sábado, 15 de junho de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / E a baleia morre lentamente

E a baleia morre lentamente

Matéria publicada em 7 de junho de 2019, 07:34 horas

 


Analogia do ministro mostra o estado catastrófico do Brasil

Duas pesquisas divulgadas na semana passada mostram bem o estado catastrófico em que se encontra o nosso infeliz Brasil. A primeira é o “Atlas da Violência”, produzido pelo IPEA, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Segundo o IPEA só no ano passado 65.602 brasileiros morreram assassinados, sendo 70% dos crimes com armas de fogo. São 169 assassinatos por dia, sendo 13 de mulheres. São números de um país em guerra, só a Síria tem números semelhantes. Os estados líderes da violência são o Ceará, Acre e Pernambuco, mas nos outros a situação não é muito melhor. Aquela história do povo pacífico e cordial, do país abençoado por Deus soa hoje como piada, e de mau gosto.

No meio ambiente a situação também é catastrófica e só piora com o novo governo. O desmatamento aumentou 34% e uma área equivalente a dois campos de futebol é desmatada por minuto. Só nas áreas protegidas, onde a derrubada das árvores devia ser proibida, foram destruídos 953 mil hectares. O equivalente a seis cidades de São Paulo. Os dados são do Inpe, o Instituto de Pesquisas Espaciais de São José dos Campos, que monitora o desmatamento com fotos de satélites.

Diante dos números, a reação do ministro do meio ambiente, Ricardo Salles, foi duvidar dos dados do Inpe. Dizendo que vai contratar uma empresa particular de monitoração, é uma estratégia copiada do governo Trump, lá nos Estados Unidos. Se os dados de uma pesquisa científica contrariam os interesses do governo a solução é desacreditar os pesquisadores e encomendar uma pesquisa com resultados devidamente maquiados. Mas não dá para esconder a realidade. Nosso clima esta mudando rapidamente e aqui na região sudeste, onde tínhamos um clima temperado, e já convivemos com temperaturas de deserto. Onde faz calor durante o dia e gela durante a noite.

Toda essa deterioração crescente do Brasil me lembra um romance da década de 1970. “Não verás país nenhum” que o escritor Ignácio de Loyola Brandão escreveu em plena ditadura militar. Desafiando a visão do “Brasil grande” apregoada pelos generais presidentes. No livro o escritor imagina o colapso final da terra de palmeiras e sabiás. Com a Amazônia transformada num deserto e o Sol matando pessoas no meio da rua aqui no sudeste. Na época era ficção científica, hoje esta perto da realidade.

A floresta tropical é muito frágil e se perder uma área critica, que alguns pesquisadores calculam como sendo uns 40%, ela morre. E como o solo é pobre, sem as árvores ele é varrido pelas chuvas e a região toda vira um deserto. Já comentei aqui nesse espaço que é a floresta amazônica que impede que a nossa região sudeste seja um deserto como o Kalahari na África e o grande deserto australiano. Que ficam na nossa latitude.

O governo vive nas nuvens, como de costume. Não se importa se o poder fica com a esquerda ou com a direita, a turma lá em Brasília vive numa grande ilha da Fantasia. Basta olhar para a proposta do Bolsonaro de transformar Angra dos Reis numa versão brasileira da Cancun mexicana. E isso num momento em que os moradores de Angra estão vendendo suas casas e se mudando por causa dos tiroteios frequentes. Não é muito diferente do governo Dilma, que organizou uma Copa do Mundo e uma Olimpíada enquanto o país mergulhava numa das piores recessões de sua história.

E eles acham que vão reverter tudo isso com uma reforma da previdência. Num momento infeliz, durante uma audiência na Câmara dos Deputados, o ministro da Economia, Paulo Guedes comparou o Brasil a uma baleia ferida encalhada na praia. Acontece que uma baleia nessa situação não se recupera mais. Ela agoniza e morre.

Enquanto isso o povo está mais preocupado com o Neymar, se ele vai ou não jogar na Copa América.

Tiroteios: 169 assassinatos por dia.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

10 comentários

  1. Avatar
    Escritório do crime

    A violência em nosso país é muito maior que os dados explanam,82 mil pessoas simplesmente desapareceram ano passado,sabendo do modus operandi dos criminosos atuais ,de se não há corpo não chama atenção da mídia e ou polícia,somos campeões neste quesito criminal

  2. Avatar

    Rumo ao precipício, indubitavelmente…

  3. Avatar

    Esse Calife só publica asneiras. Ridículo.

  4. Avatar

    curiosamente, analisando o mapa da violência no Brasil, os estados com maiores índices (nº de mortes/100.000 habitantes) são governados pelos corruPTos. todos apresentam índices crescentes. são contra a flexibilização da posse de armas, são contra tudo isso que aí está. curiosamente, também, são os mais críticos do atual governo

    • Avatar

      Pelo seu desconhecimento básico da língua portuguesa a qual não se começa um frase c letra minúscula, se deduz q és eleitor do Bozzo. Se não cpnsegues nem se expressar no seu idioma nativo, q dirá sobre política…..

    • Avatar

      geninha, não inicio nenhuma oração com letra maiúscula por opção! já o seu texto é lamentável, ridículo: é incoerente, precário, pontuação bizarra, palavras incompletas. um caos! muito de acordo com sua aparente opção política. acredito até que você teve aulas com a dilmanta!

    • Avatar

      Que tal voltares para o ensino supletivo ? Há bons mestres em língua portuguesa em Volta Redonda e Barra Mansa…… É sempre bom aprendermos o q não sabemos.

    • Avatar

      Tipico de esquerdinha manipulada e sem argumentos. Quando não tem capacidade de refutar um fato, ficam nessa de ” aih escreveu errado” kkkk. A idiota defende um bandido condenado por tê-la roubado, mas os outros é que são palhaços kkkkkk

    • Avatar

      Oooooooo Gutinho, a sua mediocridade beira ao pueril kkkkkkkk. Tu és maior pé frio, seus ídolos já caíram e os novos ídolos estão se deteriorando, o “paladino da justiça” já está c o pescoço na forca, e o ser mitológico só está aguardando o Queiroz kkkkkkkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document