terça-feira, 17 de setembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / Cuidado com o que você escreve nas redes sociais, isso pode virar prova contra você!

Cuidado com o que você escreve nas redes sociais, isso pode virar prova contra você!

Matéria publicada em 1 de setembro de 2019, 10:00 horas

 


Você já ouviu a expressão: “todo cuidado é pouco”? A internet não é uma terra sem lei e a chance de você ser desmascarado ou até mesmo ter o seu negócio prejudicado é grande

Você toma cuidado com tudo que escreve em suas redes sociais? Ou você é aquela pessoa que manda no WhatsApp o que bem entende sem medir palavras, grava áudios comprometedores sem se preocupar com nada, usa o Facebook para postar o que quer e os stories para encher as pessoas de indiretas achando que ninguém vai perceber. Na verdade, você se considera uma pessoa cibernética controlada ou uma pessoa sem noção que acha que pode tudo e que nunca ninguém vai descobrir suas artimanhas.
Facebook, Twitter, WhatsApp, Instagram e todas as outras redes sociais são ótimas ferramentas de comunicação. Afinal, elas nos ajudam a conectar com pessoas do mundo inteiro. Apesar de serem ótimos canais para fazer network e expandir sua comunicação, muitas pessoas não sabem administrar bem suas redes sociais. É por isso que é importante tomar alguns cuidados .
Vou contar aqui a história de dois amigos há mais de 10 anos, que foram vítimas de fofocas infundadas e a amizade só não chegou definitivamente ao fim porque um deles que desconfiado das atitudes de pessoas “má intencionadas” começou a juntar provas através das redes sociais para por um fim na fofoca e voltar a amizade de anos.
Eles contaram que devido à primeira fofoca, um deles que já não estava muito bem aproveitou o momento e se afastou. Os caluniadores vendo a oportunidade de se darem bem dos dois lados, até porque os amigos são pessoas influentes, começaram ali a fazer leva e traz e colocá-los ainda mais um contra o outro. Os meses foram se passando e a amizade chegou ao fim, porque todos os dias jogavam mais lenha na fogueira para afastá-los do que para ajudar a resolver o problema.
Aí começou o trabalho de uma das partes com o objetivo de resolver o mal-entendido. Ela contou que quando começou a perceber que essas pessoas falavam mal de seu “ex-amigo” e depois o elogiavam nas redes sociais e saiam juntos , começou a receber e juntar provas de todos os lados, como conversas de whatsApp, Facebook, Messenger, áudios e até gravações através de gravador profissional para poder montar um dossiê e provar de quem era a mentira.
O mais bacana dessa história é que quando ela chegou com as provas, o ex-futuro-amigo também estava lá com as provas dele e tudo que as pessoas “má-intencionadas” falavam de um para o outro.
Os que tentaram prejudicar e foram descobertos, percebendo que o plano deles poderia dar errado, e ainda tentaram disfarçar, mas não gostaram muito do “tom” do que foi dito para eles, e entenderam que nada que fizessem iria atrapalhar mais os dois.
O amigo reconhece que errou e que não deveria ter acreditado em QUALQUER UM, mas todo mundo erra certo? A sorte é que eles puderam utilizar bem os recursos das redes sociais para a verdade prevaleça.
Hoje, a justiça aceita como provas as redes sociais para solucionar inúmeros processos e até elucidar crimes. Então tenham cuidado com o que anda escrevendo por aí, porque isso tudo pode virar contra você.
Aproveitem suas redes para espalhar o bem, a amizade, fotos engraçadas, para realizar negócios, para dizer bom dia, que ama e para pedir perdão. Pode demorar o tempo que for, mas o bem, ahhhh o bem, ele sempre vai prevalecer!


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

2 comentários

  1. Avatar
    Paulo Roberto de Andrade Gomes

    …com as provas dele e tudo que as pessoas “má-intencionadas” falavam de um para o outro, Boa tarde, Doutora, é mal e não “má”. Quanto ao artigo teu, na minha ótica é intimidatório.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document