domingo, 24 de outubro de 2021 - 19:17 h

TEMPO REAL

 

Capa / Ciência – Por Jorge Calife / Será que existe alguém lá em cima?

Será que existe alguém lá em cima?

Matéria publicada em 6 de julho de 2021, 15:56 horas

 


Estudo conclui que nosso mundo pode ser visto de 1700 sistemas estelares em nossa galáxia

Descoberta: Milhares de estrelas podem nos observar

Pesquisadores ingleses da universidade de Nottingham concluíram que podem existir 36 civilizações alienígenas somente na nossa galáxia. Mas será que eles sabem da nossa existência? Uma outra pesquisa concluiu que sim. Segundo a astrônoma Lisa Kaltenegger do Instituto Carl Sagan, na Universidade de Cornell, nos Estados Unidos, os habitantes de mais de 1700 sistemas estelares podem ter localizado a Terra e concluído que existe vida aqui. O que explicaria muita coisa, incluindo esses objetos estranhos que volta e meia aparecem nos céus da Terra.

Lisa Kaltenegger baseou suas conclusões  na capacidade que nós, humanos, desenvolvemos recentemente para detectar planetas orbitando estrelas distantes. Nos últimos vinte anos foram descobertos centenas de planetas orbitando outros sóis além do nosso. E 70% desses exoplanetas foram descobertos pelo método de transito. Que consiste em observar a redução do brilho de uma estrela quando um planeta passa diante dela. Algo que só pode ser percebido por instrumentos ultrassensíveis instalados em telescópios espaciais, como o Kepler da Nasa.

Esse método só funciona se o plano das órbitas dos planetas for perpendicular ao nosso sistema solar. Se a estrela estiver com os polos voltados para a Terra não podemos ver planetas passando diante dela. Baseado nisso a cientista determinou de quantas estrelas, num raio de 325 anos-luz, a Terra poderia ser vista eclipsando a luz do Sol. Para isso ela usou a base de dados do satélite Gaia, que mapeou as posições e o movimento de 331 mil estrelas. E os resultados foram surpreendentes.

Nos últimos cinco mil anos, desde que a civilização surgiu aqui na Terra, os trânsitos da Terra, ou seja a passagem do nosso planeta na frente do Sol podem ter sido vistos de 1715 sistemas estelares. Dessas 1715, 313 já mudaram de posição e não podem mais detectar a nossa existência. Mais 1402 ainda podem fazer isso e outras 319 estrelas vão entrar nesta zona de transito nos próximos cinco mil anos.

Além disso, 75 dessas estrelas ficam a 100 anos luz da Terra (Um ano-luz é igual a 9,4 trilhões de quilômetros), ou seja, suficientemente próximas para captar os sinais de rádio e televisão transmitidos aqui da Terra (As estações de rádio começaram a transmitir programas há cerca de 100 anos e essas transmissões escapam para o espaço sideral). E cerca de 29 dessas 75 estrelas possuem planetas rochosos, semelhantes a Terra, onde civilizações alienígenas podem ter surgido e prosperado nesses 5 mil anos. Dessas 29 estrelas sete tem planetas de onde os trânsitos da Terra podem ser vistos: Os sistemas K2-65, K2-155 e K2-240 podem estar detectando a Terra agora mesmo.

A estrela de Teegarden, a Trappist-1 e a GJ9066 poderão detectar a Terra nas próximas décadas. Trappist-1 fica a 45 anos-luz de distancia e tem sete planetas do tamanho da Terra, sendo quatro deles na zona habitável onde pode existir água e vida. Os visitantes podem chegar a qualquer momento, ou talvez já estejam aqui. Na semana passada foi divulgado o esperado relatório do Pentágono sobre os objetos voadores não identificados. Que concluiu que muitos dos OVNIs vistos pelos pilotos da marinha norte-americana simplesmente não tem explicação. Cautelosos, os militares disseram que não há provas que esses objetos sejam naves alienígenas, mas também não descartou essa hipótese.

De qualquer forma a humanidade deve se preparar para essa possibilidade. De que não estamos sós no Universo. E como disse Arthur C.Clarke há muito tempo atrás, temos que torcer para que eles nos tratem com benevolência e não com justiça. Afinal nos últimos cinco mil anos os seres humanos vem matando ou escravizando tudo aquilo que não anda sobre duas pernas.

 

Jorge Luiz Calife

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document