quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / O Enem de todo dia

O Enem de todo dia

Matéria publicada em 18 de janeiro de 2020, 07:00 horas

 


Não somos apenas um resultado, somos nossas ações, dia a dia; somos nossos sonhos, somos nossa resiliência

O primeiro vestibular no Brasil ocorreu em 1911. Quase 110 anos mais tarde ainda precisamos de exames para selecionar e classificar os alunos para formação superior no nosso país. Dito isso, eu queria lembrar que ontem começaram a sair os resultados do Enem. Eu queria aproveitar esse momento para me dirigir a quem prestou o exame, aos responsáveis, aos corajosos de encarar mais uma prova, diante de todas as outras que a vida nos impõe. Parabéns pela coragem.
Quero lembrar, num primeiro instante, que uma prova, efetivamente, apresenta um resultado. Não dá para não respeitar os seus resultados, todavia, uma prova funciona como se fosse uma fotografia diante de filme. Podemos perceber uma avaliação como se fosse uma fotografia, a qual não representa o filme como um todo, assim como um capítulo ou uma página de um livro não resume todo o conteúdo da obra. Então, o que podemos dizer para nossos alunos? Para quem prestou o Enem? Muitos já pegaram os resultados e tenho certeza que muitos outros ainda não foram capazes porque, certamente, o site do INEP está sendo acessado por milhões de pessoas. Garanto. Ainda não peguei o meu resultado. Isso mesmo, eu também faço, todos os anos, o Enem, mas isso é uma outra história.
Lembro-me, agora, um aforismo de João Guimarães Rosa, o maior escritor brasileiro do século XX e um dos maiores escritores do mundo: “A colheita é comum, mas o capinar é sozinho”. Assim, muitos jovens e suas famílias estão, nesse exato momento, e vão passar o final de semana, comemorando os resultados do exame, outros nem tanto. O que dizer para esses que estão comemorando?
Valeu a pena, vale, agora, o abraço, a gratidão aos pais, aos responsáveis, aos professores – a família foi, é, e sempre será fundamental no processo pedagógico. Agradecer quem esteve e está investindo em você, demonstrar gratidão por meio de um beijo, de um abraço a quem não pode ser esquecido, mesmo lembrando que a família, muito envolvida com amor, às vezes pressiona, e isso pode ser um problema. Ademais, vale a pena o autoabraço, aplaudir si mesmo pelo sucesso, pelo trabalho, isso também é importante. Celebrar os nossos resultados é fundamental para os próximos. Parabéns!
Porém, e aqueles que não obtiveram a nota esperada, vale entender que esse resultado é apenas uma fotografia, os resultados não esperados representam apenas um flash e não a nossa história. O que aprender com isso? Todos viveremos mais de 100 anos, afinal a medicina evoluiu, o mundo evoluiu. Tendo isso em vista, vale a pena sofrer sim, se a nota não foi aquilo que esperávamos, mas sem dúvidas, o mais importante é secar as lágrimas, levantar a cabeça e ter a certeza de que a vida é feita de vitórias e de derrotas, de sucessos e de fracassos e que o aprendizado no sucesso e no fracasso são necessários.
Não somos apenas um resultado, somos nossas ações, dia a dia. Somos nossos sonhos, somos nossa resiliência, somos nossa capacidade de reinvenção. Somos, enfim, o que acreditamos que podemos ser.
É importante lembrar, ainda, que um dos conceitos fundamentais na teoria de Erik Erikson, psicólogo criador da Teoria do Desenvolvimento Psicossocial, é o de crise ou conflito que o indivíduo vive ao longo dos períodos os quais vai passando, desde o nascimento até ao final da vida. Cada conflito tem de ser resolvido pelo indivíduo em conjunto com as pessoas que o cercam. Na realidade de nossos jovens, os resultados dos vestibulares passaram a ser um momento de crise, e cabe a nós, enquanto educadores ou familiares, ajudá-los nesse momento tão importante.
Por fim, eu queria, ao meu aluno e à minha aluna, a todos os alunos e alunas, queria, do fundo do meu coração, deixar um abraço! E a todas as famílias, eu queria dizer o quanto somos importantes no processo educacional. Tão importante quanto o papel do professor na educação é o papel dos pais e responsáveis, afinal, são eles que estabelecem os primeiros ciclos de aprendizagem em casa e fornecem o suporte emocional aos filhos. Por isso, é muito importante que exista essa consciência por parte dos responsáveis e que eles saibam qual é o dever da escola e o que compete a eles. Tanto no sucesso quanto na ausência dele. Que venham os resultados, pois eles virão. Mas, o mais importante é que eles nos encontrem sempre de pé, e firmes. Que tenhamos a certeza, juntos somos mais fortes.

Boa leitura,
TMJ!

Raphael Haussman. É professor, Coach, consultor e apaixonado por educação e desenvolvimento humano e, ainda, pai da Raphaela e do Theo.

Nosso dicionário:

*Enem – O Exame Nacional do Ensino Médio é uma prova realizada pelo INEP que nasceu como uma ferramenta para avaliar a qualidade do ensino e hoje se tornou, também, uma avaliação que seleciona estudantes de todo o país para instituições federais de ensino superior e para programas do Governo Federal, como o Sisu, Prouni e Fies.

*INEP – O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) é uma autarquia federal vinculada ao Ministério da Educação (MEC). O INEP realiza levantamentos estatísticos e avaliações em todos os níveis e modalidades de ensino, sendo sua atividade mais conhecida a realização do Enem.

*Aforismo – Segundo o dicionário, aforismo é uma palavra de origem grega que nomeia uma máxima ou sentença que em poucas palavras contém uma regra ou um princípio de grande alcance.

*João Guimarães Rosa – João Guimarães Rosa (Cordisburgo, 27 de junho de 1908 — Rio de Janeiro, 19 de novembro de 1967) foi um dos mais importantes escritores brasileiros do modernismo, além de ter seguido a carreira de diplomata e médico.

*Processo pedagógico – O termo engloba todos os processos intencionais e sistematizados de transmissão de conhecimentos e cultura que passamos ao longo da vida, os quais são mais intensos no início da vida.

*Resiliência – Nas pessoas, a resiliência representa a capacidade de se adaptar ou até mesmo evoluir após momentos de adversidade.

*Erik Erikson – Erik Homburger Erikson (Frankfurt, 15 de junho de 1902 — Harwich, 12 de maio de 1994) foi um psicanalista responsável pelo desenvolvimento da Teoria do Desenvolvimento Psicossocial na Psicologia e um dos teóricos da Psicologia do desenvolvimento.

*Teoria do Desenvolvimento Psicossocial – A Teoria do Desenvolvimento Psicossocial de Erik Erikson prediz que o crescimento psicológico ocorre através de estágios e fases, não ocorre ao acaso e depende da interação da pessoa com o meio que a rodeia.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document