quarta-feira, 29 de janeiro de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / A escola

A escola

Matéria publicada em 14 de dezembro de 2019, 07:00 horas

 


É incrível perceber o quanto a escola é capaz de potencializar o processo de socialização

Fui buscar meu filho na escola. Ele estava tão feliz, contente. Ele estava “up”, isso mesmo, é uma escola bilíngue. É incrível perceber o quanto a escola é capaz de potencializar o processo de socialização, o qual é fundamental para o desenvolvimento dos pequenos. Foi assim também com minha filha mais velha. Bendita escola. Obrigado!
Segundo Freud, pai da psicanálise, a primeira infância é fundamental para a construção de adultos saudáveis. Nesse prisma, é evidente que a escola, durante esse período, é essencial para a formação de bons cidadãos. No entanto, apesar do ECA tomar a o direito à educação como fundamental, muitas vezes não é o que verificamos no cotidiano das famílias brasileiras.
A importância da escola durante o início da vida advém de seu caráter formador: é lá que a criança terá contato com seus primeiros deveres, responsabilidades e restrições; é onde aprenderá com maior ênfase o respeito à hierarquia e o que é social e eticamente certo ou errado. Dessa forma, é nesse local que desenvolverá sua primeira consciência moral, uma vez que, como disse John Locke no desenvolvimento de sua teoria sobre a Tabula Rasa, a criança é como um livro em branco pronto para o seu preenchimento com suas experiências, que devem ser positivas a fim de formar um bom adulto.
Além disso, o colégio é um ambiente que proporcionará o contato do infante com cenários diferentes do familiar, nos quais ele será exposto a culturas, etnias tipos físicos e religiões diferentes. Dessa forma, com a percepção da diversidade que existe em diversos aspectos, será ensinado a respeitá-los, uma vez que haverá convívio quase diário com essas diferenças. Há, no entanto, uma grave defasagem na informação passada à família que, muitas vezes, não tem consciência da importância de levar as crianças, ainda muito pequenas, à escola e, por conseguinte, não o fazem e prejudicam todo o desenvolvimento do indivíduo em formação.
É importante entendermos o quão essencial é a divulgação de tamanha importância que a escola, principalmente na primeira infância, tem para o desenvolvimento de nossas crianças, de nosso futuro, de nosso mundo, pois ele dependerá dos nossos herdeiros.
A mídia bem que podia nos informar um pouco mais, as escolas bem que podiam conversar mais com os pais, e nós bem que podíamos ficar mais atentos sobre essa questão, pois é na escola que o futuro será trabalhado, instruído e orientado. Será que se voltássemos à escola, nas reuniões, nos encontros, nas festas de fim de ano, nas apresentações de nossas crianças. Será que já não seria o primeiro passo para a real valorização da escola nossa de cada dia?
Boa Leitura,
TMJ!

Raphael Haussman. É professor, Coach, consultor e apaixonado por educação e desenvolvimento humano e, ainda, pai da Raphaela e do Theo.

Nosso dicionário:

*Up – Esse vocábulo de origem inglesa pode apresentar uma série de traduções para o português, entre elas “acima” e “até”. No contexto acima, “estar up” significa estar alegre, feliz ou contente.

*Bilíngue – Bilíngue é um adjetivo que se relaciona com algo ou alguém que se expressa em duas línguas. Nessa perspectiva, uma escola bilíngue busca alfabetizar seus alunos em dois idiomas diferentes.

*Freud – Sigmund Schlomo Freud (Freiberg, 6 de maio de 1856 – Londres, 23 de setembro de 1939), conhecido como o pai da psicanálise, foi o responsável pela revolução no estudo da mente humana.

*ECA – ECA é a sigla do Estatuto da Criança e do Adolescente, um documento formado por um conjunto de leis que garantem os direitos das crianças e dos adolescentes no Brasil.

*John Locke – John Locke (Wrington, 29 de agosto de 1632 — Harlow, 28 de outubro de 1704), foi um renomado filósofo inglês, um dos mais importantes pensadores do empirismo, o qual exerceu grande influência sobre vários filósofos de sua época.

*Tábula Rasa – A “Teoria da Tábula Rasa” de John Locke, contrariando o inatismo, afirma que, ao nascermos, somos como uma folha em branco que é escrita na medida em que vivemos e temos experiência de mundo.

*Futuro – O dicionário define futuro como o tempo que está por vir, a existência que se há de seguir à atual, mas no caso do texto, pode ser considerado como sinônimo de criança.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Avatar

    Meus filhos estudam desde os 2 anos.

    Mas isso é para poucos.

    Vagas na educação infantil pública é cada vez mais difícil.

    Sem contar que as vezes é mais fácil deixar o filho com um famíliar ou vizinho mediante remuneração para poder ir trabalhar, pois a maioria das escolas são meio período.

    Mães não podem sair no meio de serviço para levar ou buscar criança na escola.

    E no período que não está na escola a criança fica com quem?

    Pois se você for ver na saída da escola, nos grupos de zap escolares e em reuniões a responsabilidade da educação fica para mãe mulher.

    Direitos iguais é balela.

    Escola teria que ser tempo integral!

    Tempo integral para bebês, crianças e jovens.

    Teríamos crianças longe das ruas, instruídas e bem alimentadas.

Untitled Document