quinta-feira, 16 de julho de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Vigilância em Saúde Ambiental alerta sobre animais peçonhentos no verão

Vigilância em Saúde Ambiental alerta sobre animais peçonhentos no verão

Matéria publicada em 13 de janeiro de 2019, 09:00 horas

 


Forte calor faz com que escorpiões, aranhas e cobras se desalojem nesse período; medidas devem ser adotadas para evitar acidentes

 

Escorpiões lideram a lista de animais peçonhentos que surgem nesta época do ano (Foto: Toninho Tavares/Agência Brasília)

Barra Mansa – “Chegou o calor e o cuidado para evitar a entrada de escorpiões na minha tem que ser redobrado”. A afirmação é da dona de Casa Joana Martins de Almeida, de 34 anos, que durante todo o verão segue à risca as orientações para evitar incidentes com escorpiões. Ela, que mora próximo ao cemitério municipal, diz que o aparecimento dos animais é maior nessa época do ano, quando muitos filhotes costumam invadir as residências.

Preocupado com quem mora em áreas como Joana e na zona rural ou próximo à encostas e morros, o coordenador da Vigilância em Saúde Ambiental, Antônio Marcos Rodriguez, confirma que a atenção em relação a esses animais deve ser redobrada nesse período. O Instituto Vital Brasil, vinculado à Secretaria de Estado de Saúde do Rio, também chamou a atenção da população sobre a possibilidade de aparecimento de maior quantidade de animais peçonhentos, como cobras, aranhas e escorpiões durante o verão, especialmente em áreas de encosta e zonas rurais.

– O alerta precisa mesmo ser feito pelos órgãos da área de Saúde porque realmente a incidência no número desses animais aumenta muito com o calor, por ser um período quando eles se desalojam. Com isso, as pessoas precisam redobrar a atenção para não sofrer um acidente devido ao contato com esses animais – disse o coordenador.

Em Barra Mansa, de acordo com Antônio Marcos, os escorpiões lideram a lista de animais peçonhentos, principalmente o da espécie amarela, formada apenas por fêmeas e que não necessitam de parceiros para procriação. Cada fêmea, segundo o coordenador, poder ter entre 20 a 25 filhotes.

– O surgimento de escorpiões é uma realidade em dias de forte calor e quem mora em área rural, próximo a morros e encostas deve ter muito cuidado. O Mesmo vale para a cobras, que também gostam desses locais, e para as aranhas armadeiras, que são de uma espécie venenosa, que atacam e podem ser encontradas em bananeiras, beira de linha férrea a próximas a bambuzais – explicou Rodrigues.

Para evitar acidentes, o coordenador recomenda que as pessoas deixem a casa e o quintal sempre limpos removendo entulho e material de construção. Moradores devem evitar camas encostadas nas paredes e observar os calçados, antes de usá-los, além, de manterem ralos fechados para evitar a entrada dos animais.

– Esses animais se alimentam de insetos. O escorpião, por exemplo, gosta muito de barata. Por isso, a importância de manter um ambiente limpo para eles não sejam atraídos pelos insetos. É muito importante ressaltar que, em caso de picada, a pessoas deve lavar o local com água corrente, sabão e procurar um hospital o mais rápido possível – informou o coordenador.

Santa Casa é referência para casos de picadas

Conforme orienta a coordenadora do setor de Imunização da Secretaria de Saúde, Marlene Fialho, em qualquer caso de picadas de animais peçonhentos o paciente deve procurar atendimento médico na Santa Casa de Misericórdia, referência na área e que possui fluxo para esses tipos de casos. Conforme explica Marlene, há dois anos, quando o país passou a ter dificuldades com matéria prima para a produção de alguns soros e vacinas, foram criados polos regionais para abrigar o material. Na região, o polo fica no Cais Aterrado, em Volta Redonda. A Santa Casa solicita ao Cais o soro sempre que precisa.

– Nesses dois anos de readequação o hospital nunca teve problema em ter que buscar o soro em dos polos regionais, onde o medicamento sempre está disponível – ressaltou a coordenadora, ao acrescentar que os incidentes com animais peçonhentos são classificados como leves, moderados e graves e que, antes de se aplicar o soro, é preciso observar se há indicação para o mesmo.

– A aplicação do soro é uma urgência, não emergência. É importante ressaltar que existe um tempo entre a picada e o seu uso, que só deve ser feito após orientação médica e, dependendo do caso, alguns exames – esclareceu a coordenadora.

Roze Martins
(Especial para o DIÁRIO DO VALE)

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Avatar

    Onde tem baratas tem escorpiões. E onde tem alimentos jogados tem baratas, inclusive alimentos no ralo da pia.

    Portanto, é fácil combater os escorpiões.

    Alimentos , baratas, escorpiões, entulhos: ambiente perfeito para os escorpiões.

Untitled Document