sábado, 24 de outubro de 2020 - 05:52 h

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Volta às aulas: Compra antecipada de material pode ser vantajosa, diz Procon

Volta às aulas: Compra antecipada de material pode ser vantajosa, diz Procon

Matéria publicada em 6 de janeiro de 2017, 22:03 horas

 


Volta Redonda – O ano mal começou e a compra do material escolar já é uma das preocupações no orçamento familiar. O DIÁRIO DO VALE conversou com o coordenador do Procon (Programa de Orientação e Proteção do Consumidor) de Volta Redonda, João Silveira, e ele garantiu que antecipar as compras de material pode ser vantajoso.

– Comprando com antecedência os pais terão mais opções e uma variedade maior de itens para escolher, encontrando assim uma maior variedade de ofertas e preços diferenciados. Outra vantagem de antecipar as compras é que este consumidor encontrará as lojas mais vazias, se ele deixar para a última hora, com certeza estes estabelecimentos ficarão lotados e o material desejado para o seu filho, às vezes, nem sempre será encontrado. Antecipando as compras o consumidor também terá mais tempo para fazer uma pesquisa de preço dos locais visitados e assim escolher a melhor oferta disponível – explicou Silveira.

O coordenador do Procon-VR destacou que pela nova determinação do governo, os clientes podem negociar o preço à vista com desconto, sendo esta mais uma opção de economizar na hora das compras do material escolar.

– Outra forma de economizar é evitar levar crianças na hora das compras, pois normalmente elas optam por produtos de marcas e com temas, encarecendo a compra dos pais – sugeriu.

Sobre a lista escolar, Silveira advertiu que o colégio não pode pedir ou exigir itens de uso comum, como por exemplo: papel higiênico, giz ou material de limpeza. A escola também não pode exigir que todo os itens sejam comprados de uma vez. Outra dica dada pelo coordenador do Procon-VR é que os pais devem reaproveitar o máximo o material utilizado no ano anterior, como no caso dos cadernos que possuem folhas em branco, lápis e canetas em condições de uso, assim como as mochilas.

A troca

Sobre a troca de produtos, Silveira esclareceu que a lei determina que ela só é obrigatória se a compra for feita pela internet, já que existe a chamada lei do arrependimento, na qual o comprador tem sete dias, a partir do recebimento da mercadoria, para exercer esse direito. Caso o consumidor queira, ele pode ser ressarcido, inclusive com o valor do frete. Já com relação às compras feitas em lojas físicas, o lojista não é obrigado a fazer a troca.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document