domingo, 17 de novembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / ‘Avenida Brasil’: o sucesso voltou

‘Avenida Brasil’: o sucesso voltou

Matéria publicada em 11 de outubro de 2019, 07:00 horas

 


Diferentemente da Avenida Brasil – porta de entrada para a cidade do Rio de Janeiro, via que recebe atenção somente em períodos de eleições, e nos outros anos padece com pistas fechadas, falta de iluminação, sujeira, inundações, concentração absurda de usuários de drogas, além de assaltantes, é claro -, a novela do mesmo nome, exibida pela TV Globo, de 26 de março a 19 de outubro de 2012, no horário das 21h, foi campeã de audiência quase do primeiro ao último capítulo.
Tendo como principais atores: Adriana Esteves, Débora Falabella, Tony Ramos (que morre no primeiro capítulo), Murilo Benício, Marcos Caruso, José de Abreu, e mais um elenco gigantesco composto por 117 atores – se não for o maior elenco, está certamente entre os principais – uma telenovela brasileira que rompeu parâmetros de intensidade e ritmo, seduzindo a audiência com uma trama cheia de surpresas.
Foram 179 capítulos que cativaram o público ao longo de sete meses e que alçou a atriz Adriana Esteves, que viveu a personagem Carminha, ao patamar de vilã top do Brasil, ficando atrás, somente da indefectível e hors-concours Odete Roitman, de “Vale Tudo”, vivida pela já falecida atriz Beatriz Segall; ou ainda da “assassina da escada”, Nazaré Tedesco, de “Senhora do Destino”, interpretada pela atriz Renata Sorrah.
Mais do que encantar o grande público brasileiro, “Avenida Brasil”, escrita por João Emanuel Carneiro – auxiliado por um grandioso time de cinco nomes – e com direção primorosa de Amora Mautner, filha do cantor e compositor Jorge Mautner, ícone do Tropicalismo, na década 1960, e ainda Ricardo Waddington, a telenovela bateu recordes nos 140 países onde foi exibida, abrindo mais portas para a nossa teledramaturgia.
Dublada em 19 línguas, como espanhol, inglês, francês, polonês, árabe, grego, russo, entre outras, ela foi licenciada para mais de 50 países da África e do Oriente Médio. Durante todo o período de exibição no Brasil, a novela bateu constantemente os 40 pontos no Ibope, tendo chegado a 54 pontos, quando alguns capítulos traziam mais ação, sobretudo quando apareciam as personagens de Adriana Esteves e Débora Falabella, respectivamente Carminha e Nina.
E tanta audiência se transformou em lucro. De acordo com a revista Forbes, “Avenida Brasil” teria faturado cerca de 2 bilhões de reais, sendo, portanto, o maior faturamento já alcançado por uma produção do mesmo gênero. Todo esse enorme sucesso conquistou cerca de 46 milhões de telespectadores.
Curiosidades à parte, a atriz que viveria a personagem Carminha seria, inicialmente, Eliane Giardini; depois, o papel foi passado para a atriz Alessandra Negrini e, a seguir, para Malu Mader, mas acabou sendo interpretado por Adriana Esteves. Da mesma forma, Regina Duarte e depois Fernanda Montenegro foram convidadas para viver Mãe Lucinda, mas ambas declinaram do convite, ficando o papel com a magistral atriz Vera Holtz.

‘Avenida Brasil’: Novela quebrou recordes e consagrou o Brasil

Recordes

“Avenida Brasil” quebrou recordes e consagrou o Brasil como um país que sabe produzir grandes telenovelas, assim como acontece com os EUA quando o assunto é cinema. Sua exibição foi inovadora em alguns países. “Avenida Brasil” foi a primeira novela brasileira a ser exibida na Tailândia, além de ser uma das três primeiras reproduzidas no Vietnã, com dublagem em tailandês, vietnamita e no idioma local.
Passados sete anos de sua exibição no horário das 21h, no Brasil, a novela voltou ao ar nesta semana, na faixa vespertina “Vale a Pena Ver de Novo”, e começou emplacando 24 pontos de média, sendo a maior audiência de um capítulo inicial nesse horário, desde “O Rei do Gado”, reapresentada em 1999.
A abertura foi outro sucesso à parte. Criada sobre uma passarela semelhante às passarelas da Avenida Brasil, no Rio de Janeiro, a abertura contava com a participação de mais de 100 bailarinos e dançarinos, tendo ao fundo um grande telão de led, que buscava simular os faróis dos carros que passavam pela avenida. O tema “Vem dançar com tudo”, interpretado por Robson Moura e Lino Krizz, é uma adaptação feita a partir da música “Vem dançar kuduro”, interpretada por Lucenzo e Big Ali. Com seu refrão chiclete “oi-oi-oi”, acabou por se tornar um enorme sucesso, sobretudo na internet, com a reprodução da abertura, em que os faróis dos automóveis, em determinado momento, ficavam congelados, imortalizando algum personagem da trama.
Desde a primeira novela exibida pela TV Globo, “Ilusões Perdidas”, em abril de 1965, nunca houve uma produção tão marcante e inesquecível como “Avenida Brasil”. Bastou apenas uma pesquisa para se escolher a próxima atração a ser exibida no “Vale a Pena Ver de Novo”. O público pediu a volta do casal Nina e Jorginho – para alegria das tardes vazias das televisões brasileiras.

 

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document