o Érique Barcellos acredita que a capacidade do brasileiro de se reinventar é muito grande, e o ser humano de uma forma geral é biologicamente muito adaptável.
– Por isso, acredito que o que vai mudar daqui pra frente em relação a pandemia é justamente a transformação e adaptação em relação ao comportamento – destacou.
Segundo o sociólogo, o que ficou em evidência com a pandemia foi a questão da higiene pessoal, o contato com grupos, pois o brasileiro é muito afetuoso e acolhedor.
– As pessoas ficarão mais comedidas em relação ao toque no outro em reuniões. Como também a higienização dos locais vai ser muito mais observada. Antes da pandemia se observava certa falta de cuidado com a higiene pessoal, ou até mesmo, manusear produtos e logo em seguida se alimentar, sem lavar as mãos. Tem muita gente que faz refeições no meio da rua e agora terá que se adaptar as novas regras de higiene – declarou, acrescentando que as relações só voltarão a ser como antes somente após a vacina com imunização em massa.
– Acredito que após a vacinação em massa no Brasil e no mundo, as pessoas automaticamente, por uma questão de sobrevivência e seleção natural, biologicamente tentarão esquecer este período ruim que foi 2020, mas os cuidados com a higiene pessoal deverão permanecer. O próprio governo federal deverá reforçar está questão da higienização até mesmo dentro das escolas – opinou.

Por Júlio Amaral 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

2 comentários

  1. Avatar
    As máscaras caíram

    No inicio da pandemia diziam que a sociedade seria dispertada para um sentimento de solidariedade .

    O que vimos foi um sentimento de cada um por si e salve-se quem puder!

    Na correria do dia-a-dia não nos davamos conta de como a sociedade estava e várias pessoas tinham um discurso de solidariedade, mas na prática vimos que a sociedade está egoísta, egocêntrica, superficial e fria.

    As máscaras caíram.

    Nessas horas vemos o melhor e o pior do ser humano e infelizmente estamos vendo muita indiferença e agressividade.

  2. Avatar
    Comunista desempregado

    Prá quem não gostava de gente, não mudou nada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document