quinta-feira, 19 de setembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / Educação que anda para frente

Educação que anda para frente

Matéria publicada em 25 de maio de 2019, 11:31 horas

 


Coluna de hoje vai tratar sobre métodos de ensino

Falar sobre práticas de metodologias ativas de ensino implica em perceber o quanto a educação evoluiu. Quando o ensino a distância foi inserido às universidades já havia estudos comprovando que o modelo padrão de ensino deveria ser melhorado. Para tornar os estudos mais efetivos a metodologia ativa conta com estratégias de ensino que colocam o aluno como protagonista, responsável por seu próprio aprendizado.
Esse novo método de educação faz com que o aluno esteja comprometido com o aprendizado e permite ainda atualizar e aperfeiçoar, constantemente, as táticas utilizadas. Além de criar uma parceria entre o professor e o aluno.
O mais interessante sobre esta prática de ensino é que elas tiram, efetivamente, o aluno da situação antiga e tradicional, em que o estudante fica sentado, passivamente, diante de um indivíduo, neste caso o professor, que representava todo o saber. Quase como uma enciclopédia ambulante.
A metodologia ativa não tem limites. A criatividade é a matéria prima para o planejamento de aula nessa metodologia, que faz com que os alunos interajam com o tema da aula trocando experiências e conhecimentos.
A influência da tecnologia e do ensino a distância tem estimulado instituições a buscarem novas técnicas. O método convida os alunos a terem um outro posicionamento diante da educação, assim como os professores. Sala de aula invertida, uso de aplicativos, jogos, atividades lúdicas, com o objetivo do desenvolvimento do aluno, são exemplos de metodologias ativas.
Uma pesquisa foi realizada na Finlândia, sobre o método de ensino utilizado, que colocou o país entre os maiores índices de educação do mundo. O método consiste na substituição das aulas tradicionais por projetos temáticos, nos quais os alunos se apropriam do processo de aprendizagem, em vez de adquirir conhecimentos isolados sobre matérias diferentes.
Nesse novo cenário o professor deixa de ser aquele detentor do saber, até porque, hoje, o maior detentor do saber é o Google, e passa a ser um mediador do conhecimento. Na realidade, a metodologia ativa encontra, muitas vezes, resistências nos professores e nos alunos. O que essas pessoas não percebem é que investir nessa técnica significa um novo salto na educação do país.

Mais a fundo
Sandro Ribeiro, professor e pesquisador, explica que existem formas de abordagens docentes que corroboram com os conceitos de metodologias ativas, e as identifica como métodos utilizados por professores para buscar a participação direta do estudante no processo de aprendizagem.
– Qualquer método que tire o estudante da posição passiva é uma metodologia ativa. Quando o professor provoca no estudante a vontade de discutir sobre o assunto, fazer algo sobre o que está sendo tratado. Ao invés do estudante ficar só ouvindo e vendo algo sobre aquele assunto. Levar o estudante a discutir sobre, fazer algo sobre, perguntar algo sobre. Esse é o grande desafio do docente – detalha Sandro.
Existem várias formas de utilizar as metodologias ativas em sala de aula, mas é preciso levar em consideração a infraestrutura, a instituição e os discentes para adaptar da maneira mais proveitosa. Sandro destaca, como exemplos, a aprendizagem baseada em problemas, a sala de aula invertida, a aprendizagem por pares e a aprendizagem baseada em times.
Embora essa metodologia seja mais comum na educação infantil, fase onde os alunos têm uma relação de ensino mais próxima do “fazer”, agora se estende por todos níveis de ensino, até a pós-graduação, segundo Sandro.
– Em educação as coisas acontecem em um ritmo diferente, e já há alguns anos estamos vivenciando a imersão de várias abordagens ativas para que a aprendizagem, como a neurociência comprova, aconteça efetivamente – disse o professor.
As metodologias ativas já vêm influenciando fortemente a educação no Brasil, segundo Sandro. Ele destaca ainda que a intenção não é que as abordagens ativas sejam hegemonia. A ideia não é substituir o método tradicional, mas complementar.
– O método tradicional que é muito importante, historicamente, para que nós possamos nos apropriar de várias informações. O método transmissivo veio dando certo, pelo menos para uma parte de nós. Porém, a educação é um direito de todos, dever do estado e da família. Nós começamos a perceber que só o método tradicional não dava conta, visto que ele acaba sendo muito exclusivo. As metodologias ativas chegam para colaborar com o método tradicional, uma parceria – esclarece Sandro.
O professor lembra que em todos os países e em todos os níveis de aprendizagem, da educação infantil até a pós-graduação, o método mais comum é o tradicional, também conhecido como método transmissível. Onde o estudante recebe o máximo de informação possível e memoriza essas informações, para, em seguida, durante um teste ou uma prova o aluno reproduzir aquilo que o professor transmitiu, recorda Sandro.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

3 comentários

  1. Avatar

    O detentor do saber é o google? Putz!

    A busca do google como do Explore é nada mais que assuntos inseridos nos navegadores que podem ser verdades ou não verdadeiros que só depende de pagamentos ou dos acessos.

    Se o Dv não inserir essa matéria na internet, os navegadores não acharão na busca. Agora uma vez insirido e ninguem acessar, então dificilmente essa matéria será lida por um internauta. Ao menos eu não vou paginar 10 ou 20 vezes para encontrar. A não ser que o DV pague para aparecer na frente.

    No metódo de sucesso da Finlância não é inédito. O melhor aprendizado é aquele experimentado, exercitado e isso a Finlãncia experimentou. Os professores brasileiros acham que estão instruindo um estudante estando na frente dele e ministando as aulas obrigandos-os a ficarem passivos. E depois cobram na prova.

    Eu tive uma professora que sempre estava nos desafiando dia após dia com questões realacionadas a sua disciplina. Se hoje a Prof. A… não aparecia com um desafio, amanhã era certo um desafio simples e alguns raros desafios complicados. Não conheço nenhum estudante que fica reprovado com ela. Uma vez pergunei a ela de onde tirava tantas questões. Ela respondeu que tirava das provas ja corrigidas. As vezes nem lia o que estava distribuindo.

    Por outro lado tive professor (a maioria) que nos entornava de livros e artigos com centenas de paginas para estudos, e na prova cobrava 5 questões com duas discursivas. As discursivas valendo metade dos pontos (Uma covardia, Acho). E avisava: se aparecer qualquer linha plagiada é ZERO em toda a prova. kkkk rindo de nervoso que ficava. Conheço um monte de amigos que ficou reprovado e outro tanto que se evadiu com esse professor.

  2. Avatar

    Faz uma matéria sobre bullying na escola.

    Tá demais!

    Sem contar que antes se uma criança tinha um talento ,as outras crianças admiravam, hoje elas ficam com raiva e inveja da criança…

    Seja talento no futebol, na matemática, em desenhar…

    Muito estranho!!!

  3. Avatar
    Educação por parte dos políticos

    Educação é respeitar o próximo.

    Educação é o bem comum prevalecer sobre particulares.

    Nós dos bairros Belvedere, Casa de Pedra, Vila Rica, Tiradentes, Roma , sofremos com a falta de educação do Sr Prefeito e do Sr dono da obra na rodovia dos metalúrgicos.

    Por eles estamos sem água de beber, água de descarga, água de cozer, água de lavar…

    Com crianças, idosos e trabalhadores…

    Um desrespeito uma falta de Educação e consideração.

    Sem contar o direito de ir e vir da cidade inteira que pega a rodovia rumo a Dutra e aos hospitais Unimed e Regional

Untitled Document