quarta-feira, 8 de julho de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Ciência – Por Jorge Calife / Está faltando uma estrela no céu

Está faltando uma estrela no céu

Matéria publicada em 8 de junho de 2017, 07:00 horas

 


Astro desapareceu e pode ter virado um buraco negro; era uma estrela bem grande, 25 vezes maior do que o nosso sol

wp-cabeca-ciencia

Astrônomos americanos estão procurando por uma estrela que sumiu. Mas não se preocupe, não vai fazer falta no céu estrelado que podemos ver a noite. A estrela desaparecida ficava na galáxia espiral NGC 6946, conhecida popularmente como “galáxia dos fogos de artificio”. Ela fica a 22 milhões de anos luz da Terra e só pode ser vista com telescópios. A teoria mais aceita é de que a estrela desaparecida se transformou em um buraco negro. Mas isso contraria a teoria mais aceita sobre a formação de buracos negros. Até aqui se acreditava que o processo envolvia uma gigantesca explosão, chamada de supernova. No caso da N6946-BH-1 essa explosão não foi observada e a estrela simplesmente sumiu.
E era uma estrela bem grande, 25 vezes maior do que o nosso sol. Em 2007 ela aparecia bem nítida em uma foto tirada pelo telescópio espacial Hubble. Mas em 2015, quando o Hubble voltou a fotografar a mesma região da galáxia fogos de artifício, a estrela tinha sumido. Para verificar se ela não estava simplesmente escondida atrás de uma nuvem de poeira a equipe do Hubble pediu ajuda aos cientistas que operam outro telescópio espacial, o Spizer, que é sensível a radiações infravermelhas. Ele poderia enxergar a estrela perdida se ela estivesse simplesmente oculta atrás de um véu de poeira.
Mas o Spizer não detectou nada. Agora a busca passou para o telescópio Chandra, que observa o universo com olhos de raios X. Os discos de matéria incandescente, que envolvem os buracos negros, emitem raios X devido a alta temperatura. Se o Chandra detectar raios X vindo daquela região teremos a confirmação de que a estrela gigante desabou sobre si mesma e virou um buraco negro de onde nem a luz pode escapar. Ano que vem a Nasa vai lançar ao espaço o telescópio James Webb, sucessor do Hubble, que também vai tentar localizar os vestígios da estrela perdida.
De qualquer forma os astrônomos vão ter que rever suas teorias sobre a formação de buracos negros. Parece que nem sempre eles envolvem a explosão de uma supernova. É possível que a estrela se transforme em buraco negro sem passar pela explosão. Em 2009 a equipe do Grande Telescópio Binocular, situado no Arizona detectou um pequeno aumento de brilho na estrela perdida. Eles ficaram esperando pelo brilho intenso da supernova, mas isso não aconteceu e a estrela simplesmente sumiu.
Ouvido pelo site Space.com, o astrônomo Christopher Kochanek, da universidade de Ohio, diz que isso explica porque não vemos estrelas gigantes virarem supernovas. Elas passam direto para o estagio de buraco negro. A descoberta tem várias implicações estranhas. Pensava-se que qualquer planeta orbitando uma estrela gigante seria destruído quando ela explodisse como supernova. Se a estrela vira buraco negro sem explodir, ainda podem existir planetas orbitando o buraco negro, como foi mostrado no filme de ficção científica “Interestelar” de 2014.
No filme os tripulantes da nave Endurance usam a gravidade de um buraco negro galáctico para acelerar sua nave em direção a um mundo habitável. Mas esse truque só pode ser feito com os buracos negros galácticos, com massa de milhares de sóis. Um buraco negro pequeno, como o que se forma durante a implosão de uma estrela, produz marés gravitacionais mortais para qualquer um que se atreva a se aproximar deles. É o chamado efeito de espaguetificação onde a gravidade estica a matéria até transforma-la em fios semelhantes aos de espaguete.
De qualquer forma o buraco negro mais próximo encontra-se a milhares de anos-luz e ainda vai levar séculos para a humanidade adquirir a capacidade de navegar pelo espaço interestelar e chegar perto de um objeto desses.

CIENCIA

Desaparecida: Fotos tiradas em 2007 e 2015 constatam o sumiço da estrela
(Foto: Divulgação)

JORGE LUIZ CALIFE | jorge.calife@diariodovale.com.br


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Avatar

    A ciência é realmente fascinante, pois uma descoberta que contraria a teoria anterior obriga os cientistas a pensar em uma nova forma de explicar aquele fenômeno. E assim o conhecimento avança, pois a realidade é soberana.
    Diferente dos dogmas da esquerda, cujas teorias sociais e econômicas só resultam em miséria, violência e colapso econômico, e até hoje eles tentam saber o que há de errado com a realidade.

Untitled Document