quinta-feira, 21 de novembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / Coletivo Diletante faz sua estreia

Coletivo Diletante faz sua estreia

Matéria publicada em 17 de agosto de 2016, 08:00 horas

 


Direção do espetáculo ‘O que se leva da vida’ é de Bruno Carlos; apresentação será em setembro

wp-coluna-em-cena-joao-vitor-monteiro-novaes

Após uma oficina realizada no Centro Cultural Theóphilo Massad (CCTM), no Centro de Angra dos Reis, conduzida por Márcia Brasil, que assinou a direção do exercício de conclusão de curso junto de Bruno Carlos, um grupo de jovens artistas deu prosseguimento a pesquisa artística e após alguns meses farão a estreia do espetáculo “O que se leva da vida”.

– Gostei dos poucos encontros que eu tive com o grupo, então, após um mês, abri audição para a segunda montagem do projeto, e entramos em processo em busca de textos e informações transformando a linguagem do espetáculo em uma linha mais contemporânea e madura, mas sem perder a ideia principal – relembra o diretor Bruno Carlos.

A partir de jogos e exercícios teatrais o grupo busca contar histórias dentro da temática da vida, utilizando situações simples do cotidiano, e usando de dramaturgias consagradas como a de Gil Vicente, Adriana Falcão e Luiz Fernando Veríssimo. Propondo um novo olhar sobre esses textos o grupo busca uma reflexão e questionamento sobre o teatro.

– O meu incômodo para criar esse projeto, primeiro foi a minha volta a fazer teatro após três anos distante, depois experimentar durante um processo com pessoas que se permitiram. Isso me fez querer fazer um espetáculo que pudesse ter uma linguagem popular, um espetáculo feito para aqueles que vivem nessa cidade e que nem sempre frequentam o teatro, e que nós do meio nos perguntamos, porque poucos vão ao teatro? Acho que temos que pensar o que está sendo apresentado, se é um espetáculo feito só para quem é do meio artístico ou é um espetáculo feito realmente para essa plateia que tanto queremos ver se emocionando, se divertindo, se vendo no palco, e poder sair dali pensando nas situações simples do cotidiano que será apresentada de uma forma leve e divertida – destaca o diretor.

A direção do espetáculo é de Bruno Carlos, e o elenco conta com Beatriz Novaes, Brenda Rodrigues, Felipe Santana, Gabriel Vasconcelos, Jamile Lisboa, Júlia Mello, Juliane Bullé, Juliette Lima, Matheus Assis, Paloma Amorim e Renato Romero. A preparação corporal é de Alessandra Lemos, a iluminação fica por conta de Bruno e Camila Rocha, o levantamento teórico foi realizado por Alexandre Francisco.

As atrizes Juliette Lima e Juliane Bullé afirmam que o processo está sendo um aprendizado constante.

– Está sendo incrível. Cada ensaio aprendo coisas diferentes, me solto mais, arrisco coisas que nunca tinha arriscado em outros trabalhos. Sinto que depois desse trabalho vou ser uma atriz melhor – fala Lima. Bullé afirma que “foi um processo para nos encontrarmos como atores e personagens, temos alguns questionamentos que nos guiam para chegar no melhor resultado. Será um espetáculo de excelência”.

O espetáculo ficará em cartaz nos dias 3 e 4 de setembro, às 20h, no CCTM. O ingresso custa R$ 10 e pode ser adquirido no dia do espetáculo.

Setembro: Atores do espetáculo ‘O que se leva da vida’ estão ansiosos para estreia (Foto: Luciano Araújo)

Setembro: Atores do espetáculo ‘O que se leva da vida’ estão ansiosos para estreia (Foto: Luciano Araújo)

Artista angrense se apresenta em praças da cidade

A criançada que foi à Praça Amaral Peixoto (Praça do Porto) na manhã do último sábado, dia 13, pôde se divertir muito com o palhaço Picolé, que fez várias brincadeiras, jogos e também colocou muita música para crianças e adultos dançarem.

Glauter Barros, que interpreta o Picolé há mais de 28 anos, além de palhaço também é contador de histórias e se apresentará na próxima terça-feira (23 de agosto) na Praça General Osório (Pracinha do Carmo), Centro de Angra, em dois horários: às 10h30 e 14h30. Muitos contos do folclore brasileiro, brincadeiras de “o que é, o que é?” e histórias do CD “No tempo em que os bichos falavam…”, lançado pelo artista angrense em 2011, farão parte do repertório dessas apresentações gratuitas oferecidas à população.

Essas apresentações fazem parte da programação do “Agosto Cultural – Diálogo entre culturas”, que é organizado pelo terceiro ano consecutivo pela Fundação Cultural de Angra dos Reis (Cultuar). São várias atividades – lançamento de livros, peças teatrais, espetáculos de dança, exposições de fotografias, artesanato, artes plásticas – que acontecem nos espaços culturais: Casa de Cultura Poeta Brasil dos Reis, Centro Cultural Constantino Cokotós (Vila do Abraão – Ilha Grande), Convento São Bernardino de Sena, Museu de Arte Sacra, Centro Cultural Theophilo Massad (Teatro Municipal), Casa Larangeiras, além de eventos em escolas públicas, praças e ruas em vários bairros de Angra. A maioria dessas apresentações é de graça.

 

Em Angra dos Reis: Glauter Barros como o palhaço Picolé divertindo as crianças (Foto: Divulgação)

Em Angra dos Reis: Glauter Barros como o palhaço Picolé divertindo as crianças (Foto: Divulgação)

 

JOÃO VITOR MONTEIRO NOVAES  | joao.vitor@diariodovale.com.br


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document