segunda-feira, 15 de julho de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / UBM monta comissão para apurar caso de suposta queda de cão do prédio da universidade

UBM monta comissão para apurar caso de suposta queda de cão do prédio da universidade

Matéria publicada em 20 de março de 2019, 13:40 horas

 


 

UBM diz ainda não ter versão oficial do fato
(Foto: Franciele Bueno)

Barra Mansa- O UBM (Centro Universitário de Barra Mansa) em coletiva à imprensa realizada na manhã desta quarta-feira (20) informou que foi criada uma comissão interna para apurar o caso da suposta queda de um cão do segundo andar de um dos prédios da universidade, localizada no Centro de Barra Mansa.

O caso que circula pelas redes sociais foi um dos assuntos mais comentados na internet, mas até o momento, segundo a própria reitoria do UBM, não há uma versão oficial sobre o ocorrido e o animal, que teria sido arremessado por funcionários ou caído, não foi localizado.

O circuito interno de câmeras de monitoramento no andar, onde teria acontecido o acidente, não está funcionando, o que dificulta a apuração do caso, que segundo os diretores do UBM, ficará a cargo da própria instituição sem a participação de uma investigação policial.

A aluna que publicou as primeiras mensagens na rede social foi localizada e é estudante da instituição, porém, hoje ela não compareceu ao local para confirmar o teor da publicação. Segundo o relato da aluna, ela viu um cachorro no segundo andar do prédio sendo enxotado por duas funcionárias que faziam a manutenção do andar. Após a suposta ação, ela ouviu um choro que seria do cachorro, ainda não se sabe, de fato, o que aconteceu com o cachorro.

Segundo o UBM, o animal não seria do ambiente interno, pois existem cachorros que circulam normalmente dentro da instituição que oferece curso de medicina veterinária. O que consta na apuração do UBM é que o animal entrou procurando por alguém ou acompanhando algum aluno, e subiu até o andar descrito. O restante o UBM declarou, em coletiva, que está ainda realizando o levantamento das muitas versões que estão circulando na internet, uma delas, que ganhou repercussão e foi desmentida é a de que o cão teria morrido, o que já foi descartado.

A instituição informou à imprensa que continuará apurando as versões e não quer se precipitar, principalmente, envolvendo funcionários do UBM, que segundo, disse a instituição, “são colaboradores de confiança que atuam no local há anos e possuem o hábito de conviver harmoniosamente com os animais que circulam dentro do centro universitário”.

O UBM se comprometeu a tomar medidas cabíveis, caso fique provado que houve participação de algum funcionário ou de alguém nos maus tratos ao animal, pautado na lei 9.605/1998, que prevê de 1 a 4 anos de detenção, com a possibilidade de multa mantida.

 

 

 

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

6 comentários

  1. Avatar

    Creio que a “chamada” esteja errada. Não é suposta queda é queda. Seria suposta se fosse uma hipótese, o que não é o caso, pois o fato existiu.

  2. Avatar

    Seja quem for jogue – o do último andar

  3. Avatar

    universidade pagou passou é assim mesmo. alunos intelectualmente menores e eleitores do babaca chefe.

    • Avatar

      Olha, posso lhe garantir que isso de “pagou passou” é lenda e bem antiga. Procure se informar da avaliação dos cursos da referida IES. Verá que seu comentário é maldoso e inconsequente.

  4. Avatar

    Estava com salário atrasado como os demais funcionários, tem a cadela em casa e mais dois filhotes. Não suportou e resolveu atentar contra a própria vida! Pobre cachorro!!

    • Avatar

      Que pobreza de espírito. Fazer “piada” com duas situações sérias. Faz sentido se auto-intitular “suíno.

Untitled Document