terça-feira, 7 de julho de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Ciência – Por Jorge Calife / Protegendo as mulheres no espaço

Protegendo as mulheres no espaço

Matéria publicada em 19 de dezembro de 2019, 09:13 horas

 


Nasa vai testar traje feminino antirradiação; AstroRad é feita de plástico polietileno de alta densidade

Quando os primeiros homens viajaram para a Lua, em 1968, eles só contavam com a proteção do casco de alumínio de sua nave Apollo. Agora, o governo americano quer mandar mulheres para a Lua e elas vão contar com uma proteção especial. Uma roupa antirradiação, a AstroRad, que está sendo desenvolvida em conjunto com a Agência Espacial de Israel e o Centro Espacial Alemão. A roupa vai proteger as partes do corpo feminino mais sensíveis à radiação cósmica, como seios, ovários, cólon e pulmões. Os homens também poderão contar com a AstroRad, mas ela é mais importante para as equipes femininas.
A AstroRad é feita de plástico polietileno de alta densidade, que é um material capaz de bloquear os raios cósmicos e as partículas mais perigosas do vento solar. Desde a época da última missão Apollo, em 1972, que os astronautas não se aventuram em missões no espaço profundo. Todas as missões envolvendo estações espaciais, como a Mir russa e a Estação Espacial Internacional, acontecem na órbita terrestre baixa, entre os 400 e os 600 quilômetros de altura. A essa altitude o campo magnético do nosso planeta age como um escudo, protegendo homens e mulheres da radiação nociva que vem do Sol e das estrelas.
Todavia, a Lua se encontra a 384 mil quilômetros da Terra, além da concha magnética protetora do nosso planeta. Astronautas que viajem para a Lua, ou para o planeta Marte, ficam expostos a uma série de radiações que incluem os raios cósmicos galácticos e os prótons de alta velocidade emitidos pelas erupções no Sol. A exposição prolongada a essas radiações aumenta as chances de uma pessoa contrair câncer. Daí a busca de uma proteção adequada para as futuras tripulações do projeto Artemis.
O traje AstroRad é fabricado pelas empresas Lockheed Martin e StemRad. Antes que as mulheres do projeto Artemis possam usá-lo o traje será testado com dois manequins femininos. Essas bonecas em tamanho natural serão equipadas com dosímetros, para registrar a quantidade de radiação recebida durante um voo ao redor da Lua. Um dos manequins vai usar um dos protótipos da AstroRad, o outro não. Ambos serão colocados a bordo de uma cápsula espacial Orion, igual a que será usada durante o projeto Artemis. A cápsula será lançada em uma trajetória lunar pelo super foguete SLS, que se encontra em fase final de desenvolvimento. Assim, os cientistas do projeto poderão comparar a exposição à radiação do manequim com roupa protetora com o outro que não usará a roupa.
A missão é chamada de Artemis 1 e deve decolar em novembro de 2020. Será o teste final tanto do foguete quanto da cápsula que será usada nas novas missões lunares. Se tudo correr bem uma segunda missão, com tripulação humana, será lançada em 2023. E o primeiro desembarque na Lua do projeto Artemis está previsto para 2024.
Os primeiros projetos de naves interplanetárias, feitos na década de 1960, previam “abrigos de tempestade”. Cofres blindados onde os astronautas se esconderiam durante as tempestades solares. A vantagem da roupa AstroRad é que ela proporciona uma proteção semelhante a de um abrigo, mas mantém a mobilidade dos astronautas. Ela é ideal para a nave Orion, que é pequena e não tem espaço para um abrigo blindado.
O projeto Artemis foi lançado pelo governo do presidente Donald Trump e usa tecnologia desenvolvida para o antigo projeto Constellation, do presidente Barack Obama. O foguete SLS e a cápsula Orion estão sendo desenvolvidos desde 2010 e deveriam ter voado em 2018. Mas, atrasos levaram ao adiamento da primeira missão para o final de 2020.

 

Jorge Luiz Calife

AstroRad: Proteção para as mulheres astronautas


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document