sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / A longa viagem de volta da Rússia

A longa viagem de volta da Rússia

Matéria publicada em 20 de julho de 2018, 07:11 horas

 


Cem anos depois o avião ainda é um meio de transporte desconfortável

Sonho: O transporte hipersônico da Boeing

A Copa do Mundo acabou e eu fico pensando na longa viagem de volta das pessoas que foram até a Rússia assistir aos jogos. São poucos os voos diretos de Moscou para o Brasil. A maioria dos brasileiros vai ter que pegar um avião para Londres ou Frankfurt, e de lá fazer uma conexão num voo para o Brasil. Em qualquer dos dois casos são mais de dezesseis horas trancado dentro de um avião, que não é dos meios de transporte mais confortáveis. Quem viaja pela classe turista ou econômica enfrenta espaços estreitos entre as poltronas, alimentação ruim e impossibilidade de exercitar as pernas. As vezes ocorrem até casos de embolia nessas viagens longas, devido a imobilidade a que as pessoas são submetidas.

É claro que no caso das celebridades e dos comentaristas de TV a situação é bem melhor. Eles viajam de primeira classe, com poltronas reclináveis, champanhe e comida da melhor qualidade, mas a maioria não tem essa mordomia toda não. O fato é que já faz mais de cem anos que o avião foi inventado e o meio de transporte mais rápido do mundo ainda é terrivelmente lento e desconfortável.

Quem quer conforto vá de navio ou de trem. São meios de transporte onde você faz as refeições num restaurante adequado e tem uma cama confortável para dormir. Na Europa, por exemplo, os trens de luxo marcaram época, como é o caso do Expresso do Oriente, que até hoje é lembrado em filmes. E os cruzeiros em transatlânticos são conhecidos pelo conforto e a sofisticação da vida a bordo.

As viagens aéreas chegaram perto disso na década de 1930, durante o curto reinado dos zepelins. Os dirigíveis, como o Graf Zepelim que voava para o Brasil, eram lentos, mas ofereciam o conforto de um hotel de luxo. Infelizmente os dirigíveis estavam muito a frente do seu tempo. Naquela época não existia um gás seguro e não inflamável que fizesse flutuar os navios do céu o que levou a tragédias como o incêndio do Hindenburg em Nova Iorque. E não havia um sistema de monitoração de tempestade que permitisse que os capitães dos dirigíveis evitassem o mal tempo como os navegadores modernos fazem.

Se você não pode viajar com conforto a solução é aumentar a velocidade do meio de transporte. Assim a viagem desconfortável fica curta. Dos anos 40 para cá a aviação deu saltos de velocidade, dos aviões com motores a hélice, como o Constellation, que voavam com uma velocidade de 600 quilômetros horários, aos jatos atuais que fazem 870 quilômetros por hora em voo de cruzeiro.

O salto seguinte foi o voo supersônico, com o Concorde que começou a voar na década de 1970. O Concorde voava a Mach2, cerca de 2600 quilômetros horários, e reduziu o tempo das viagens aéreas pela metade. Infelizmente era um avião caro, que consumia muito combustível e foi esnobado pela maioria das linhas aéreas. O projeto americano de criar um jumbo supersônico, o Boeing 2707, sucumbiu diante da escalada de custos e a crise do petróleo nos anos 70. O que condenou os seres humanos a passarem décadas mofando dentro de aviões subsônicos lentos e desconfortáveis.

No futuro isso pode mudar. A NASA americana retomou as pesquisas para criar um avião supersônico econômico e silencioso. Empresas aeroespaciais, como a Boeing sonham em ir além com um avião hipersônico, capaz de voar a Mach 5, ou 5400 quilômetros horários. Na ultima conferencia da Associação Internacional do Transporte Aéreo, realizada este ano, os engenheiros da Boeing apresentaram o projeto de um avião hipersônico de passageiros capaz de cruzar o Atlântico em duas horas ou o Pacífico em três horas de voo.

E além do hipersônico entramos no campo do transporte foguete suborbital. Sonho do bilionário Ellon Musk. Talvez na Copa de 2026 ele já esteja disponível.

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Dezesseis horas ainda é menos que em viagens de ônibus de médio curso no Brasil, que não são mais confortáveis, na maioria das vezes, que os aviões intercontinentais… A menos que vc tenha medo de avião…

Untitled Document