segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / Grupos de Angra na FITA 2018

Grupos de Angra na FITA 2018

Matéria publicada em 19 de setembro de 2018, 08:00 horas

 


Nesta semana, durante a 13ª FITA – Festa Internacional de Teatro de Angra dos Reis, atores do município irão apresentar seus trabalhos. Apenas dois espetáculos locais fazem parte da Mostra Cult, uma das categorias presentes no evento, onde as peças se apresentam no Centro Cultural Theóphilo Massad, especificamente no palco do Teatro Municipal de Angra dos Reis, localizado no prédio do Centro Cultural.
Mesmo havendo apenas dois núcleos teatrais nessa categoria, é importante ressaltar e convidar aos moradores locais que prestigiem esses espetáculos, valorizando os artistas da cidade, e saiam de lá com o pensamento de assistir mais as produções da cidade fora da programação da FITA.

Grupo Artêros
O Grupo Artêros com quase cinco anos de trabalho, estará novamente na FITA com o trabalho Borra de Café.
A apresentação do grupo acontece no dia 21 de Setembro, as 21h45 e retrata o confronto entre pessoas que se veem presos ao convívio. A peça retrata a história de pessoas que enquanto tentam desesperadamente sair da situação em que se encontram e recuperarem os fragmentos de si mesmo que se perderam em meio ao caos, sentimentos e recordações vão sendo revelados. Em Borra de Café, o Grupo Artêros mescla teatro, performances e música para viver e contar a história de seis pessoas intensas e complexas que chegaram na linha final e vivem um paradoxo em busca da redenção.
Foto: Divulgação

As Malditas
O segundo espetáculo na Mostra Cult é a comédia As Malditas, Texto de Saulo Queiroz e direção de Adrén Alves. No elenco os atores Júnior Dantas e Maykon Renan, que retornam a cidade com o espetáculo que foi indicado ao prêmio de comédia de Fábio Porchat.
A peça é baseada na relação entre duas irmãs: Margarida e Rosa. A primeira, uma analfabeta, viúva, pobre e fanática por religião; a segunda, uma professora universitária aposentada, apreciadora de música clássica e paralítica. O diálogo começa com trivialidades entre as personagens. O enredo torna-se mais denso, com cada personagem esmiuçando seus dramas e expectativas frustradas na vida. As duas evidenciam a dualidade drama/comédia presente o tempo todo no espetáculo. Até que o destino fez a desfeita de uni-las sob um mesmo teto. Numa convivência em pé de guerra, as duas lavam a roupa suja no palco, para o deleite da plateia.
Foto: Divulgação


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document