segunda-feira, 9 de dezembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / Ser especialista ou generalista?

Ser especialista ou generalista?

Matéria publicada em 8 de outubro de 2019, 08:11 horas

 


Para o mercado de trabalho do futuro, é melhor ser um profissional especialista ou generalista?
Durante muito tempo se discutiu se o melhor profissional seria o especialista, aquele que sabe muito, com profundidade, mas apenas de um assunto, ou o profissional generalista, que sabe um pouco de tudo, sabe de uma gama muito grande de assuntos, mas sem se aprofundar tanto em nenhum.
Mas agora seus problemas se acabaram, porque finalmente o mercado chegou numa conclusão: você tem que ser as duas coisas.
Ou seja: agora que seus problemas começaram.
O profissional do futuro será aquele que constrói uma espécie de conhecimento em T: tem uma formação mais profunda, vertical, em uma área específica do conhecimento, mas ao mesmo tempo tem o radar ligado para absorver conhecimentos horizontais, de diversas outras disciplinas, mesmo que neste caso sem tanta profundidade.
E por que isso? Por muitas razões, mas a principal é que o mundo do futuro será movido a inovação e criatividade e essas duas atividades costumam ser transdisciplinares.
A criatividade quase sempre é oriunda da fusão ou até mesmo da colisão de universos distintos. Se você misturar azul com azul, dá azul. Se você misturar azul claro com azul escuro dá… azul do mesmo jeito.
Mas se você misturar azul com amarelo dá verde, uma terceira cor. E com apenas quatro cores, ciano, amarelo, rosa e preto, você é capaz de gerar 16,7 milhões de cores.
E com sete notas musicais e mais alguns bemóis e sustenidos, você consegue criar todas as músicas do universo.
Tem um cara super massa, que se chama Murilo Gun, ele diz que a criatividade na realidade é apenas combinatividade, a capacidade de misturar coisas que já existem e criar uma coisa nova, que ainda não existe. O smartphone, por exemplo, é a combinação de câmera fotográfica, câmera de vídeo, GPS, relógio, despertador, delivery de pizza, disk táxi e até mesmo – olha que estranho – telefone !
Portanto, ainda que você seja especialista numa determinada área, o que em principio é bom, não seja um chato bitolado e monotemático. Aprenda coisas diferentes, de outros campos do conhecimento, para se tornar uma pessoa com mais acervo. As pessoas mais criativas são aquelas com mais repertório, que conseguem combinar elementos de diferentes disciplinas. Se você é da área de Exatas aprenda sobre Gente. O mundo da gente é feito por Gente. E se você é da área de Humanas, aprenda sobre lógica, entenda a poesia da matemática. O mundo que a gente está adentrando será movido pelo Big Data. Ter a capacidade de interpretar cenários para tomar decisões melhores será uma habilidade muito valiosa no futuro.
Se você consumir sempre o mesmo tipo de informação você vai ter sempre o mesmo tipo de sacada, ou seja: nenhuma.
Outra coisa importante é a capacidade de filtrar conteúdo, separando o que é relevante e prioritário daquilo que não agrega tanto valor para a sua estratégia pessoal de crescimento. Em uma palavra: curadoria. A gente não tem mais condição de absorver a avalanche de informação que o mundo cospe em cima da gente toda hora.
Tem uma frase legal que diz assim: Se voce não está com dúvidas é porque você está mal informado.
Não adianta consumir informação se você não for capaz de produzir reflexão.
A gente vai ter que ser um profissional que é capaz de juntar lé com cré, que é capaz de fazer associações inéditas e inteligentes a partir desses diferentes campos do conhecimento.
E uma das principais habilidades do profissional do futuro é a de saber gerir toda essa massa de informação e conhecimento. Será impossível digerir tudo que nos chega, então é necessário um trabalho de curadoria, de selecionar o que devemos consumir.
A informação está sobrando, mas o dia continua com as mesmas 24 horas que sempre teve, então você vai ter que ser seletivo com essa sua construção de conhecimento.
Assim como na alimentação a gente não deve comer demais, nem alimentos sem propriedades nutritivas, o mesmo acontecerá com o conhecimento.
Comida é o alimento do corpo. Conhecimento e reflexão é o alimento do espírito e do intelecto.
É impossível absorver todo o conhecimento que o mundo produz toda hora. É congestão de conteúdo. Ponto final. Então é necessário consumir os alimentos certos pra nossa alma, pro nosso intelecto e pra nossa maior capacidade de navegar pelo mercado do futuro, e o que esse mercado aponta é que os profissionais polivalentes, com conhecimento em “T”, serão os melhores sucedidos nesse novo mundo que está chegando sem pedir licença.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document