quarta-feira, 8 de julho de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Ciência – Por Jorge Calife / Cassini sobrevive ao mergulho pelos anéis de Saturno

Cassini sobrevive ao mergulho pelos anéis de Saturno

Matéria publicada em 4 de maio de 2017, 12:08 horas

 


wp-cabeca-ciencia

A sonda espacial Cassini sobreviveu a primeira passagem pela perigosa região que fica entre os anéis e a atmosfera de Saturno. Viajando a uma velocidade de 124 mil quilômetros horários a sonda espacial poderia ser destruída se colidisse com uma das partículas que formam os anéis do planeta. Para minimizar os danos a nave fez a passagem usando sua antena parabólica de quatro metros de diâmetro como escudo. Como a antena não podia ser apontada para a Terra distante, a agência espacial Nasa passou 20 horas sem fazem contato com a nave-robô.

Atualmente os sinais de rádio levam 78 minutos para percorrer a distância entre Saturno e a Terra. Mas o contato foi restabelecido na hora programada e a nave pôde transmitir as fotos tiradas durante sua aproximação máxima com Saturno. As imagens mostram um enorme furacão girando na atmosfera do planeta e manchas brilhantes que podem ser relâmpagos. Como parte do programa Grand Finale a nave Cassini vai repetir essa manobra mais 21 vezes até o mês de setembro, quando cairá em Saturno, desintegrando-se na atmosfera do planeta gasoso. Na passagem da semana passada a sonda chegou a três mil quilômetros de Saturno e a apenas 300 quilômetros da borda visível do gigantesco sistema de anéis. Os anéis de Saturno são formados por partículas e blocos de gelo, alguns com o tamanho de uma casa o que coloca a nave robô em risco de ser destruída por uma colisão.

A agência espacial Nasa assumiu esse risco porque a Cassini está ficando sem combustível e terá que ser destruída para evitar uma queda nas luas de Saturno. O que poderia contaminar o ambiente desses mundos com bactérias da Terra. Por isso a nave será direcionada para penetrar na atmosfera de Saturno em setembro, queimando-se devido ao atrito com o ar. Durante o mergulho final a nave manterá sua antena parabólica apontada para a Terra, de modo a transmitir imagens até o último instante.

A Cassini custou três bilhões de dólares e foi lançada da Terra em 1998. Em 2004 a nave robô entrou em órbita ao redor de Saturno lançando a cápsula de pouso Huygens na superfície da lua Titã. Graças a Cassini ficamos sabendo que Titã tem lagos, mares, rios e chuva formada por gases liquefeitos, principalmente metano e etano. Na superfície desses mares gelados se formam estranhas ilhas de espuma que aparecem e desaparecem. O que levou a equipe da Nasa a classificá-las como “ilhas mágicas”.

A Cassini também descobriu que outra lua, Encelado, tem um oceano de água coberto por uma crosta de gelo. Das fendas nessa capa de gelo brotam vulcões de água quente que lançam vapor no espaço. Outra descoberta da missão Cassini foi uma formação gigantesca, em forma de hexágono no polo norte de Saturno. Sua origem ainda não foi explicada pelos cientistas. As descobertas feitas pela pequena nave robô superaram a imaginação dos escritores e cineastas da ficção científica.

No século passado, durante a produção do filme de ficção “2001: Uma odisseia no espaço”, o roteiro descrevia uma missão tripulada ao planeta Saturno. Mas o diretor do filme, Stanley Kubrick, teve que desistir da ideia devido a dificuldade de simular os anéis do planeta com os efeitos especiais da época. O roteiro foi modificado e a nave do filme foi redirecionada para o planeta Júpiter. O escritor Arthur C. Clarke, autor do roteiro, comentou em 2001 que foi a decisão certa, porque as missões da Nasa mostraram que Saturno e seus anéis são muito mais complexos do que se poderia imaginar em 1966, quando o filme foi produzido.

Os exobiólogos, que pesquisam a existência de vida fora da Terra, gostariam de enviar uma nova sonda para pousar na lua Encelado. Mas o orçamento atual da agência espacial americana não prevê nenhuma nova missão a Saturno no futuro próximo.

Surpresa: O furacão e as nuvens brilhantes de Saturno

Surpresa: O furacão e as nuvens brilhantes de Saturno

 

 

JORGE LUIZ CALIFE | jorge.calife@diariodovale.com.br


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Avatar

    Uma pena que a missão Cassini está chegando ao fim. Uma das mais bem sucedidas missões espaciais da história, que revolucionou nosso conhecimento sobre o planeta Saturno e seu sistema de luas. Suas fotos vão ilustrar os livros de ciências nas próximas décadas e inspirar as próximas gerações de engenheiros e escritores.

Untitled Document