terça-feira, 11 de agosto de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / Milton Nascimento e os fantasmas do faroeste

Milton Nascimento e os fantasmas do faroeste

Matéria publicada em 13 de dezembro de 2019, 13:53 horas

 


Clássico da música country ficou muito bem em português; canção foi composta na década de 1940

 

A internet é uma verdadeira caixa de surpresas. Também pode ser uma caixa de Pandora, guardando todos os males da humanidade. Mas, um bom navegador sabe evitar esses recifes perigosos e encontrar os verdadeiros tesouros escondidos na web. Outro dia eu passeava pelos meandros da rede quando topei com um vídeo do Milton Nascimento cantando a versão brasileira de “Ghost Riders In The Sky”, um clássico da música country norte-americana.
A música é antiga, foi composta na década de 1940, quando a mania do faroeste se espalhava pelo mundo, graças aos filmes de Hollywood. A versão brasileira se chama “Cavaleiros do Céu” e também é bem velha. E aqui a internet certamente está errada ao dizer que é de autoria do Wagner Tiso. Eu escuto essa canção desde que era criança e o Wagner Tiso não é tão velho assim. Não importa, seja quem for o autor, ele fez um trabalho magnífico, conseguindo contar a mesma história do original em inglês sem perder a rima.
Outra coisa curiosa sobre essa música, é que ela narra uma história de fantasmas passada no oeste americano. Aparentemente as vastidões desérticas do Arizona e de Nevada não são o cenário onde se espera topar com assombrações. Mas, esta é uma ideia ilusória. Imagine leitor que você está sozinho, de noite, lá no deserto do Arizona, debaixo de um céu estrelado fantástico. Meteoros flamejantes passam em silêncio, deixando rastros luminosos na escuridão. Daí, para imaginar alguma coisa “do outro mundo” não é preciso muito esforço.
Na letra da música um cowboy solitário se encontra nesta situação. Quando, de repente, a noite é iluminada por um clarão e um rebanho de reses incandescentes atravessa o céu, perseguido por cavaleiros fantasmas, também em chamas.

Milton Nascimento: Intérprete da inesquecível ‘Canção da América’

E um deles aconselha o cowboy “desordeiro e beberrão” a mudar de vida. Ou acabará se tornando uma alma penada, perseguindo para sempre um rebanho no céu. Quase todo astro da música caipira americana tem uma gravação dessa música. Do Johnny Cash ao Marty Robbins. Milton Nascimento, o intérprete da inesquecível “Canção da América”, não se saiu mal nesta sua incursão pelo faroeste assombrado. Ainda que a melhor versão que já ouvi seja a original, de 1950, com o ator Burl Ives. Que consegue passar uma melancolia que os outros intérpretes não alcançaram.
Essa música também deve ter inspirado o personagem do “motoqueiro fantasma” das histórias em quadrinhos. Já que ele é um ghost rider moderno, que trocou o cavalo pela motocicleta. E vive envolto em fogo, como os fantasmas da música.
Toda boa fantasia tem um pouco de realidade. Na vida real não é preciso ir ao Arizona para ver fantasmas no céu. Basta olhar para cima em uma noite estrelada. A maioria das estrelas que vemos no céu são fantasmas. Espectros de astros que já podem ter desaparecido. Olhe por exemplo para Betelgeuse, a alfa da constelação do Orion, que está bem visível nesta época do ano.
Betelgeuse esta há 700 anos-luz da Terra. Ela se encontra no estágio terminal de sua vida, e pode explodir como supernova. Isso já pode ter acontecido, mas quando olhamos para o céu vemos Betelgeuse como ela era há 700 anos. Antes da descoberta do Brasil. Abaixo de Betelegeuse temos três estrelas enfileiradas, as famosas Três Marias: Alnitak, Alnilan e Mintaka. Mais três fantasmas, que vemos como eram há dois mil anos atrás. Na época em que Jesus Cristo andava pela Palestina. E um dia, quem sabe no futuro, nossos descendentes poderão perseguir esses fantasmas a bordo de naves flamejantes, como os corcéis da canção.
Ah sim! Quem quiser conferir a interpretação do Milton Nascimento ela está no endereço (https://www.letras.mus.br/milton-nascimento/47409/).
E o original com Burl Ives está no YouTube (https://www.youtube.com/watch?v=j2klh2cTa_Q).

Arizona: Fantasmas no céu

 

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

4 comentários

  1. Avatar

    Calife meu caro ! Parabéns pela crônica de hoje. Sensacional. O começo, falando o que todos sabemos ou deveríamos saber sobre a grande rede e seu conteúdo. A filosofia e a metafísica entremeando o tema e o mote original, a canção, lindamente interpretada pelo Bituca. Parabéns !

  2. Avatar

    Milton Nascimento é o maior cantor brasileiro, pois canta do funda da alma!

    • Avatar

      Não, ele não é o maior cantor. O maior cantor, das antigas, é o Sérgio Reis, se não me engano, ele tem quase 2 (dois) metros de altura…………

  3. Avatar

    Amigo Calife, se não me engano a música faz parte do filme do Motoqueiro Fantasma e toca quando ele e o Ghost Rider anterior, que era um cowboy, cavalgam juntos.

Untitled Document