segunda-feira, 25 de outubro de 2021 - 07:02 h

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / A luz no fim do túnel

A luz no fim do túnel

Matéria publicada em 13 de janeiro de 2021, 14:08 horas

 


Ainda sem vacina, o Brasil continua bem longe da normalidade

Semana passada, um amigo que mora no Rio de Janeiro, recebeu um telefonema da filha que esta na Argentina. A jovem estava toda contente porque já tinha sido vacinada contra a Covid 19. Deve ser por isso que até a poderosa Ford já trocou o Brasil pela Argentina. Lá tem vacina, aqui não tem. No Brasil, infelizmente, a vacinação, que devia ser uma questão de saúde pública, virou uma disputa política entre o governador de São Paulo e o presidente da República. E enquanto isso os brasileiros morrem aos milhares, na taxa de mais de mil a cada 24 horas. É como se um Titanic, cheio de brasileiros, naufragasse a cada noite que passa.

E se o governo não ajuda, o povo muito menos. Apesar de todas as advertências e conselhos dos médicos as nossas praias lotam a cada fim de semana de sol. E as festas e reuniões familiares bombaram na virada de 2020 para 2021. A televisão mostrou uma moça pulando no meio de uma festa enquanto gritava rindo: “Eu quero ser entubada! Eu quero ser entubada!”

Com 60 mil novos casos de infecção pelo coronavírus, a cada 24 horas, é bem possível que o desejo dela já tenha sido atendido. O problema é que antes de ir para a UTI ela provavelmente infectou o pai, a mãe e os avós. Nem serviu de exemplo a morte recente da veterana atriz Nicete Bruno. Ela estava isolada dentro de casa, desde que a pandemia começou, há longos dez meses atrás. Mas recebeu o coronavírus por entrega a domicílio, trazido por um parente que veio visita-la. No Brasil é assim, os maiores transmissores da doença são os jovens, que vão para a praia e para as baladas e depois trazem a morte para os parentes que ficaram em casa.

No mundo colorido e super-otimista dos comerciais de televisão a propaganda já fala na “volta a normalidade”. Tem um comercial de uma marca de refrigerante que diz que não é suficiente voltarmos ao normal. Temos que ir “além do normal”. Em outro anúncio um astronauta retorna do espaço e diz que a vida dele mudou para melhor depois dos meses de confinamento que passou em uma estação espacial. Infelizmente a vida real não é um comercial de televisão. Que o diga os mais de cinco mil funcionários da Ford que vão enfrentar o mundo da pandemia na condição de desempregados. Pra eles não vai ter “volta ao normal” e nem nada melhor do que isso.

Na verdade aquele mundo bem diferente, em que passamos o já saudoso ano de 2019, não vai voltar tão cedo. Especialistas ouvidos pela Organização Mundial de Saúde dizem que o coronavirus vai se tornar endêmico. Como a dengue e a gripe. A cada ano as pessoas terão que ser vacinadas, como já acontece com o vírus H1N1 da gripe. E haja infraestrutura para isso. No Brasil não temos nem uma data para a vacinação. Porque o presidente achava que a vacina ia transformar as pessoas em jacarés e fez tudo o que podia para dificultar o acesso ao imunizante. E também faltam seringas e agulhas para isso.

A Europa e os Estados Unidos estão vacinando em massa sua população em meio a uma segunda onda da pandemia. No Brasil continuamos na crista da onda. Outro dia um comentarista comparou o nosso país a um avião que tentou pousar, não conseguiu e arremeteu de novo. No início de novembro passado a curva estava caindo, o numero de mortos por dia girava em torno dos trezentos e tudo parecia indicar que o pior já tinha passado. Aí os governos estaduais liberaram as praias, os bares, o comércio e os números dispararam de novo. Atualmente estamos numa curva ascendente com números que já começam a superar o auge da “primeira onda” em junho e julho.

Diante desse quadro o jeito é continuar em casa, manter o distanciamento e usar a máscara sempre que precisar sair na rua. Porque o ano novo não vai ser muito diferente daquele que passou.

 

No Brasil não temos nem uma data para a vacinação


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

11 comentários

  1. O professor Pasquale esclarece que no dicionário Houaiss está que intubar é realizar uma intubação enquanto que entubar, entre outros significados, é dar feição ou forma de tubo.

    #ficaadica

  2. Ô Calife. Gosto de seus textos e da sua coluna. Mas, você forçou demais ao relacionar a saída da Ford do Brasil ao fato da vacina por aqui está sendo politizada. Você, mais do que ninguém sabe que as razões dessa decisão da empresa, ensaiada já há muito, não tem nada a ver com pandemia e vacinas.

  3. Quem não respeita a democracia é o PT, que na época da Copa do Mundo não ouviu os bons jornalistas que pediam um novo hospital para Manaus e o Lula gastou todo o dinheiro na construção de um estádio de futebol inútil!!!

    • Mirian Leitão do DV, você precisa se tratar! Isso já é patológico. Você está agindo como esse doente que nos governo, tentando mudar a história. O desmonte da saúde tem as digitais dos golpistas que estão no centrão, dando sustentação para essa famiglia de malucos que nos governa.

    • Então você concorda que foi melhor construir um estádio de futebol que fica fechado o ano inteiro e não construir um novo hospital?
      O que você diria para as pessoas que estão sendo mandadas para fora do Amazonas por falta de leitos hospitalares?

  4. Perfeita reflexão.

    Deixou há tempos de ser uma questão de saúde publica e virou uma questão política.

    O não cumprimento de protocolo é estimulado .

    Tolos são os que se expõe e brigam por políticos, pois nos bastidores eles se entendem.

  5. Operário desinformado o único que não respeita a democracia é seu MITO que afirma que urna eletrônica não é confiável,leia mais e assista menos a Globo, que apenas repassa essas asneiras ditas por seu MITO

  6. Acho que o Governo está fazendo a parte dele, o que eu vejo é uma mídia que não tem mais o dinheiro do companheiro Lula fazendo politicagem de tudo, pois tudo do atual governo tem que dar errado , fazem política de tudo, os jornais da globo é 50% de covd e 50% falando mal do governo, será porque que esse povo hipócrita que falam em democracia não respeitam um presidente que foi eleito democraticamente? Já sei, estão com saudade da roubalheira, muito tempo mamando nas tetas do governo , só pode ser isso.

    • Vc não deve ser operário não, operário tem visão, tbm não deve ser carroceiro, carroceiro enxerga, vc deve ser o burro, tem muita força e visão, mas permite que o forcem a trabalhar usando viseira e só come alguma coisa quando lhe dão na boca, e anda sujando por onde passa, operário é melhor que isso!

  7. Grande Calif,Bravo!Um dos poucos colunistas que apesar de vivermos num país com censura imposta pelo presidente ,continua sempre sensato e imparcial.

    • So havia censura na época do PT onde até lista negra de jornalistas havia e eles invadiram a sede da revista Veja para tentar calar os jornalistas!

Untitled Document