quarta-feira, 20 de outubro de 2021 - 07:16 h

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / O estresse que adoece: E por qual motivo isso acontece?

O estresse que adoece: E por qual motivo isso acontece?

Matéria publicada em 17 de abril de 2015, 06:21 horas

 


Bem, a tensão, estresse e cansaço prolongados prejudicam as defesas do corpo  

wp-coluna-um-papo-com-a-vida-aline-stteel

Você já deve ter reparado que às vezes, acontece de passar meses trabalhando, estudando intensamente, sem tempo para nada e quando chegam suas férias ou um feriado prolongado, os sintomas de gripe ou qualquer outra doença relacionada ao sistema imunológico começam a aparecer. Parece que todas as energias do corpo foram consumidas até o limite e quando pode finalmente descansar, lá vem aqueles sintomas chatos. É como se o corpo entendesse que agora ele pode adoecer porque tem tempo. E por qual motivo isso acontece? Bem, a tensão, estresse e cansaço prolongados prejudicam as defesas do corpo.

Pesquisas demonstram que ferimentos, por exemplo, cicatrizam bem mais devagar em pessoas que estão em períodos de cansaço extremo e sob pressão emocional. A verdade é que já algum tempo, temos constatado cada vez mais que existe uma relação bastante estreita entre nosso cérebro e nosso sistema imunológico. Existe uma comunicação perfeita entre eles. Quando vem o resfriado e você sente aquela vontade de ficar no quarto escuro, debaixo das cobertas e perde o apetite, temos aí um sinal de que nossa mente, a parte psicológica, entendeu o alerta do sistema imunológico. Tudo isso acontece com o objetivo de poupar a energia do corpo para se defender contra a doença, um comportamento protetor, para equilibrar novamente nosso estado normal que é ser saudável.

 Estresse crônico

Pessoas otimistas são mais resistentes e a resposta está na intersecção dos sistemas nervoso e imunológico. Nosso corpo tende ao equilíbrio. Somos preparados para ter saúde. Mas então, por que algumas pessoas vivem doentes com gripes ou alergias? O estresse pode ser a causa. Pessoas com estresse crônico são mais suscetíveis a infecções e alergias. O cortisol, hormônio do estresse, quando liberado durante um longo período de tempo, reduz significativamente a defesa imunológica e desregula o equilíbrio natural do corpo.

O trauma de ontem pode ser a dor de hoje. Existem muitos estudos que demonstram que vivências intensamente estressantes nos primeiros anos de vida, como pessoas que sofreram abusos na infância, possuem maiores riscos de sofrer doenças inflamatórias como reumatismo alguns anos mais tarde, na vida adulta. Por outro lado, outros estudos apontam que pessoas otimistas e bem-humoradas, apresentam a defesa imunológica excepcionalmente boa.

 Acompanhamento psicoterapêutico

Eliminando o fator gerador de estresse, as alterações sofridas pela nossa imunidade regridem e o corpo volta a funcionar perfeitamente. E quando o fator estressante não pode ser removido, como no caso do luto? Mesmo assim, é possível encontrar maneiras diferentes e melhores de lidar com a perda, sendo o acompanhamento psicoterapêutico fundamental. A notícia boa é que nosso sistema imunológico é capaz de aprender, ou seja, se normaliza rapidamente quando o estresse diminui ou acaba.

Ao redor do mundo, cada dia mais comprovam-se os resultados da ação psicoterapêutica na saúde das pessoas. Na realidade, o olhar, carinho e cuidado, quando voltados para nós mesmos, aliados ao autoconhecimento e maior compreensão de nossas experiências, são realmente o afago que nosso psicológico precisa e tudo isso se reflete em nossa saúde em geral.

 Meditação pode ajudar

Pessoas que meditam, por exemplo, produzem mais anticorpos do que as que não tem essa prática, após uma vacina contra a gripe. A recuperação de doenças é infinitamente mais lenta em pessoas com o nível de estresse elevado. Por esse motivo também, alguns médicos optam por não operar pacientes com estresse alto e depressão considerando que a imunidade está fraca e despreparada para proteger o corpo.

Ainda faltam provas científicas definitivas, mas cada dia mais, essa relação estreita entre corpo e mente, psiquismo e sistema imunológico, se mostra mais óbvia. O estresse apresenta sintomas psicológicos, comportamentais e físicos. Como sintomas psicológicos, estão presentes frequentemente a irritação, ansiedade, impaciência e insatisfação em geral. Como sintomas comportamentais, o consumo de álcool e drogas, a ruptura brusca em relacionamentos, incapacidade de dialogar, além da falta de libido. Sintomas como insônia, aumento da pressão arterial, queda de cabelo, dores musculares e nas articulações, alertam para um caso de estresse elevado.

 E como diminuir a ação do estresse em nossa saúde?

Anotar o que pensamos e sentimos, desabafar mesmo no papel, parece ter efeito bem parecido com a meditação ao proteger a imunidade, pois aumenta o nível de anticorpos. A realidade é que, ao transmitir para o papel ou falar com sua psicóloga, as ideias se reorganizam e as emoções tóxicas são colocadas para fora, digeridas através de cada palavra e cada gesto. Se trancar em problemas e se fechar para mundo, é permitir que cargas emocionais pesadas corroam seu corpo por dentro, o que o faz adoecer, ficar confuso, aumentar os pontos negativos e não conseguir enxergar soluções. Fique atento aos sentimentos inúteis que somente paralisam. A psicoterapia o faz ver a situação real com suas possibilidades de vitórias e muitos caminhos para seguir em frente.

 Truques para aliviar o estresse

Para aliviar o estresse, existem alguns truques como: fechar os olhos e se concentrar em sua respiração, inspirando e expirando, enquanto visualiza paisagens tranquilas, reais ou imaginárias. Faça isso durante cinco minutos. Você também pode escutar suas músicas favoritas! Separe meia hora de seu dia para ouvir música e preste atenção em cada instrumento, voz, melodia, coloque toda a sua atenção na música.

Também poderá ajudá-lo, se perguntar o que o está estressando e anotar num papel, assim você conseguirá visualizar melhor tudo o que vem acontecendo e ver o que da lista é de fato estressante e merece atenção. Colocar prioridades. Respire e organize seus pensamentos e tarefas, isso irá contribuir para eliminar pouco a pouco agentes estressores. Tome um banho quente e relaxe toda à musculatura de seu corpo. Uma caminhada relaxante olhando para a natureza, também liberam substâncias no corpo que aliviam o estresse.

 Pico de estresse

Tome cuidado e em situações de pico de estresse não vá a shoppings, por exemplo, pois você pode descarregar comprando compulsivamente, gerando assim problemas futuros e compras desnecessárias, indo de modo inconsciente, em busca de uma satisfação e prazer que irão durar muito pouco. Em período de pico de estresse, a compulsão aparece de modo intenso, podendo levar a pessoa a comprar, jogar, beber compulsivamente, entre outros comportamentos de compulsão.

Consultar um psicólogo não é um ato de loucura nem fraqueza como alguns ainda hoje podem pensar, por falta de informação. É um ato de lucidez e coragem, determinação e vontade real de mudar tudo que impede de ser feliz e realizar-se. É um ato de bravura ao tomar as rédeas da vida aprendendo a lidar como as emoções.

Por Aline Stteel – Psicóloga Clínica, Coach e orientadora vocacional.

Aline Stteel/[email protected]


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. ótimas dicas. Muito bom este quadro, relaciona temas de saúde e nos leva a um crescimento também pessoal.

Untitled Document