domingo, 8 de dezembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / Os 48 anos da Apollo 11 e os planos para o futuro

Os 48 anos da Apollo 11 e os planos para o futuro

Matéria publicada em 1 de agosto de 2017, 07:00 horas

 


Modelo de armar relembrou a viagem histórica; muitas empresas particulares estão fazendo planos para uma reconquista da Lua

wp-coluna-espaco-aberto-jorge-calife

No dia 20 de julho passado os astronautas comemoraram os 48 anos da histórica missão da nave Apollo 11, a primeira a pousar na Lua em 1969. No Centro Espacial Kennedy, em Cabo Canaveral, teve uma festa de gala tendo como anfitrião o astronauta Edwin Buzz Aldrin, o segundo homem a pisar na Lua. Também compareceram o piloto da Apollo 11, Michael Collins, e os astronautas Walt Cunninghan, da Apollo 7, e o geólogo Harrisson Schmit, que esteve na Lua em 1972, durante a última missão lunar, a Apollo 17.

A viagem ainda desperta muito interesse, quase meio século depois. A fábrica de jogos de armar, LEGO, lançou um modelo do foguete Saturno 5, com centenas de peças, que se esgotou em pouco tempo. Aldrin faz campanha em prol de uma viagem a Marte e a fundação que ele dirige, a Share Space, distribuiu 100 mapas gigantes do planeta Marte nas escolas americanas, para inspirar uma nova geração de viajantes espaciais.

Na época da Apollo 11 seus astronautas estavam na faixa dos trinta anos. Hoje são todos octogenários, como Aldrin, mas estão confiantes em viver para comemorar o cinquentenário da missão daqui a dois anos. Buzz Aldrin foi a estrela de um documentário recente, Starmen, apresentado pelo ator George Clooney, que interpretou um astronauta no filme “Gravidade”.

Um leilão de relíquias das missões Apollo também ajudou a arrecadar fundos para a Sharespace. Entre os itens leiloados havia um pedaço da cobertura de tecido Kapton, que envolveu a Apollo 11 durante sua viagem e um envelope que foi levado para a Lua e autografado pelos três astronautas enquanto estavam no “Mar da Tranquilidade”.

Como nos últimos cinco aniversários da missão Apollo 11, foi notada a ausência do comandante Neill Armstrong, falecido em agosto de 2012. Eugene Cernan, o último homem a andar na Lua e comandante da Apollo 17 também morreu no ano passado. Restam poucos desses primeiros pioneiros do espaço.

Atualmente há vários planos para prosseguir com o legado da Apollo 11. Na semana passada a Nasa testou pela terceira vez, com sucesso, os motores do superfoguete SLS, que será tão grande quanto o Saturno 5 e usará uma tecnologia mais moderna, desenvolvida no programa do ônibus espacial. Os russos também têm planos de reativar seu foguete Energia, desenvolvido nos tempos da União Soviética. Uma base lunar está nos planos das agências espaciais da China e da Europa. A ideia é enviar robôs antes dos astronautas para construir a base usando impressoras 3D.

Muitas empresas particulares também estão fazendo planos para uma reconquista da Lua. Uma delas é a companhia de robótica Astrobotics, baseada em Pittsburgh, nos Estados Unidos. A Astrobotics construiu uma nave cargueira robô para levar cargas de até 265 quilos para a Lua. O primeiro teste foi marcado para 2019, no cinquentenário da Apollo 11. Um foguete Atlas 5 levará a nave Peregrine Lander para testar a nova tecnologia. Neste primeiro voo a carga será limitada a apenas 35 quilos, mas se tudo correr bem as missões seguintes serão mais pesadas.

Mesmo com o limite de 35 quilos, a Astrobotics já assinou onze contratos com empresas que querem participar da missão. Como outras empresas aeroespaciais, a Astrobotics oferece seus serviços tanto para governos quanto para empresas particulares. Com essas naves automáticas será possível levar para a Lua os futuros robôs construtores de abrigos e bases lunares.

O mapeamento da superfície da Lua, feita pelas naves robôs dos Estados Unidos, Japão, Índia e China, mostrou a existência de cavernas e fendas profundas que podem servir de abrigo para as futuras moradias lunares.

2019: Nave robô vai preparar terreno para novas missões

2019: Nave robô vai preparar terreno para novas missões

 

JORGE LUIZ CALIFE | jorge.calife@diariodovale.com.br


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

8 comentários

  1. Avatar

    Lá vem esse cara de novo com mais conversa pra boi dormir, “corte e cola” de almanaque…

  2. Avatar

    Lendo alguns comentários postados aqui podemos entender por que o Brasil é um país atrasado e muito provavelmente ainda será por muito décadas; um zero a esquerda na inovação tecnológica, condenado a depender exclusivamente da venda de commodities e governado por líderes populistas. E no final ainda vão culpar o capitalismo, o imperialismo e o passado colonial pelo subdesenvolvimento brasileiro, como fazem os petistas.

  3. Avatar

    Jorge Calife, o cara só escreve bobeira, ele tinha que ia pra marte conviver com os amigos deles… Não escreve uma coisa interessante da nossa região e do Brasil, quando escreve só reclama da administração de um de outro.

    • Avatar
      الفتح - الوغد

      Por que motivo VOCÊ não faz algo de útil na tua vida? Dê o exemplo, mostre como se escreve!…

  4. Avatar

    Conversa mole nunca pousaram lá, conversa pra boi dormir!

  5. Avatar

    A MAIOR REALIZAÇÃO DA ESTORIA DA HUMANIDADE ????

    Muito propaganda e dinheiro disperdiçado

  6. Avatar

    Farsa! Estive lá na época. Nada vi. Nunca mais chegaram nem perto.

    Tá limpooo!

  7. Avatar

    Com certeza os pousos na lua foram a maior realização da história da humanidade. É uma pena que com o fim da guerra fria as missões tripuladas ficaram limitadas à órbita terrestre. Uma missão tripulada a Marte parece sempre a 30 anos no futuro. Por sorte temos a iniciativa privada, apesar de a maioria destes empreendimentos me parecerem apenas golpes publicitários sem nenhuma base tecnológica e/ou financeira para levar a cabo tais planos mirabolantes – vide o Mars One e a empresa de mineração espacial do James Cameron. Mas há planos reais de exploração espacial privada, como os da Space X e o da Blue Origin, que já tem até foguetes levando cargas para órbita terrestre e planos em adiantada fase de desenvolvimento de naves tripuladas. O futuro parece promissor!

Untitled Document