ÔĽŅ 2.476 dias com o Branco - Di√°rio do Vale
sexta-feira, 17 de agosto de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / 2.476 dias com o Branco

2.476 dias com o Branco

Matéria publicada em 29 de dezembro de 2017, 07:30 horas

 


Ter um cachorro pode ser muito gratificante, mas o final é sempre muito triste

wp-coluna-espaco-aberto-jorge-calife

Ter um cachorro √© muito bom para nossa sa√ļde. Eles s√£o √≥timos companheiros e um excelente rem√©dio contra depress√£o. Hoje em dia existem hospitais que permitem que os c√£es visitem seus donos doentes. A alegria de rever o companheiro de quatro patas contribui para a melhora do paciente. O problema √© que os cachorros n√£o duram para sempre. Eles t√™m um tempo de vida relativamente curto comparado com nossas vidas humanas. E quando morrem a sensa√ß√£o de perda √© muito grande, principalmente quando se trata de um companheiro muito querido, como foi o caso do meu amigo Branco.

Calculando na ponta do lápis foram 2.476 dias de uma convivência muito gratificante. Desde que o Branco apareceu no meu quintal, com a perna machucada, em uma manhã de março de 2011. Ele se escondeu embaixo da carcaça de um carro, que ficava no fundo do quintal e só saía de lá para tomar sol de manhã. O problema na perna traseira provocava uma dor intensa e ele gania sempre que levantava. Comecei a oferecer comida para ele e logo conquistei sua confiança.

A médica veterinária examinou a perna dolorida e concluiu que não estava quebrada. Era só uma distensão muscular que tratamos com algumas gotas de Novalgina. E a partir daí o Branco passou a morar comigo. E a me acompanhar aonde eu ia em Pinheiral. Naquela época, em 2011, eu tinha uma cachorra preta muito doida, a Kiara, que um vizinho tinha trazido de uma fazenda em Ipiabas. E o Branco logo formou uma dupla com a Kiara, o que quase foi a perdição dele. Kiara tinha mania de atravessar o Rio Paraíba a nado, para perseguir pacas e capivaras nos terrenos de uma granja que fica lá para os lados de Barra do Piraí. E o Branco ia atrás dela.

Um dia um pescador que costuma percorrer o rio me contou a novidade. ‚ÄúSabe aquele seu cachorro branco, aquele que anda mancando? Estava l√° do outro lado do rio, na granja da Rica, com uma cachorra preta‚ÄĚ. Custei a acreditar, mas as evid√™ncias eram muito fortes. Branco e Kiara costumavam sumir depois do almo√ßo, e s√≥ apareciam l√° em casa de noite, por volta das 22 horas, molhados e cansados. Mas, muito felizes.

Nunca cogitei em prender os dois. N√£o acho que possamos possuir um ser vivo como se fosse um objeto. Ali√°s, boa parte das trag√©dias humanas decorre do sentimento de posse sobre criaturas vivas. Cachorros que vivem presos t√™m uma vida mais longa, mas s√£o neur√≥ticos e infelizes. Kiara e Branco tinham decidido morar comigo, espontaneamente, eu n√£o tinha o direito de tirar a liberdade deles. Fiz uma portinhola no port√£o l√° de casa e eles sa√≠am e entravam quando queriam. Kiara teve uma vida intensa, e morreu de c√Ęncer em outubro de 2012. Branco ficou sozinho por uns tempos, mas depois arrumou outras companheiras.

Quando ficava no cio ele sumia por dois, tr√™s dias. Quando voltava para casa eu cantava para ele uma velha can√ß√£o do Nelson Gon√ßalves cuja letra diz: ‚ÄúO bo√™mio voltou novamente, saiu daqui t√£o contente, por que raz√£o quer voltar?‚ÄĚ. E depois de abra√ß√°-lo conclu√≠a os versos que dizem: ‚ÄúS√≥ me resta o consolo e alegria, de saber que depois da boemia, √© de mim que voc√™ gosta mais‚ÄĚ.

Ano passado Branco pegou uma doen√ßa transmitida por carrapatos, mas se recuperou depois de umas inje√ß√Ķes de antibi√≥tico. Viveu feliz por mais um ano at√© a doen√ßa voltar em dezembro. E dessa vez ele n√£o resistiu e morreu depois de 21 dias de luta. Morreu com a cabe√ßa no meu colo e foi enterrado ao lado da sepultura da Kiara. Lembrei de uma defini√ß√£o de vida feita pela atriz Sandra Bullock no filme ‚ÄúQuando o amor acontece‚ÄĚ, que se aplica perfeitamente ao Branco: ‚ÄúA vida √© assim, o come√ßo √© complicado, o fim √© sempre muito triste, o importante √© o que vem no meio‚ÄĚ.

Eu e o Branco tivemos momentos maravilhosos. E ele continuará vivendo em minhas memórias e nos meus sonhos.

 

Branco: Companheiro de bons momentos (Foto: Jorge Luiz Calife)

Branco: Companheiro de bons momentos (Foto: Jorge Luiz Calife)

 

 

JORGE LUIZ CALIFE | jorge.calife@diariodovale.com.br

12 coment√°rios

  1. CALIFE SABER QUEM √Č VOC√ä E N√ÉO SABER QUEM √Č O BRANCO, N√ÉO EXISTE.
    QUE COLUNA SHOW DE BOLA. SIMPLESMENTE ASSIM. ABRAÇO

  2. Meus sentimentos! Do p√≥ viemos e ao p√≥ voltaremos… voc√™ ainda vai se unir a todos que amou, inclusive o Branco. Estaremos todos juntos em breve. Boa tarde.

  3. O importante foram os momentos bem vividos e compartilhados com muito amor! O Branco se foi, mas certamente feliz e realizado por ter ganhado um lar, um amigo pra todas as horas, miss√£o cumprida. Fiquem em paz.

  4. Espero que arranje outro cachorro logo e que escreva muitos textos sobre as aventuras do novo dog, entremeados por outros com o saudosismo das séries de ficção científica; até para nos poupar daqueles textos repletos de tropeços quando se aventura a escrever sobre comportamento, atualidades e política.

  5. Em alguma gal√°xia distante

    Quero o “lun√°tico” de volta. Menos textos sobre a vidinha na regi√£o e mais sobre a po√©tica vida em Andr√īmeda ou sobre o novo epis√≥dio de Star Wars. Essa do cachorro superou das bicicletas.

    • Ent√£o procure a coluna correta. Essa √© do espa√ßo aberto, dedicada a falar de coisas diversas, principalmente do cotidiano.

  6. Meus pêsames, Calife. Tenho 3 cachorros vira-latas que eu adotei da rua, como você fez com o Branco, e são meus melhores amigos. Me dá tristeza só de pensar que um dia eles me deixarão. Aconselho você a adotar outro.

  7. Somos como a relva, que cresce e depois é aparada. Somos como a flor que desabrocha na primavera e murcha no verão. Somos amor e amamos o que desaparece!

  8. Os meus sentimentos, Calife. Eu também tenho meu lado canino. Tenho 4 cães, três dos quais advindos da rua, e por isso, sei do companheirismo que o cão nos oferece, o que é muito gratificante. A perda realmente é, por outro lado, bastante dolorosa, porém inevitável.

  9. Sinto muito , talvez vc tenha perdido seu √ļnico e verdadeiro amigo.

Untitled Document