>
domingo, 7 de agosto de 2022 - 11:20 h

TEMPO REAL

 

Capa / Ciência – Por Jorge Calife / Os chineses e o brasileiro no espaço

Os chineses e o brasileiro no espaço

Matéria publicada em 8 de junho de 2022, 14:57 horas

 


Taikonautas vão ficar seis meses no espaço, brasileiro ficou 4 minutos

Tiangong: A estação espacial chinesa fica pronta em outubro

O sábado passado, dia 4 de junho, entrou para a história com dois lançamentos espaciais. Na China, três taikonautas (nome que os chineses dão aos seus astronautas), decolaram no foguete Longa Marcha para passarem  seis meses na estação espacial Tianhe. No deserto do Texas, nos Estados Unidos, o foguete sub orbital New Sheppard, do bilionário Jeff Bezos, levou mais seis turistas para um voo sub orbital de dez minutos de duração. Entre eles se encontrava o engenheiro brasileiro Victor Correa Hespanha, que ganhou o passeio de prêmio depois de investir 12 mil reais em criptomoedas.

Como a nave de turismo chegou a uma altura de 107 quilômetros, ultrapassando a chamada Linha de Karman, que fica a 100 quilômetros de altura, Hespanha se tornou, oficialmente, o segundo astronauta brasileiro. Ainda que tenha ficado apenas quatro minutos no espaço. Seu antecessor, o então piloto Marcos Pontes, ficou uma semana na Estação Espacial Internacional, mas também viajou como turista. Na época o governo brasileiro comprou seu assento em uma nave russa Soyuz com uma carga de café.

A missão chinesa não tem nada a ver com turismo espacial. Os dois homens e a mulher que viajaram na cápsula espacial Shenzou 14 vão ficar seis meses no espaço, finalizando a construção da nova estação espacial chinesa. Atualmente a Tiangong é formada por um único módulo cilíndrico, com 16,6 metros de comprimento, o Tianhe. No final de julho ela receberá o módulo Wentian (Busca pelos céus) e em outubro o Mengtian (Sonhando com os céus). Depois do acoplamento automático os taikonautas usarão o braço mecânico do Tianhe para reposicionar os módulos, formando uma estrutura em forma de “T”.

O comandante da missão, Cheng Dong, é um veterano de outras missões no espaço. Ao seu lado esta o novato Cai Xuzhe e a também veterana Liu Yang. Yang foi a primeira chinesa a ir ao espaço em 2012.

A China tem um programa espacial ambicioso e pretende se tornar a segunda potencia espacial do planeta, atrás apenas dos americanos. Os chineses foram proibidos pelos Estados Unidos de visitar a Estação Espacial Internacional, devido a acusações de violações de direitos humanos na China. E resolveram ter a sua própria estação espacial, que eles pretendem compartilhar com outros países. Quando estiver pronta a Tiangong terá 20% da massa da Estação Espacial Internacional mas será muito mais moderna. A ISS deve ser desativada em 2030 e foi construída por um consórcio de 12 países, incluindo Estados Unidos, Rússia, Canadá e Japão. O Brasil foi expulso do projeto porque deu um calote nos americanos e não pagou suas contribuições anuais.

É por isso que Marcos Pontes esteve lá como turista. Já Victor Hespanha se tornou astronauta num golpe de sorte. Ele investiu 12 mil reais na compra de NFTS (Ativo digital com registro de autenticação) da empresa CSA. O investimento dava direito a concorrer a um sorteio de um voo no foguete New Sheppard e Hespanha ganhou a passagem, que normalmente custa 200 mil dólares. Como o Brasil não participa dos projetos ISS e Tiangong, o único meio dos brasileiros irem ao espaço é continuarem a viajar como turistas. 

Jorge Luiz Calife

 

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document