segunda-feira, 26 de agosto de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Ciência – Por Jorge Calife / Semente de algodão germinou na Lua

Semente de algodão germinou na Lua

Matéria publicada em 24 de janeiro de 2019, 08:00 horas

 


Cápsula com sementes encontra-se na sonda chinesa que pousou na Lua

Depois de pousar uma sonda robô no lado oculto da Lua, os chineses tiveram sucesso com outra experiência. Uma semente de algodão levada em um recipiente lacrado, dentro da nave, germinou na Lua, é a primeira vez que uma experiência desse tipo é tentada em solo lunar. Os astronautas da estação espacial internacional costumam cultivar vegetais, como alface regularmente. Mas a estação fica a 400 quilômetros de altura, bem perto da Terra.

Em 1970, durante a missão Apollo 14, o astronauta Stuart Roosa levou sementes de árvores que ficaram na nave-mãe, orbitando a Lua, e depois foram plantadas na Terra, recebendo o nome de “árvores da Lua”.

O recipiente com as sementes de algodão inclui também batatas e uma planta de laboratório chamada Arabidopsis, mas nenhuma germinou até agora. A sonda Chang´e 4 pousou na cratera Von Karman, perto do polo sul lunar, no dia 3 de janeiro. Ela desembarcou o robô Yutu 2 (Coelho  de Jade 2) que se deslocou sobre rodas no solo acidentado da cratera. Numa entrevista para a agência de notícias Xinhua o projetista chefe da sonda, Sun Zezhou explicou os problemas enfrentados pela missão: “As imagens enviadas pela Chang´e 4 mostram que a área de pouso é cheia de crateras de vários tamanhos e é muito difícil para o robô rodar naquela região”.

O controle da missão estava tentando encontrar áreas relativamente seguras para o carro se deslocar. O problema é que anoiteceu naquela região e o robô, movido por energia solar, não funciona no escuro. A noite lunar dura 14 dias terrestres e tem temperaturas na faixa dos 100 graus negativos. A primeira sonda chinesa, a Chang´e 3 não sobreviveu ao frio e a escuridão. Na década de 1960 a NASA americana projetou um robô lunar movido à energia atômica, o Prospector, mas devido ao sucesso das missões tripuladas Apollo ele nunca foi construído. Um robô nuclear não teria problemas com o frio e a escuridão da noite lunar.

De qualquer forma, mesmo que o Chang´e 4 e suas sementes não sobrevivam, a China tem planos para outras missões. Uma delas, a Chang´e 6 vai voltar para a Terra com amostras do solo daquela região. As missões Luna da União Soviética trouxeram amostras do solo das regiões equatoriais da Lua, mas agora os chineses têm planos de construir uma base no polo sul lunar e querem conhecer melhor aquela região.

A base lunar chinesa pode ser construída por robôs, com técnicas de impressão 3D. A agência espacial europeia ESA também tem um projeto semelhante, mas é preciso saber se o solo lunar pode ser usado como material de construção. O que daria um grande impulso aos projetos de bases lunares, tanto europeus quanto chineses. Um teste dessas tecnologias será feito pelo robô Chang´e 8 que deve ser lançado na próxima década. “Queremos saber se podemos construir casas com o solo lunar, usando a tecnologia da impressora 3D. Com o Chang´e 8 teremos uma resposta para esta pergunta” – concluiu Sun Zezhou.

Desde a década de 1960 que os engenheiros espaciais fazem planos para uma estação de pesquisas na Lua. Devido à ausência de atmosfera é preciso proteger as estruturas da radiação solar e dos micrometeoros que caem constantemente sobre o solo lunar. Um plano previa a construção de bases dentro de cavernas lunares, onde elas teriam uma proteção natural. Outro previa enterrar módulos habitáveis no solo lunar e os astronautas desceriam por uma espécie de chaminé.

Atualmente a ideia é cobrir as casas lunares com camadas de solo, para obter proteção. A construção será feita por robôs e os astronautas só partiriam para a Lua quando a base já estiver pronta. De acordo com o cronograma americano as missões tripuladas devem acontecer no final da próxima década.

Yutu 2: Crateras atrapalham a missão


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

4 comentários

  1. Avatar

    Notem a Imagem, parece um grande galpão cheio de areia e uns buracos no chão parecendo crateras. O suposto céu não tem atrás uma só estrela, pois basta ir para uma área afastada da cidade para ver a Via Láctea repletas de estrelas. Acordem , nunca estivaram lá isto é tudo montagem como aquelas fotos e vídeos dos astronautas lá na Lua tudo mentira, foi feito lá em Hollywood na mesma época do Filme 2001 Uma Odisseia no Espaço isto em 1968 o suposto pouso na Lua feito com naves de latão e plástico de baquelite com cálculos complexos feito em papel e em computadores com baixíssima capacidade de processamento que uma calculadora atual mais simples faz até muito mais aconteceu em 1969 e no mesmo cenário é só ver o filme que vocês irão compreender. Tem um imenso Cinturão radioativo em torno da Terra não tem como passar nada lá em cima é mortal e muito quente pois pode derreter até o metal mais duro e no espaço existe vácuo como pode algo se movimentar lá em cima sem atrito do ar, certamente iria ficar vagando eternamente sem direção.

    • Avatar

      Também sou cético. Não tenho como afirmar que não foram, mas não me convencem que foram, com base em inúmeros indícios irrefutáveis… Os EUA estavam perdendo a corrida espacial para a URSS, e viraram o jogo com uma só jogada de “mestre”…

  2. Avatar

    Olha foi feito um experimento na escola de meu filho.

    Aquele do feijão brotar e germinar…

    Passaram muitos dias e nenhum germinou…

    Em 2 classes…

    Depois de muitas indagações, pesquisas, as mães descobriram que os feijões industrializados são levados a um forno para secarem, evitando perdas…

    Depois de várias trocas de feijões , só quem tentou com feijão da roça conseguiu, para frustração das crianças…

    Antigamente feijão brotava em ralo, ouvido, cimento do quintal…

    Fica a sugestão, quem for fazer experimento, faz com caroço de abacate, que as vezes brota dentro do próprio abacate.

    Rsrs.

  3. Avatar

    Fenomenal! Pelo jeito a humanidade estará retornando à Lua nas próximas décadas.

Untitled Document