sábado, 4 de julho de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / O carro voador, o videofone e outras fantasias

O carro voador, o videofone e outras fantasias

Matéria publicada em 10 de novembro de 2015, 07:30 horas

 


Felizmente alguns sonhos futuristas do passado nunca se realizaram; celular era uma coisa além da imaginação

wp-coluna-espaco-aberto-jorge-calife

Em 1989, no século passado, o filme “De volta para o futuro 2” imaginou uma viagem ao século XXI onde os personagens desembarcam no dia 21 de outubro de 2015. E encontram as pessoas dirigindo carros que voam e os jovens deslizando em skates sem rodas. Os skates estão aí, nas nossas ruas, mas ainda usam rodas convencionais. E os carros ainda ficam no chão, felizmente, sobre quatro rodas. E mesmo assim matam milhares de pessoas todo ano. Só no último feriadão morreram 84 pessoas nas estradas federais, em apenas quatro dias.
Uma das melhores coisas sobre a ficção científica é que nem todas as suas previsões se realizam. Outro dia vi uma entrevista no YouTube com os atores do filme “2001: Uma odisseia no espaço” de 1968. Keir Dullea, o astronauta Dave Bowman, comentou como os tablets e o sistema de comunicação por vídeo mostrados no filme já fazem parte do nosso dia a dia. Outras previsões do filme, como hotéis no espaço, e voos comerciais para a Lua, continuam sendo ficção. Em 1968, quando “2001” foi exibido nos cinemas, todos os futurólogos apostavam que o futuro do telefone era o videofone. Celular era uma coisa além da imaginação. Em uma cena do “2001” o personagem Heywood Floyd liga para a esposa de uma estação espacial e sua filha atende a ligação na tela da TV. A mulher está ocupada e não pode atender. A revista Mad não perdeu a oportunidade. E fez uma sátira ao filme onde o videofone revela a mulher do doutor Floyd na cama com um amante. O videofone seria uma invenção extremamente indiscreta por isso acabou sendo esquecido.
Mas é claro que existem programas que permitem que as pessoas mandem imagens e vídeos através do computador. E até vejam familiares distantes na telinha enquanto conversam. Mas é tudo combinado previamente e não tem perigo de receber uma chamada enquanto se está embaixo do chuveiro, ou na cama, de manhã, com olheiras e cabelo embaralhado.
O carro voador, mostrado em filmes como “De volta para o futuro” e “Blade Runner – O caçador de androides” seria um pesadelo pior do que o videofone. Motoristas bêbados a duzentos metros de altura. Imagine acordar com um carro desgovernado entrando pela janela do seu apartamento, ou caindo em cima do telhado da sua casa. Não, é melhor que essa tecnologia fique mesmo só nos filmes de fantasia. Até mesmo uma inovação aparentemente inofensiva, como o telefone celular está criando problemas sérios devido a incapacidade das pessoas de lidar com ela.
Segundo a Polícia Rodoviária, um terço dos acidentes graves nas estradas, no Brasil de hoje, é provocado por motoristas que insistem em falar ou digitar mensagens no celular enquanto dirigem. Apesar dos inúmeros estudos médicos que mostram que o cérebro não consegue ficar atento a duas coisas ao mesmo tempo. Enquanto digita uma mensagem no celular a pessoa não vê o que está na frente, na estrada.
Mesmo dentro de casa o celular cria problemas. Há jovens que precisam de ajuda profissional para conseguirem se desligar daquela telinha. Outro dia a televisão mostrou uma jovem adolescente que não conseguia mais dormir. Ela passava as noites acordada, criando perfis falsos na internet para espionar o namorado. Foi preciso mandá-la para um psicólogo que ensinou uma coisa óbvia para a mocinha insone. Desligar o celular na hora de dormir.
O fato é que a humanidade leva um bom tempo para se acostumar com novas tecnologias. Os automóveis estão aí há mais de um século e as pessoas ainda não aprenderam que não se deve dirigir alcoolizado ou sob efeito de drogas. Até caminhoneiros, motoristas profissionais, drogam-se para aguentar as longas viagens pelas nossas estradas. Resultado, 45 mil mortos todo o ano só no Brasil.
Carro voador, nem pensar.

espaco aberto

‘2001’: Filme antecipou os tablets e o videofone (Fotos: Divulgação)

espaco aberto

 

JORGE LUIZ CALIFE | jorge.calife@diariodovale.com.br


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

3 comentários

  1. Avatar
    Coxinha de cidade-operária

    Será que o Donald Trump do brejo foi demitido? Se foi, será uma ausência que preenche uma lacuna…

  2. Avatar

    Esse cara é muito ruim….. Não faz nem um trabalho social na cidade dele, com todo conhecimento que ele tem…. Estamos fora de gente assim…. Só sabe criticar a cidade…. Fuiiiiiiiiiiiiiiiiiii….

  3. Avatar

    Por onde anda o Jorge Calife? É um dos melhores colunistas do jornal, também um dos mais comentados…

Untitled Document