sexta-feira, 15 de novembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / Absurdos da Copa América

Absurdos da Copa América

Matéria publicada em 27 de junho de 2015, 07:00 horas

 


wp-coluna-entornando-o-papo-nelson-rodrigues-filho

Os dois cartões amarelos que o Neymar recebeu foram duas invenções dos juízes.
Sempre houve uma má vontade contra os brasileiros por parte dos juízes que apitam jogos da seleção envolvendo seleções sul americanas e nos Jogos da Libertadores.
Essa afirmação não é nenhuma patriotada e nenhuma novidade.
Apenas porque o nosso jogador retirou um pouco spray que o juiz usou para marcar o local da falta, ele recebeu o primeiro cartão na partida contra o Peru. No jogo seguinte, o da expulsão, o juiz deveria ter marcado pelo menos jogo perigoso no lance em que recebeu o amarelo. O zagueiro da Colômbia levantou o pé na cara, o Neymar que iria fazer o gol. No embalo, ele mandou a mão da bola. Mas a falta aconteceu antes. Ele foi caçado todo o jogo e o juiz nada.
Achei que, depois de tudo que ocorreu durante os noventa minutos, os jogadores brasileiros deveriam ter chegado junto ao craque de uma forma solidária. O Daniel Alves chegou, mas faltou também a solidariedade dos homens da comissão técnica e os que apareceram, só chegaram depois de o circo pegar fogo.
Mascherano, zagueiro da Argentina foi mais solidário. Ele destacou o absurdo de o Neymar sofrer cerca de vinte faltas, muitas delas indecentes, o juiz deixar rolar e aplicar o cartão no brasileiro por motivos fúteis.
E essa súmula? Duvido que seja isenta.
Ganhamos da Venezuela. Se tivéssemos perdido, teríamos que mudar de esporte nacional.
Os 2X1 foram muito pouco. Não apresentamos um esquema de jogo convincente.
Porém, jogar com 4 zagueiros no final da partida para assegurar a vitória, além de ridículo, é um absurdo inimaginável.
Ter ou não ter o Neymar não importava para termos enfrentado a brava Venezuela.
O Paraguai, segundo o Dunga, é muito forte no jogo aéreo.
Com quantos zagueiros jogaremos? Quatro ou mais?
O Vasco perdeu mais uma. Está na fase que tudo de ruim acontece. O segundo gol do Sport é um exemplo. A bola ficou pedindo me chuta, mas não saía do lugar até um jogador do líder enfiar o pé.
Celso Roth voltou a São Januário. Tem o perfil que técnico que nessa hora o Vasco precisa.
O Flamengo voltou à zona do rebaixamento. Porém deve sair rapidinho. O time vai mudar por completo com o Sheik e o Guerreiro.

Por Nelson Rodrigues Filho | nelson.filho@diariodovale.com.br


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document