terça-feira, 23 de julho de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Ciência – Por Jorge Calife / Robô chinês sobrevive ao frio da noite lunar

Robô chinês sobrevive ao frio da noite lunar

Matéria publicada em 14 de fevereiro de 2019, 08:00 horas

 


Chang’e 4 e o Coelho de Jade suportaram temperatura de -190º C

Sucesso: O Chang’e 4 resistiu ao frio.

A sonda robô chinesa Chang’e 4 e o carro Yutu2 (Coelho de Jade 2) sobreviveram ao frio da longa noite lunar. Depois de suportarem temperaturas de 190 graus negativos, na escuridão que dura 14 dias, os dois foram reativados. O Chang’e 4 foi a primeira sonda espacial a pousar no lado oculto da Lua, aquele que não vemos aqui da Terra. Segundo a agência espacial chinesa, o Chang’e 4 acordou e começou a enviar sinais para a Terra na noite de quarta feira e o carrinho Yutu começou a enviar sinais as 20 horas de quinta feira passada. Os dois estão no interior da cratera Von Kármán, que fica perto do polo sul da Lua. Infelizmente as sementes de algodão que tinham germinado em uma cápsula colocada dentro da nave não resistiram e morreram durante a noite gelada.

Os dois robôs só sobreviveram porque são equipados com uma fonte de calor feita de isótopo radioativo. Eles foram colocados em hibernação quando anoiteceu e programados para despertarem assim que o dia raiasse. Eles chegaram à Lua no dia 3 de janeiro e o carrinho Yutu saiu para dar um passeio. Atualmente ele se encontra estacionado a 18 metros a noroeste do módulo de pouso. A comunicação com a Terra é feita por um satélite, o Queqiao já que a Terra não é visível no céu do lado oculto da Lua.

Segundo a agência de notícias Nova China, os instrumentos do robô descobriram que o solo lunar na região de Von Kárman é mais frio do que nas regiões visitadas pelas missões americanas Apollo, entre 1968 e 1972. “Isso provavelmente se deve a diferença na composição do solo entre as duas regiões” disse o diretor da missão Zhang He. A sonda chinesa foi fotografada pelo satélite Lunar Reconnaissance Orbiter da agência espacial americana NASA, que se encontra orbitando a Lua a uma altura de 330 quilômetros.

A China tem planos de construir uma base polar na Lua, assim como a agência espacial europeia Esa. Na semana passada uma empresa particular de Israel, a Space IL, anunciou que também vai enviar uma sonda robô para a Lua. Ela se chama Beresheet, o que significa “No começo” em hebreu. Como Israel não dispõe de foguetes espaciais o robô irá para a Lua de carona num foguete Falcon 9 da Empresa Space X, do bilionário Elon Musk. Do tamanho de uma mesa, o Beresheet deve partir para a Lua ainda este mês. A missão do Falcon 9 é lançar um satélite de comunicações na órbita estacionária, a 36 mil quilômetros da Terra. De lá a nave israelense tomará seu caminho para a Lua.

Embora a 36 mil quilômetros o Beresheet ainda se encontre a um décimo da distância total até a Lua, que fica a 384 mil quilômetros da Terra, noventa por cento da energia para chegar lá já terá sido fornecida pelo Falcon 9. Para completar a viagem o robô só precisará usar seus pequenos motores foguete para conseguir um impulso extra. Ele também precisa levar combustível para a manobra de pouso.

A Space IL israelense foi criada para disputar o prêmio X, de 30 milhões de dólares, que seria dado a empresa particular que conseguisse pousar uma sonda na Lua antes de 2018. O prazo expirou sem que ninguém conseguisse ganhar o prêmio, mas a SpaceIL, criada em 2011, continuou a desenvolver sua sonda espacial, que finalmente esta pronta para voar. Ela leva uma cápsula com artefatos da cultura israelense e sensores de campo magnético para estudarem o magnetismo lunar. Também se encontra a bordo um refletor de raios laser usado para medir com precisão a distancia Terra Lua. O lançamento está marcado para o dia 18 de fevereiro, na próxima segunda feira.

A agência espacial americana NASA deve retomar suas missões lunares em 2020, quando entrar em operação o super foguete SLS. A NASA planeja colocar uma estação espacial tripulada, a Deep Space Gateway orbitando a Lua em 2026. De lá os astronautas poderão descer na Lua em módulos reutilizáveis.

POr: Jorge Luiz Calife


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document