quarta-feira, 18 de setembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / A roupa líquida do futuro

A roupa líquida do futuro

Matéria publicada em 11 de dezembro de 2018, 08:00 horas

 


Viagens espaciais podem mudar o futuro da moda

Fantástica: A roupa liquida que dura uma noite

Que roupa devemos levar em uma viagem para Marte? Ou para as luas de Saturno? O turismo espacial esta mais perto do que imaginamos, e o problema da roupa ainda não foi solucionado. Os astronautas da estação espacial internacional usam camisetas, shorts e macacões cheios de bolsos. Mas eles trabalham perto da Terra e podem receber roupas novas e limpas através das naves de carga que levam suprimentos lá para cima.

Além da Lua, o vestuário se torna um problema de logística. Não existem lojas, nem shopping centers lá em cima e máquinas de lavar roupa ocupariam muito espaço dentro de uma nave. A famosa astrônoma americana, Jill Tarter, sugeriu em 2012 que os viajantes espaciais de futuro poderiam se vestir com hologramas, que não pesam nada e não precisam de limpeza, mas os hologramas não são muito confiáveis. Imagine leitora, que você esta em uma festa de réveillon em Titã, a maior lua de Saturno. O réveillon em Saturno é um evento imperdível já que o ano lá dura 29 dos nossos anos.

No meio da festa o projetor holográfico pifa, desmaterializando seu lindo vestido dourado. E você fica nua no meio do salão. Uma ideia mais viável é o traje líquido inteligente. Depois do banho você fica de pé diante de um processador cibernético, que pode ter a forma de dois dragões dourados, como na ilustração do artista Jim Burns aí ao lado, da boca dos dragões sai um líquido plástico que se derrama sobre seu corpo e se solidifica na forma da roupa previamente programada.

Feito de moléculas polimorfáveis, o traje se ajusta perfeitamente as formas do corpo, muda de cor de acordo com os desejos do dono, pode exibir uma série de desenhos ou padrões pré-programados e nunca se gasta. Porque no final da noite é só ir até o banheiro e tomar um banho de luz ultravioleta, que quebra os elos moleculares do traje que se dissolve em pó e some no meio da água do banho.

Você se seca, fica novamente diante da máquina e programa uma camisola ou um roupão para dormir. Por enquanto a roupa líquida é uma exclusividade das heroínas da ficção científica. Como a moça da ilustração. Mas a ficção científica de hoje é a realidade de amanhã. Veja por exemplo o que aconteceu com as minissaias, a maioria das consultoras de moda vai dizer que a minissaia foi inventada nos anos de 1960 pela estilista inglesa Mary Quant. Errado, a primeira pessoa que usou uma minissaia foi a atriz Anne Francis, estrela do filme de ficção espacial “Planeta Proibido” de 1956.

A estilista do filme se chamava Helen Rose e nunca recebeu credito por sua criação. Não importa todo fã de ficção científica sabe que foi ela que inventou a minissaia e os minivestidos usados, hoje em dia, pelas mulheres do século 21. Altaira, a personagem da Anne Francis tinha um costureiro robô, Robby, que podia sintetizar qualquer roupa que ela imaginasse. Para impressionar seu namorado, o comandante do disco voador C-57D, Altaira pede um vestido curto cravejado de safiras. Robby responde: – Safiras levam uma semana para cristalizar, não servem diamantes ou esmeraldas?

Ninguém imaginava, no século passado, que as mulheres jovens do século 21 adorariam tatuar desenhos e figuras em seus corpos. O problema da tatuagem é que ela é fácil de fazer e difícil de tirar. No futuro a tatuagem deve ser substituída pela pintura corporal, que poderá ser feita por artistas robôs, como o Robby do Planeta Proibido.

A primeira heroína de ficção científica a usar uma pintura corporal foi a Tela Brown, do romance Ringworld, do escritor americano Larry Niven, por volta de 1971. Em 1985, coloquei uma pintura corporal na personagem Dafne, do meu romance “Padrões de Contato”. Logo depois a Rede Globo inventou a Globeleza e uma boa ideia futurista foi para o lixo. Não importa, o traje liquido promete ser imbatível.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

2 comentários

  1. Avatar

    As roupas auto-limpantes com nanotecnologia são ficção, mas estão virando realidade!
    No entanto, se a crise de água limpa continuar no planeta, o uso dessas roupas será imprescindível para a consevação do Planteta Terra!!!

  2. Avatar
    Anderson dos Santos Costa

    A ficção científica tem o poder de antecipar todas as tecnologias, mas não sabia que ela poderia antecipar até a moda!

Untitled Document