ÔĽŅ Mais um vexame brasileiro - Di√°rio do Vale
quarta-feira, 15 de agosto de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / Mais um vexame brasileiro

Mais um vexame brasileiro

Matéria publicada em 7 de agosto de 2018, 08:02 horas

 


Roubo da medalha Fields lembra o caso da taça Jules Rimet

Vergonha: A Fields foi roubada no Riocentro

Quando a gente pensa que o Brasil já chegou ao fundo do poço, sempre aparece alguém para colocar o nosso triste país num ponto ainda mais baixo. Semana passada, num fato inédito em toda a história, roubaram a medalha Fields, entregue ao matemático iraniano Caucher Birkar durante o Congresso Internacional de Matemática no Rio de Janeiro (ICM). A medalha é entregue aos maiores destaques da matemática mundial desde que foi criada em 1936. E nunca tinha sido roubada. Os congressos são realizados de quatro em quatro anos, desde 1950, sempre em países do hemisfério norte.
Só que este ano resolveram colocar o ICM num país do hemisfério sul, pela primeira vez. Podiam ter escolhido a Austrália, mas resolveram fazer no Brasil. Talvez porque um matemático brasileiro, Artur Avila, tenha recebido a Fields em 2014 (Ele foi o primeiro latino-americano a receber a honraria). Este ano os ganhadores foram o italiano Alessio Figalli, o alemão Peter Scholze, o indiano Akshay Venkatesh e o curdo, de origem iraniana, Caucher Birkar. Birkhar se distraiu, deixou a bolsa com a medalha de ouro em cima da poltrona na plateia, e quando procurou, não encontrou mais nada.
Foi uma falha grave na seguran√ßa, claro. S√≥ poderiam entrar no audit√≥rio do Riocentro pessoas com credencial ou a pulseira do evento. Os dois ladr√Ķes, flagrados pelas c√Ęmeras de seguran√ßa, passaram sem crach√° e nem pulseira. Podia ter sido pior, imaginem se eles resolvessem assaltar todos os presentes ali mesmo. Cada medalha Fields √© feita de ouro 14 quilates e o laureado tamb√©m recebe um premio de 15 mil d√≥lares. A organiza√ß√£o do evento ainda tem esperan√ßas de que a Fields n√£o tenha sido derretida, como aconteceu com a ta√ßa Jules Rimet.
Organizar congressos cient√≠ficos no Rio de Janeiro tem sido uma op√ß√£o arriscada desde a d√©cada de 1980. Lembro de um congresso de f√≠sica, em 1989, onde um pr√™mio Nobel foi assaltado em Copacabana. Em 1990 eu trabalhava num jornal do Rio, quando a Uni√£o Astron√īmica Internacional resolveu fazer sua conven√ß√£o anual no Brasil. Temendo pela seguran√ßa dos cientistas a organiza√ß√£o do evento realizou o encontro num hotel isolado, entre Angra dos Reis e Paraty. Naquela √©poca a Costa Verde ainda era um lugar tranquilo, n√£o tinha esses tiroteios e assaltos de hoje em dia. N√£o lembro o nome do hotel, mas era um lugar lindo e passei tr√™s dias l√°, cobrindo as √ļltimas novidades no espa√ßo sideral.
Entre as palestras e apresenta√ß√Ķes de trabalhos os convidados eram levados para passeios de barco pelas ilhas da ba√≠a de Angra. Al√©m da aus√™ncia de bandidos, tamb√©m n√£o tinha febre amarela naquele tempo e a reuni√£o foi um sucesso. N√£o me esque√ßo de uma astr√īnoma americana que andava estudando uma gal√°xia na constela√ß√£o do sextante. Que ela chamava de Sextans, com √™nfase no sex! E da turma que tinha colocado um telesc√≥pio ultravioleta a bordo do √īnibus espacial da NASA.
Hoje em dia n√£o d√° para pensar num evento semelhante naquele local. O hotel a beira mar, com cais e tudo seria um alvo f√°cil para essas quadrilhas que atacam de barco. A costa brasileira j√° √© um dos pontos conhecidos de pirataria no mundo. Outra op√ß√£o que j√° foi considerada segura √© o nordeste. Lugares como Natal e Fortaleza viraram alvos de quadrilhas que agem impunemente, queimando √īnibus, metralhando delegacias e pr√©dios p√ļblicos.
Por medida de seguran√ßa acho que o √ļnico lugar recomend√°vel, no Brasil atual, para a realiza√ß√£o desses eventos √© a ilha de Fernando de Noronha. Que fica isolada l√° no meio do Atl√Ęntico. Qualquer outro lugar implica num risco consider√°vel. O roubo da Fields foi um grande vexame, mas pelo menos todos os participantes sa√≠ram ilesos.
Podia ter sido pior.

8 coment√°rios

  1. Esse país não tem jeito.

  2. Sim não foi roubo. Foi furto. Mas o texto tem essência. Soube transmitir o problema. Parabéns.

    • Bl√°, bl√° , bl√°

      Roubo mediante violência ou ameaça
      Furto não há ameaça ou violência
      Algo t√©cnico, como latroc√≠nio e homic√≠dio…
      Na d√ļvida tem dicion√°rio jur√≠dico na internet…
      Mas a popula√ß√£o n√£o sabe…
      Assim como dizem que a crian√ßa foi ” roubada”…

  3. Toler√Ęncia Zero

    S√≥ pra exclarecer, N√ÉO foi ROUBO foi FURTO…
    Longe de mim defender BANDIDOS ( pra isso j√° temos o GILMAR MENDES do STF), mas o cara ganhar um pr√™mio desses e deixar JOGADO em uma bolsa sobre uma cadeira…
    Wle caiu aqui de PARAQUEDAS…???
    N√ÉO ACOMPANHA OS NOTICI√ĀRIOS…???

  4. Toler√Ęncia zero

    Cadê os milicos no Rio ?

  5. A pena para este gatinho deveria ser aplicada l√° no Iram.pois iam cortar o saco deste maldito.e mandar para o Talibam fazer a festa.s√≥ neste maldito Rio de Janeiro √© que acontece isto…..

  6. Esse tipo de ladr√£o, que surrupia coisas valiosas dos outros, n√£o costuma ser violento. Se ainda n√£o foram presos, j√° deviam ter espalhado retratos baseados nas imagens que divulgaram.
    Ilha de Fernando de Noronha? √Č por mar que chegam os piratas. Eles ainda existem, modernizados.

  7. Que país é esse?

    Que país é esse?
    Aonde medalhistas tem suas medalhas arrancadas a for√ßa…
    Mas uma coisa não se toma a força, o conhecimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document