quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / Mais um vexame brasileiro

Mais um vexame brasileiro

Matéria publicada em 7 de agosto de 2018, 08:02 horas

 


Roubo da medalha Fields lembra o caso da taça Jules Rimet

Vergonha: A Fields foi roubada no Riocentro

Quando a gente pensa que o Brasil já chegou ao fundo do poço, sempre aparece alguém para colocar o nosso triste país num ponto ainda mais baixo. Semana passada, num fato inédito em toda a história, roubaram a medalha Fields, entregue ao matemático iraniano Caucher Birkar durante o Congresso Internacional de Matemática no Rio de Janeiro (ICM). A medalha é entregue aos maiores destaques da matemática mundial desde que foi criada em 1936. E nunca tinha sido roubada. Os congressos são realizados de quatro em quatro anos, desde 1950, sempre em países do hemisfério norte.
Só que este ano resolveram colocar o ICM num país do hemisfério sul, pela primeira vez. Podiam ter escolhido a Austrália, mas resolveram fazer no Brasil. Talvez porque um matemático brasileiro, Artur Avila, tenha recebido a Fields em 2014 (Ele foi o primeiro latino-americano a receber a honraria). Este ano os ganhadores foram o italiano Alessio Figalli, o alemão Peter Scholze, o indiano Akshay Venkatesh e o curdo, de origem iraniana, Caucher Birkar. Birkhar se distraiu, deixou a bolsa com a medalha de ouro em cima da poltrona na plateia, e quando procurou, não encontrou mais nada.
Foi uma falha grave na segurança, claro. Só poderiam entrar no auditório do Riocentro pessoas com credencial ou a pulseira do evento. Os dois ladrões, flagrados pelas câmeras de segurança, passaram sem crachá e nem pulseira. Podia ter sido pior, imaginem se eles resolvessem assaltar todos os presentes ali mesmo. Cada medalha Fields é feita de ouro 14 quilates e o laureado também recebe um premio de 15 mil dólares. A organização do evento ainda tem esperanças de que a Fields não tenha sido derretida, como aconteceu com a taça Jules Rimet.
Organizar congressos científicos no Rio de Janeiro tem sido uma opção arriscada desde a década de 1980. Lembro de um congresso de física, em 1989, onde um prêmio Nobel foi assaltado em Copacabana. Em 1990 eu trabalhava num jornal do Rio, quando a União Astronômica Internacional resolveu fazer sua convenção anual no Brasil. Temendo pela segurança dos cientistas a organização do evento realizou o encontro num hotel isolado, entre Angra dos Reis e Paraty. Naquela época a Costa Verde ainda era um lugar tranquilo, não tinha esses tiroteios e assaltos de hoje em dia. Não lembro o nome do hotel, mas era um lugar lindo e passei três dias lá, cobrindo as últimas novidades no espaço sideral.
Entre as palestras e apresentações de trabalhos os convidados eram levados para passeios de barco pelas ilhas da baía de Angra. Além da ausência de bandidos, também não tinha febre amarela naquele tempo e a reunião foi um sucesso. Não me esqueço de uma astrônoma americana que andava estudando uma galáxia na constelação do sextante. Que ela chamava de Sextans, com ênfase no sex! E da turma que tinha colocado um telescópio ultravioleta a bordo do ônibus espacial da NASA.
Hoje em dia não dá para pensar num evento semelhante naquele local. O hotel a beira mar, com cais e tudo seria um alvo fácil para essas quadrilhas que atacam de barco. A costa brasileira já é um dos pontos conhecidos de pirataria no mundo. Outra opção que já foi considerada segura é o nordeste. Lugares como Natal e Fortaleza viraram alvos de quadrilhas que agem impunemente, queimando ônibus, metralhando delegacias e prédios públicos.
Por medida de segurança acho que o único lugar recomendável, no Brasil atual, para a realização desses eventos é a ilha de Fernando de Noronha. Que fica isolada lá no meio do Atlântico. Qualquer outro lugar implica num risco considerável. O roubo da Fields foi um grande vexame, mas pelo menos todos os participantes saíram ilesos.
Podia ter sido pior.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

8 comentários

  1. Esse país não tem jeito.

  2. Sim não foi roubo. Foi furto. Mas o texto tem essência. Soube transmitir o problema. Parabéns.

    • Roubo mediante violência ou ameaça
      Furto não há ameaça ou violência
      Algo técnico, como latrocínio e homicídio…
      Na dúvida tem dicionário jurídico na internet…
      Mas a população não sabe…
      Assim como dizem que a criança foi ” roubada”…

  3. Só pra exclarecer, NÃO foi ROUBO foi FURTO…
    Longe de mim defender BANDIDOS ( pra isso já temos o GILMAR MENDES do STF), mas o cara ganhar um prêmio desses e deixar JOGADO em uma bolsa sobre uma cadeira…
    Wle caiu aqui de PARAQUEDAS…???
    NÃO ACOMPANHA OS NOTICIÁRIOS…???

  4. Cadê os milicos no Rio ?

  5. A pena para este gatinho deveria ser aplicada lá no Iram.pois iam cortar o saco deste maldito.e mandar para o Talibam fazer a festa.só neste maldito Rio de Janeiro é que acontece isto…..

  6. Esse tipo de ladrão, que surrupia coisas valiosas dos outros, não costuma ser violento. Se ainda não foram presos, já deviam ter espalhado retratos baseados nas imagens que divulgaram.
    Ilha de Fernando de Noronha? É por mar que chegam os piratas. Eles ainda existem, modernizados.

  7. Que país é esse?

    Que país é esse?
    Aonde medalhistas tem suas medalhas arrancadas a força…
    Mas uma coisa não se toma a força, o conhecimento.

Untitled Document