terça-feira, 22 de outubro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / O lazer e o desenvolvimento acadêmico

O lazer e o desenvolvimento acadêmico

Matéria publicada em 1 de junho de 2019, 08:00 horas

 


É importante perceber que estipular um tempo diário para descontração e lazer faz parte do processo de preparação para o vestibular e para o desenvolvimento acadêmico como um todo

Falar sobre estudos, desenvolvimento acadêmico e equilíbrio é essencial. Em um cenário no qual o aluno estuda de sete horas até as 12h, pausa para almoçar, segue com atividades acadêmicas no período da tarde e, à noite, usa o tempo para rever o que foi aprendido durante o dia, será que realmente não há como encontrar tempo para descontração e lazer?
É importante perceber a necessidade de equilíbrio entre lazer, descontração, estudo e trabalho. Se observarmos todo o processo da vida, como a própria natureza nos ensina com as estações do ano, existe momento para tudo. Assim como na primavera temos as paisagens formadas pelo reflorescimento e, no outono, as folhas das árvores começam a amarelar e se preparam para cair, a analogia com as estações do ano mostra que a vida também precisa de equilíbrio.
Determinar um tempo para descontração, descanso e relaxamento é imprescindível para manter a concentração e o desempenho nas demais atividades. Um aluno extremamente focado em seu desenvolvimento acadêmico e no vestibular precisa encontrar momentos na semana para lazer e para desacelerar. E digo mais: ele tem que encontrar esse tempo diariamente.
O fato é que o descanso não acontece quando o aluno recorre às redes sociais para desacelerar e descansar. Na verdade, o que acontece é o comprometimento do desenvolvimento, ocasionando um resultado oposto ao esperado. Identificar os “ladrões de atenção” e descanso é de extrema importância para não admitirmos que nossos momentos de relaxamento sejam utilizados erroneamente e produzam efeito contrário.
Permita-se desfrutar do tempo de descontração. Tomar água, fazer um lanche, ir ao banheiro, tomar um banho, alongar-se, conversar com outras pessoas são algumas opções de como descontrair. O mais importante é não se sentir culpado durante os momentos de relaxamento e lazer.
Mudar de cenário pode ser uma boa. Coloque roupas confortáveis, fones de ouvido com músicas que você goste e vá caminhar, ou, simplesmente andar. Sair para comer e encontrar os amigos é outra opção ótima para quem precisa relaxar e descontrair. Tente esquecer as preocupações do mundo acadêmico e aproveitar o momento de descontração, mas evite excessos. Outra opção de lazer e descanso, um pouco mais sossegada, são os livros.

**VISÃO DA PSICÓLOGA
A psicóloga Marilane Leite declara que para as horas de estudo serem eficazes é importante estipular horários para os intervalos de estudo e seguir o programado. Estudar durante muito tempo, sem um repouso, atrapalha o aprendizado. O intervalo é importante para dar tempo de refazimento para que a sua mente volte a assimilar conhecimento.
Marilane explica que um aluno que estuda durante 4 horas, por exemplo, com boa capacidade de concentração, pode estender o estudo a até 2 horas ininterruptas, parando de 15 a 30 minutos, conforme a necessidade e a disponibilidade de tempo, para em seguida voltar a estudar. No caso de uma pessoa mais dispersa, com dificuldade de concentração o ideal são pausas mais amiúde, com espaço de tempo menor entre elas.
A psicóloga diz ainda que quando se pensa em combinar as horas de estudo e as horas de descanso enxergar um cronograma é importante para distribuir os momentos de descanso durante os dias. Em seguida deve-se separar um tempo para refazer o mental, uma parada que pode ser de 20 minutos para exercícios meditativos, que podem ser encontrados na internet. Associar essa prática a atividades físicas ajuda a diminuir ainda mais o estresse.
Cada pessoa se dá melhor com uma forma de descansar e desacelerar, mas para estar apto a assimilar novos conhecimentos o ideal é que o descanso aconteça no silêncio, ou, no máximo, ao som de uma música suave que te faça relaxar.
Marilane lembra que utilizar o celular, estar em várias redes sociais ao mesmo tempo, fazendo várias coisas faz com que não haja descanso. Na visão da psicóloga, o celular aumenta a atenção multifocada, que acontece quando vários tipos de informação são acessados ao mesmo tempo, sobrecarregando a pessoa. Segundo ela, pesquisas afirmam que a atenção multifocada faz com que haja queda do cociente de inteligência intelectual, afetando também a memória e a concentração. A melhor forma de manter esse cociente é exercer uma tarefa de cada vez.
Outro problema das redes sociais é o tempo destinado a elas. Marilane conta que a maioria das pessoas dedica uma parcela de tempo gigante às redes sociais e essas investidas não levam a lugar algum, não trazem algo de produtivo ou enriquecedor.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Avatar

    Podia fazer uma matéria sobre vocação, tão em falta.

    E como o jovem encontra sua vocação…

    Não se fala mais em vocação.

Untitled Document